Jornal da Praia

PUB

ELEIÇÕES EUROPEIAS: E A CHAMADA DE “INSOLENCIA” AOS QUE OPTAVAM PELA ABSTENÇÃO

Sexta, 05 de Julho de 2019 em Opinião 55 visualizações Partilhar

ELEIÇÕES EUROPEIAS: E A CHAMADA DE “INSOLENCIA” AOS QUE OPTAVAM PELA ABSTENÇÃO

Dizem os dicionários que “insolência” refere: Manifestação do orgulho das pessoas que se elevam acima da sua condição, desaforo, arrogância excessiva. Destes adjectivos, pensamos só um deles nos servir. O que refere “excesso de orgulho”, orgulho de sermos quem somos, e de sermos açoriano.

Fomos dos que declaramos ser pela “abstenção” como forma de repúdio, ao tratamento com que os açorianos são impedidos de livremente escolherem os seus representantes ao Parlamento Europeu independentemente de ser europeísta ou não pois que, da maneira como a lei estabelece o circulo eleitoral a estas eleições como um circulo único “nacional” não permite que, o “voto” democrático dos Açorianos, caiba nas urnas portuguesas e europeias, deixando-os à porta da rua, de mão estendida e chapéu na mão à espera de que seja considerado verdadeiramente e por direito próprio, Povo e Região dita periférica mas, senhora de várias condições geopolíticas e económicas que lhe permitem uma à autodeterminação há séculos desejada.

Como esperávamos, a abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu do passado dia 26, foi recorde merecedor de fazer parte do Guiness. Tanto lá como cá, (e “lá”, não foi domingo do Senhor Santo Cristo), o resultado foi como um jogo de modalidade desportiva, com muito pouco interesse para o público.

Vejamos, o quadro dos resultados no que diz respeito aos Açores: 1. Eleitores inscritos na RAA = 229.046 (100%); 2. Votantes (incluindo brancos e nulos) = 42.851 (18,71%); 3. Abstenção = 186.195 (81,29%).

81,29% abst. + 7,5% brancos + 2,24% nulos = 91,03%., verifica-se que, votaram nos partidos uma minoria = 8,97 % do eleitorado. Representando (os +/- 40% do PS) em 3,6% do eleitorado e (os +/- 20 % no PSD, 1,8% do eleitorado).

Perante apreciação do resultado das Eleição para o Parlamento Europeu nos Açores que leva apenas por favor, um representante eleito num dos partidos portugueses, dependente que é da vontade política do partido nacional em colocação elegível ou não do mesmo, continuaremos muito provavelmente a abster-nos conforme certos condicionalismos de ocasião.

Continuamos isso sim, na afirmação de que só com a constituição de Partidos de “gene açórica” enquanto a existência dos Açores como Região Autónoma, mas com um círculo eleitoral” próprio, até termos o previsto na Carta dos Direitos do Homem e no que respeita ao estatuto de Povo Livre e Independente.

Entretanto no respeito pelas opções políticas e entendimento da verdadeira Democracia, desejo a André Bradford as maiores felicidades na prossecução do seu mandato enquanto representante dos açorianos que, lhe exigem que imponha a divisa da Região do que “antes morrer livres que em paz sujeitos” se assim o permitirem os DDT.

Liberdade significa responsabilidade.
É por isso que tanta gente tem medo dela.
(George Bernard Shaw)

José Ventura*
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NR: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 547, de 21 de junho de 2019.