Jornal da Praia

PUB

MEDITE

Quinta, 04 de Julho de 2019 em Opinião 157 visualizações Partilhar

MEDITE

À semelhança dos caminhantes que para chegarem ao cimo estromboliano do Pico do Gaspar, uma elevação Terceirense de origem vulcânica, resultante da erupção secundária da Serra de Santa Bárbara, utilizaram trilhos pertencentes à cumeada, o que os levaram a se projectarem no horizonte, conforme a fotografia nos dá uma linda imagem, também quando se medita é necessária a focalização num tema, pensamento ou actividade que seja significativa, pela sua clareza mental e emocional. Mas se ao caminhar pela cumeada a beleza da paisagem impressiona, não se ficaria menos agradavelmente surpreendido se descêssemos à cratera do pico que se destaca mais à frente, devido ao autêntico oásis de plantas endémicas da floresta Macaronésia que a preenche.

Quanto à meditação registe-se que surge como a terceira técnica que podemos lançar mão para nos ajudar a enfrentar o stress. Segundo os autores recentemente mencionados as pessoas recorrem à meditação por várias razões, nomeadamente para: (1) encontrar a paz; (2) alcançar um estado de consciência de si; (3) obter o que se poderia chamar de estado de “iluminação; (4) descobrirem-se a si próprias; (5) esvaziar a mente; e (5) experimentar a verdadeira realidade. Entretanto, e de acordo com Davich (1998), que vamos seguir de perto, o significado da palavra meditação vai para além das palavras, uma vez que, verdadeiramente, só pode ser compreendida se meditarmos. E isto interessa porque, quando meditamos, estamos a utilizar uma arte que consiste em abrir cada momento da vida à consciência da tranquilidade.

O objectivo da meditação, o ponto fulcral da atenção que mantemos quando meditamos pode revestir natureza e formas diversas, e ser: (a) um objecto físico, como seja uma vela incandescente; (b) um acontecimento corporal, como respirar, ouvir, ou ver; (c) uma tarefa do espírito, como pensar; (d) um movimento particular, como passear; (e) um processo, como comer; e (f) uma frase, um som, ou uma cantiga. Entretanto, à medida que continuamos a meditar, sentimos que o nosso espírito vagueia constantemente de objecto de meditação. Trazer ao espírito a consciência da calma, e manter o tema da meditação, capacita-nos a desenvolver a concentração, a atenção plena e a focalização que, por sua vez, enriquecem fortemente a qualidade da vida.

Ou seja, de forma geral todas as diferentes práticas da meditação do mundo ocidental ou asiático compartilham características básicas, como sentar ou descansar sossegadamente, frequentemente com os olhos fechados, executar exercícios mentais que visam relaxar o corpo e focalizar a concentração. Acresce que a meditação necessita de treino, nomeadamente porque no início é habitual a pessoa sentir-se confusa, frustrada, e francamente irritada, o que, acentue-se, é normal.

Entretanto, antes de lançar mão da meditação temos de ter consciência de que, embora existem coisas que estão sob o nosso controlo, como as palavras, acções, ideias, papel, esforços, erros e comportamento, acontecem outras em que isso não se verifica. Estão neste caso (Pin, 2018): (1) as atitudes das outras pessoas; (2) as palavras que pronunciam; (3) o papel que desempenham; (4) o comportamento que revelam; (5) as ideias que lhe passam pelo espírito; (6) os sentimentos que acompanham as suas reacções; e (7) os erros que cometem.

De qualquer forma, face às situações, nomeadamente contratempos stressantes, revela-se também fundamental que cada um de nós seja capaz de utilizar os modos de reacção que se indicam a seguir (Labrador, 1992): Confrontação: acções directas e até certo ponto agressivas para alterar a situação; distanciamento: esforços para se afastar de uma situação; auto-controlo: esforços para regular os seus próprios sentimentos e acções; busca de apoio social: acções de busca de conselho, informação, ou simpatia no problema; aceitação de responsabilidades: reconhecimento da responsabilidade no problema; fuga-evitamento da situação de stress;planificação: esforços para alterar a situação, o que implica uma aproximação analítica; e reavaliação positiva: esforços para criar significado positivo entrando-se num desenvolvimento pessoal.

E o autor conclui que não existe um modo de reacção óptima em todas as ocasiões, visto que diferentes reacções podem ser eficazes na mesma situação, na medida em que dependem dos diferentes objectivos das pessoas.

Aurélio Pamplona

Referências:
Davich, V. N. (1998).
The best guide to meditation. Los Angeles: Renaissance Books.
Labrador, F. J. (1992). O stress: Novas técnicas para o seu controlo. Lisboa, Temas da Actualidade.
Pin (2018). Salvado em 12 Ago de Pinterest. Tema: Psicologia Pin. Website: https://br . pinterest.com/pin/598275131723089450/?lp=true.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 547, de 21 de junho de 2019.