Jornal da Praia

PUB

BOM APETITE OU BOM PROVEITO?

Terça, 02 de Julho de 2019 em Opinião 298 visualizações Partilhar

BOM APETITE OU BOM PROVEITO?

Quando o empregado de mesa nos serve o prato que escolhemos deseja-nos "Bom Apetite". Ora, parece que não é necessário formular tal desejo uma vez que, quando nos sentamos numa mesa de restaurante, lá não estamos para outra coisa senão para satisfazer o nosso apetite, isto é, a nossa vontade de comer. Então, não será mais lógico formular um voto de "Bom Proveito"?

Veio-me à memória uma estória que se contava de certo sujeito que, tendo decidido casar, se apresentou, com a sua noiva no Registo Civil. Quando o oficiante, seguindo os trâmites, lhe perguntou se era da sua livre e espontânea vontade contrair matrimónio, respondeu: eh senhor, eu não vim cá para outra coisa.

A falta de apetite é um dos primeiros sintomas de doença, causando justas preocupações nos pais e educadores. Resta saber se se deve de imediato proceder à sua pronta recuperação. É que há quem seja partidário de conceder ao organismo humano um certo período de tempo para se recompor usando a sua própria capacidade de regenerar-se.

Também conhecida por "fastio", a aversão ou repugnância pela comida é um estado do organismo adotado pelos animais quando são atacados por alguma doença. Se esta não é grave, o animal em pouco tempo recupera o apetite.

À parte a situação de doença, ao 'animal' humano não lhe advém nenhum mal, antes pelo contrário, se se conceder períodos de tempo em que o seu organismo ponha em marcha o mecanismo de auto regulação. Na prática, trata-se de aproveitar o período de repouso (sono), durante o qual possa estar liberto da tarefa de digerir os alimentos. Isto consegue-se optando pela não ingestão de alimento nas horas prévias ao ir para a cama. Trata-se de uma prática seguida noutros tempos em que se jantava muito cedo e antes de ir para a cama se tomava apenas um... quase nada. Hoje em dia, advoga-se a ingestão de alimento segundo um esquema que privilegia a refeição mais substancial logo pela manhã (que devia passar a chamar-se 'grande almoço'), seguindo-se uma mais ligeira (um pequeno almoço, na verdade) para terminar, no fim da tarde com uma pisca de nada, só para enganar o estômago.

Isto soa bem, parece lógico: é preciso fornecer a adequada energia para aguentarmos um dia de trabalho. (Aqui caberia considerar que há trabalhos que requerem muita energia e outros nem tanta). Afim de seguir estas ideias é preciso uma boa dose de disciplina para fazer as escolhas acertadas dos alimentos e saber 'tourear' algumas técnicas de mercado de consumo.

De todas os grupos da sociedade o que melhor pode seguir estes conceitos é o dos que já estão libertos de horários de trabalho, como é fácil de entender: dispõem de tempo para procurar informação e, por ausência de atividade física e mental intensa, não carecem de tanta energia.

Um ponto muito importante a reter é o açúcar. É o verdadeiro inimigo público número um. E não o é apenas pela sua relação com a Diabetes; tem a ver sobretudo com o seu enorme potencial viciante. Experiências realizadas demonstraram que o açúcar vicia mais do que a cocaína. Daí que em muitos alimentos e bebidas ele esteja presente em quantidades exorbitantes. O açúcar pede sempre mais e mais açúcar. Portanto, fugir dele como o diabo da cruz.

Outro ponto não menos importante: para enganar a sensação de fome basta beber água. É que o sensor da fome está muito próximo do da sede.

Este texto não passa de um resumo dos muitos ensinamentos que têm sido divulgados através da Internet. Resta-me desejar um Inteligente Apetite e um muito Bom Proveito.

João Ornelas Rego

NR: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 546, de 07 de junho de 2019.