Jornal da Praia

PUB

José Júlio de Souza Pinto – naturalista

Quarta, 24 de Abril de 2013 em Opinião 2750 visualizações Partilhar

José Júlio de Souza Pinto – naturalista

Há exatos 74 anos, a 14 de abril de 1939, morria o artista José Júlio de Souza Pinto, um grande pintor naturalista, em Pont-Scorff, na Bretanha, em França,

Souza Pinto nasceu a 15 de Setembro de 1856, em Angra do Heroísmo, filho do magistrado Lino de Souza Pinto, originário de S. Mamede de Valongo e de Ana de Souza Loureiro, natural do Porto. Souza Pinto viveu na Terceira até aos 3 anos, indo depois para a Santa Maria, onde o seu pai foi Juiz de direito. Foi aí que, em novembro de 1861, nasceu o irmão mais novo, o também pintor Alberto de Souza Pinto.

A família de Souza Pinto passou ainda pela Ribeira Grande, antes de regressar ao continente. Souza Pinto e o irmão Alberto matricularam-se na Academia Portuense de Belas Artes, onde Souza Pinto esteve 8 anos. Em 1880, venceu o prémio de uma viagem, frequentando então na École des Beaux-Arts de Paris. Conheceu a sua esposa Louise de Bigot, de quem teve dois filhos, um deles foi o escultor e aguarelista Carlos Sousa.

Souza Pinto apresentou, em 1883, no Salon, o seu célebre quadro Os calções rotos, recebendo a Menção Honrosa. Começou verdadeiramente a sua carreira artística e o reconhecimento do seu trabalho. Em 1884 foi agraciado pelo Governo Português com o grau de Cavaleiro de S. Tiago. Nos anos seguintes tem imenso sucesso, tanto que na Exposição Universal de 1889, em Paris, recebeu uma Medalha de Prata, ficando considerado Hors-Concours, ou seja, as suas obras deixaram de precisar passar pela seleção do júri.

Em 1893, apresentou Rendez-vous, que foi exposta na Exposição do Rio de Janeiro de 1895, na qual obteve uma Medalha de Prata. Dois anos depois recebeu o grau de Cavaleiro da Legião de Honra, tendo sido elevado a Oficial em 1928, distinção pouca concedida a estrangeiros. Em 1900, Souza Pinto aceitou o convite para fazer parte do Júri da exposição de pintura na Exposição Universal de Paris.

Nos inícios do século XX, Souza Pinto trabalhou intensamente em Pont-Scorff, na Bretanha, onde desenvolveu uma temática naturalista muito própria, tanto em pastel, como em óleo. A 2ª década do século foi o período em que mais produziu obras em Portugal. Viveu em Lisboa durante I Guerra, durante a qual exibiu uma Retrospetiva das suas obras. Em 1932, o pintor Júlio Pina organizou no Salão Silva Porto, uma Exposição de homenagem e consagração ao artista, onde foram expostos 103 trabalhos, pintados durante uma carreira de 60 anos.

Quando José Júlio de Souza Pinto morreu, em 1939, era reconhecido entre os melhores pintores e considerado um incontornável manejador de pastel. Souza Pinto soube captar a atenção para a sua obra da qual viveu abastadamente, o que lhe permitiu fazer uma carreira artística europeia, nunca esquecendo o seu país.

Atualmente é importante darmos valor à cultura e às artes. É inconcebível que se despreze os artistas. Os terceirenses, defensores da qualidade e da grandeza das suas gentes, devem incentivar a que se divulgue o trabalho dos seus artistas, dando valor ao que é seu. Não sejamos mesquinhos. Não faz sentido darmos apenas valor a obras estrangeiras, menosprezando o que é local. É tempo de abraçarmos o que é nosso. A cultura define um povo!

Texto e Foto/ Francisco Miguel Nogueira