Jornal da Praia

PUB

JOSÉ MANUEL MONIZ: “TEMOS QUE HONRAR A MEMÓRIA DOS SEUS FUNDADORES E NÃO DEIXAR MORRER O CLUBE”

Quinta, 04 de Julho de 2019 em Cultura e Desporto 186 visualizações Partilhar

JOSÉ MANUEL MONIZ: “TEMOS QUE HONRAR A MEMÓRIA DOS SEUS FUNDADORES E NÃO DEIXAR MORRER O CLUBE”

Popularmente designado como os “Brancos” da Praia, o clube desportivo, União Desportiva Praiense (UDP), completou na passada quarta-feira, 04 de julho, sete décadas de existência.

A fundação do clube confunde-se com o nascimento do seu eterno rival – Sport Club Praiense – e vice-versa. Na longínqua Praia da Vitória de finais da década de 40, não havia qualquer clube de futebol na então vila, reunindo-se os jovens apaixonados pela modalidade no estabelecimento funerário do Sr. Francisco Carvalho. Em finais de 1947, determinados a praticar a modalidade a sério e dotar o grupo de um equipamento uniforme, é encomendado no continente um conjunto de camisolas. Paradoxalmente, as camisolas adquiridas para dar uma imagem de união, provocaram desavenças e motivaram a divisão, já que sendo vermelhas, eram do agrado de uns, mas não de todos. Desavindos, divididos e separados, os sem camisolas encomendam tempos depois, camisolas de cor branca, abrindo caminho para que a 04 de julho de 1948, fosse fundado o UDP.

Ao longo destes 70 anos de história, o União Praiense, afirmou-se por direito próprio, como um dos clubes mais emblemáticos de futebol da ilha Terceira e até do arquipélago. As suas prestações e conquistas, sobretudo nos escalões de formação, são por todos reconhecidos, sendo referenciado por muitos como um verdadeiro “viveiro” de jovens talentos, que em muito enriqueceu o seu plantel sénior e também dos seus rivais.

Destaca-se no futebol jovem o título de tricampeão açoriano em juvenis, nas épocas 1988/89, 1989/90 e 1990/91. No futebol sénior, embora tenha recebido por uma única vez as faixas de campeão de ilha (1982/83), as suas equipas sempre primaram por um futebol vistoso e de elevado recorde técnico. A esta realidade não terá sido alheia, sem que exista uma razão plausível que o explique, o facto de muitos dos militares continentais, em comissão de serviço na Base Área n.º 4, optarem por envergar as camisolas azuis e brancas do UDP. Na memória ficam nomes como Chaminé, Cacau, Tombado ou Albino, Gonzaga, Ernesto. Referência especial para Eusébio, um dos jogadores mais espetaculares de todos os tempos. A estes seguiram-se Carlinhos (de Santa Rita), Carlos Cabral, Serreta, Toni, Fortes, e na formação, Adelino, Carlinhos, Arlindo, Marrão, Francisco, Luís Filipe, Armando e Faria.

Nascido e projetado para o futebol o clube abandonou a prática da modalidade na época 2000/01, numa decisão dolorosa para toda a direção, mas inadiável face aos fracos recursos financeiros, materiais e humanos disponíveis.

Integrando os corpos dirigentes desde novembro de 1998, José Manuel Moniz, é presentemente o presidente da direção, cargo que vem exercendo após a saída de Francisco Rocha, em julho de 2009. Sem esquecer os seus colegas e com quase uma vida dedicada ao clube, que vê como uma segunda família depois da biológica, José Manuel Moniz, é nos últimos 20 anos o rosto do União Praiense, e é graças ao seu trabalho, empenho, esforço e dedicação, em prejuízo da sua vida pessoal e familiar, que este clube vai sobrevivendo. Desempenhou também as funções de treinador desde 2005 com maior incidência para os escalões de formação. Dedicação que manteve mesmo após o grave enfarte que sofreu em novembro de 2010 e na sequência do qual foi sujeito a várias intervenções cirúrgicas complexas e arriscadas. Pai de uma filha de 30 anos e de um filho de 26, lamenta e diz concordar com a esposa quando esta observa “que os filhos cresceram e eu quase nem dei por isso”, para de seguida e com a voz audivelmente emocionada acrescentar “temos que honrar a memória dos seus fundadores e não deixar morrer o clube”.

Abandonado o futebol, o clube abraçou o Futsal, modalidade que vêm praticando desde a época 2001/02, vindo a impor-se como um clube de referência quer no escalão sénior como na formação. Em seniores, sagrou-se campeão açoriano e disputou por duas ocasiões o nacional da III Divisão, Série D, tendo também participado na época inaugural da Série Açores do Nacional da II Divisão de Futsal. Igual êxito para a formação onde averbou títulos tanto em juniores C (Iniciados), como juniores D (Infantis). Mas a fatalidade teima em bater à porta dos unionistas e por decisão já tomada pelos seus dirigentes, devido a condicionalismos diversos, na próxima época o clube não competirá no escalão sénior. No entanto, continuará com um escalão de formação, tal como aconteceu na época passada.

Para José Manuel Moniz, a principal razão de todas estas dificuldades resulta do afastamento de sócios e adeptos, provocado por um conjunto de circunstâncias. “Temos 520 sócios registados em livro, mas infelizmente foram deixando de pagar as suas quotas. As pessoas estão afastadas do clube e os que por aqui andam na direção estão época após época mais velhos e cansados”, afirma. “Na Assembleia Geral de outubro último, foi aprovada a renumeração dos sócios, e nesse sentido demos os primeiros passos para contatar um a um – os ainda vivos – com o objetivo de saber se quer ou não continuar a ser sócio e cobrar a quota mas depois acabamos por não levar esta tarefa a bom porto, por manifesta falta de tempo, face aos outros afazeres dos dirigentes, com jogos e treinos, mas em breve vamos retomar essa tarefa”, refere. “Para este afastamento não há apenas uma única razão mas sim um acumular de razões, como a deslocalização da nossa sede de um espaço central como era a Avenida Beira-Mar para uma rua secundária e sem porta de acesso direto à rua e com menor visibilidade. O abandono da prática do futebol, marca identitária deste clube e indiscutivelmente a modalidade com maior destaque no panorama desportivo em todo o mundo, e também, o próprio ritmo de vida nos dias de hoje, que leva as pessoas a terem cada vez menos tempo disponível, não só para o associativismo como até para assistir aos jogos”, argumenta, exemplificando, “em 2007/08, fomos campeões de ilha, vencedores da taça e vice-campeões açorianos e no jogo do título, com muita gente no pavilhão, só reconheci um sócio, que depois veio festejar connosco, mas infelizmente já não se encontra no mundos dos vivos”, elucida.

Consciente da realidade que o rodeia, José Manuel Moniz, não rejeita o eventual regresso ao futebol de 11, mas aconselha prudência. “Um dia o clube poderá voltar ao futebol 11, mas face às dificuldades que sentimos com toda a logística do futsal, é de todo impensável avançar para uma modalidade onde essa logística é muito maior e mais complexa, a meu ver, absolutamente incomportável com as condições atuais do clube porque esse só tem razão de existir se os sócios forem mais participativos e mais intervenientes, dando a sua colaboração”.

Está, no entanto, no seu horizonte como no da direção avançar para a segunda fase da obra de construção/ampliação da sede social, na sequência das promessas dadas aquando da deslocalização. “Esta sede foi construída no pressuposto de mais tarde nascer um segundo piso, estando inclusivamente preparada em termos de engenharia civil para isso, na sequência das conversações e promessas feitas na altura”, esclarece. Segundo adianta, a autarquia manifestou disponibilidade para cooperar em tudo o que estivesse ao seu alcance solicitando mesmo a elaboração de um orçamento. Informa também que este orçamento já foi feito, escusando-se no entanto, a adiantar valores, já que os mesmos deverão ser apresentados, em primeira mão, à Câmara Municipal na sequência de uma reunião que neste momento aguarda agendamento, depois de uma primeira reunião ter sido cancelada por motivos profissionais. Considera que esta obra é fundamental para dar mais vida à sede e ao próprio clube. “Por vezes e com todo o gosto alugamos a sede para eventos sociais particulares, nomeadamente festas de aniversário, mas se jogarmos nesse dia, já não poderemos reunirmos aqui após os jogos para confraternizar e reforçar o espírito de equipa, já se tivéssemos um segundo piso, com acesso independente como pretendemos, poderíamos usar a sede e com isso dar mais vida e visibilidade ao clube”, justifica.

Foi exatamente a pensar em imprimir maior dinâmica e visibilidade ao clube que José Manuel Moniz, acedeu ao repto de Filipe Costa das Ilhas d’Aventura e em parceria criaram uma secção de Minigolfe, liderada pelo próprio Filipe Costa. Decorrente desta aposta o União Praiense já participou em torneios no Algarve e em Aveiro, indo disputar a 15 de julho, o Terceira Minigolfe Open, última das cinco provas que integram o Campeonato Regional de Minigolfe dos Açores. Depois disso, está em perspetiva a participação no Kent Open 2018, torneio internacional, a realizar no Reino Unido.

José Manuel Moniz, termina o mandato em maio de 2019 – É para continuar? “Sinceramente não sei! Já são muitos, os anos de dedicação ao clube, o cansaço já se manifesta e também já é tempo de reconhecer que a família não pode ficar para segundo plano, mas havemos de ver”, responde, finalizando, “os homens passam e o Clube fica, mas a memória deles perdura para sempre”.

JP

NE: Reportagem publicada originalmente na edição impressa n.º 524, de 06 de julho de 2018.