Jornal da Praia

PUB

NORTADAS NO PAÍS DOS ARGUIDOS

Quarta, 10 de Julho de 2019 em Opinião 65 visualizações Partilhar

NORTADAS NO PAÍS DOS ARGUIDOS

Alexandre Gaudêncio entrou para a lista negra do sistema partidário português, quando se rebelou perante Rui Rio, chefe da tribo social democrata portuguesa e afirmou a frase de Cipriano de Figueiredo do século XVI “Antes Morrer Livres, Que Em Paz Sujeitos”.

Os tentáculos do sistema, puseram-se logo à cata de o apanhar em falso. Na falta de melhor, fizeram-no arguido de delitos de todos neste país. Para o sistema, não precisa levar ninguém ao banco dos réus. Basta uma maliciosa queixa, seguida de bem estruturado comunicado à imprensa e a (in)justiça popular trata do resto.

Há anos que o escrevo, por experiência do que vemos, que todos os rebeldes do sistema pagam caro a ousadia.

A desculpa de não cumprir a lei, é simplesmente ridícula e só funciona no país das leis e contra-leis, da confusão jurídica, das elites corporativas, dos manipuladores de todo o sistema político-social português. Típico do centralismo viciado.

O Portugal político, sofre de dependência centralista.

Alexandre Gaudêncio não pisou maior risco ilegal (se é que o fez) do que milhares de outros por esse país fora.

Desobedecer às leis de um sistema que fabrica essas leis de forma combinada e não por deputados eleitos pelo povo, mas por partidos eleitos por listas pré-fabricadas, num parlamento de maioria jurista, com advogados que trabalham de manhã em escritórios de advocacia e à tarde como deputados, só pode dar uma jagunça dessas.

O pecado original de Gaudêncio, foi querer açambarcar tudo muito rápido. Mas a sua ambição não é condenável por lei alguma. Condenável é a espessa teia de leis e regulamentos que emperram o progresso de qualquer país.

Nesta terra, quando alguém anda mais rápido, a máquina burrocrática trata logo de travar por todos os meios. As guerras partidárias fazem o resto e toda a mesquinhes humana vem ao de cima, como azeite na água.

Com alguns erros de percurso na sua cavalgada política, a ingenuidade tem um alto custo e Alexandre Gaudêncio apenas não terá controlado alguma entourage mais ambiciosa.

Enquanto presidente de câmara, todos a têm. Só que o caso muda de figura  enquanto diretor de sucursal partidária estrangeira nas Ilhas.

O partido socialista português tem uma máquina bem oleada de 23 anos de governação da sua delegação ilhoa. Dinheiro e controlo económico-financeiro, são dois filhos naturais de tamanha barriga governativa. Tem mão sobre uma grande parte da população, seja através da função pública insular, seja pelos inúmeros favores distribuídos. A sua influência cresceu e não pode nem deve ser menosprezada.

O Partido Social Democrata, tanto a nível nacional, como a sua sucursal açoriana, continuarão a penosa travessia do deserto da oposição. Só com um grande desaire nacional e uma conjuntura suicidária, poderia o PSD ambicionar, sequer, ficar próximo da maioria socialista que se aproxima. Rui Rio está de rastos e a delegação PSD nos Açores não está melhor.

A afirmação de Gaudêncio, de que isto foi um golpe do Partido Socialista, tem uma outra leitura obrigatória. A bomba rebentou de dentro do próprio PSD. A guerra fradicida está a matar os sociais democratas. Esta é que é a verdade. E ainda bem. Assim o Povo Açoriano pode verificar que, sem partidos regionais, qualquer barco partidário anda à deriva das vontades do Terreiro do Paço. Os Açorianos nisto são pau mandado.

Se Alexandre Gaudêncio nada tem a temer com o que agora se lhe acusa, deve suspender o seu mandato na Câmara de Ribeira Grande, até que tudo se esclareça. Depois e sendo inocente, retoma o mandato em grande.

Quanto à de chefe da delegação partidária do PSD, a demissão imediata. Esta é a única ética apregoada pelo próprio Gaudêncio há poucos dias e a única saída airosa.

O atual responsável pela polícia judiciária portuguesa nos Açores, não entraria pela residência particular adentro de ninguém - para tal tem de possuir mandato judicial - se no meio da fumaça não soubesse de algo importante. A ambição na carreira de tal diretor, não arrisca erros de virgem. Além de que na colónia açoriana fazem por mostrar trabalho ao chefão máximo da tribo.

Certamente que os Açores sem a interferência de forças estrangeiras, neste caso portuguesas, estariam numa posição diferente de tratar esses casos de polícia.

As leis de um país estrangeiro, são interferência flagrante numa microssociedade culturalmente diferente, com toda a sua luta de sobrevivência do dia-a-dia.

Mas é o que temos, embora seja longe do que merecemos.

José Soares