Jornal da Praia

PUB

QUANDO A CABEÇA NÃO TEM JUÍZO…

Segunda, 01 de Julho de 2019 em Opinião 112 visualizações Partilhar

QUANDO A CABEÇA NÃO TEM JUÍZO…

Quem já não se sentiu esgotado, cansado de suar, trabalhar e nada gozar?

Acredito que muitas vezes nos sentimos imponentes e capazes de fazer tudo. Afinal de contas, os heróis da nossa infância favoreciam essa construção mental: o Super-homem, o Popey (o Marinheiro), as Tartarugas Ninja, o Jackie Chan… Todos seres endeusados que, contrariamente à realidade humana, conseguiam superar todas as fragilidades e alcançar todos os objetivos a que se propunham. Além disso, tinham sempre mais vidas do que um gato na sua melhor esperança média de vida… Como eram “os bons”, venciam sempre os maus e por sinal tornavam-se imortais!

Com base nesses testemunhos, fomos moldando o nosso tempo e espaço, as nossas prioridades e interesses a essa forma de vida.

Achamo-nos o máximo! Até que um dia, por causa da mente, o corpo é que paga as favas. É um bocadinho como antigamente no bolo-rei: se a fava te calhava na rifa, no ano seguinte pagavas tu o bolo; se te calhava o brinde, na melhor das hipóteses guardavas numa caixinha para coleção (como eu fazia) ou partias um dente… Parece que, segundo reza a história, foi à custa de (novamente) uma dorzinha no corpito, que essa tradição desapareceu.

De certeza que conhecem alguém que é extremamente empreendedor e criativo e energético, envolvendo-se em todos e mais alguns projetos, todos os dias, várias vezes, de dia e de noite… Um dia chegará que, com toda a convicção, o seu corpo adoecerá. O mesmo acontece quando somos viciados no trabalho. Ou ainda se somos híper responsáveis e cumpridores… (e uma manhã acontece que fazemos gazeta!). Os trabalhos mais exigentes em termos de stress e possibilidade de rutura são, precisamente, aqueles em que se tenta reproduzir, à velocidade da luz, aqueles feitos que só mesmo na televisão os nossos amigos “personagens” conseguiam fazer!

Quando esticamos muito a corda do nosso corpo, o mesmo gasta elasticidade e quando a cor dos nossos olhos se perde, na imensidão dos deveres ou dos compromissos, sentimo-nos apáticos, hipotónicos e sem vida. Como bonecos marionetas, ficamos sem controlo dos nossos membros e os nossos órgãos começam a ressentir-se. Surgem as dores nas articulações, as dores nas costas, acumula-se uma tensão cerrada no pescoço, deixamos de ser livres para dormir e os sonhos aliam-se ao partido da misericórdia (quando vêm em forma de algodão doce, sem preocupações empastadas como slime, é uma vitória!). No entanto, quando não descansamos o cérebro, o corpo cheio de cicatrizes grita para ser auscultado e obriga-nos a parar, de uma maneira ou de outra…

Quantas vezes não presenciamos situações de pessoas superativas que, de um momento para o outro, partiram uma perna, apanharam uma virose, ou esqueceram-se do lume aceso e sofreram uma intoxicação?!  É o corpo a pedir que o oiçam, da única forma que por vezes nos permitimos sentir: através da dor… O pior é que a dor também se transforma em prazer: daí as automutilações, as tatuagens, piercings, alargadores… A anorexia ou obesidade… Tudo isto sintomas de uma sociedade stressada e tóxica! Também caracteriza pessoas que podem estar doentes e que transportam dentro de si sensações intrínsecas de incompreensão, não aceitação, ingratidão, dever e responsabilidade para consigo, para com o mundo e o advir.

O álcool, as substâncias psicoativas, o tabaco… A onicofagia, a tricolomania, a hiperatividade e ânsia de emoções fortes, o sexo desenfreado…ergue-se a bandeira: a cabeça à procura de algo e o corpo, que é só um, é que paga.

Há quem acredite na reencarnação. O leitor, tem tal crença? Eu gosto de acreditar que sim, que há algo para além do corpo que regenera… Mas o meu corpo, só tenho este, nesta vida. É importante estimá-lo e cuidar bem dele, da melhor forma que conseguir. E isto porque, tal como diz o título do artigo e na sapiência do Sr. António Variações: quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga!

Joana Leal

NR: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 546, de 07 de junho de 2019.