Jornal da Praia

PUB

MARIA VIEIRA MÁRTIR DOS AÇORES: UMA OBRA ÚNICA COM 20 ANOS

Domingo, 30 de Junho de 2019 em Opinião 289 visualizações Partilhar

MARIA VIEIRA MÁRTIR DOS AÇORES: UMA OBRA ÚNICA COM 20 ANOS

Foi precisamente, no dia 4 de Junho de 1999, que foi lançado o meu primeiro livro por minha conta e risco. As portas a que bati não se abriram como eu esperava. Talvez por alguns responsáveis políticos considerarem que não valia a pena subsidiar o trabalho, porventura não pela qualidade ou falta dela, pois que a desconheciam ainda, mas certamente pela pessoa do seu autor, o qual não era digno de apoio por ser um antigo dissidente do P.S.

Com excepção da Direcção Regional das Comunidades e da Junta de S. Sebastião, que adquiriram 20 exemplares cada, a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo limitou-se a ceder o espaço para a cerimónia do lançamento, por sinal com casa cheia e bem representada socialmente, e a Direcção Regional da Cultura também não deu qualquer apoio financeiro nem comprou uns exemplares para oferecer a eventuais convidados ou a organismos sob sua tutela. As desculpas foram as lengalengas do costume e as crónicas faltas de verbas.

Curiosamente, a situação mantivera-se sempre igual durante o decurso dos vinte anos, enquanto o livro percorria o seu caminho sem promoções espaventosas, esgotando os primeiros mil exemplares da 1ª edição, em apenas três meses, somente na Terceira, e exigindo uma 2ª edição com a mesma tiragem, no mês Outubro de 1999, com lançamento na Casa do Povo das Lajes, a 11 de Novembro. E uma 3ª edição, de quinhentos exemplares, em 2015, num total de 2500 livros, custeados totalmente a expensas do autor.

A primeira teve lugar no Salão Nobre do Município angrense, gentilmente cedido para o efeito, sendo prefaciador e apresentador o comendador Pe. Júlio da Rosa, mais tarde nomeado monsenhor (falecido em 2016). A ele devo o incentivo que me deu na sua carta remetida a 15.05.1999, após a leitura do meu texto. «Não tenha receio. O seu trabalho está muito bom. Vai ser um sucesso. Tenha calma e confiança». No dia 5 de Junho, escrevia do Faial, com um efusivo abraço de felicitações pelo êxito do lançamento, agradecendo as atenções recebidas. «Não poderei esquecer tudo o que fez e espero que continue a promover o culto à Maria Vieira, obra que lhe ficará a dever—a Diocese e os Açores». Por amabilidade, foi portador de 10 exemplares do livro para os seus paroquianos e recomendou-o aos colegas. Na Praia da Vitória, a apresentação esteve a cargo do Dr. Luís Filipe Cota Moniz, que também fez a apresentação da 2ª edição na Vila das Lajes, dissecando com grande pormenor e sagacidade as facetas mais marcantes da obra. Foi um notável trabalho que teve a grande gentileza de mo deixar como recordação e prova de grande amizade, tal como fizera monsenhor Júlio da Rosa.

A 3ª edição teve lugar na Casa do Povo da antiga Vila, no dia da Freguesia (9.06.2015), sendo orador convidado o Prof. Doutor Avelino de Meneses, antigo Reitor da Universidade dos Açores e eminente Historiador, que teceu várias considerações sobre o livro e a escrita do mesmo, com a competência e saber que todos lhe reconhecem, e a que já nos habituou. O salão estava apinhado de sebastianenses e convidados, como era de esperar, porque era dia de festa, e também porque a apresentação da obra, integrada nas Festas de Sant’Ana 99, e anunciada para o dia 27 de julho, às 21 horas, não teve público suficiente, acabando num encontro informal com amigos e uma sessão de autógrafos, como previsto no programa.

Após as quatro apresentações na Ilha de Jesus, «Maria Vieira Mártir dos Açores» foi lançado, no 13º Ciclo de Cultura Açoriana, em Toronto (Canadá), na sede do Lusitânia, com uma enorme moldura humana e muitos interessados pelos escassos livros disponíveis que restaram da 1ª edição. Houve mesmo alguém a propor que o livro fosse adaptado à rádio e transmitido em episódios. Além deste caso, mais três interessados sugeriram uma publicação mais reduzida, tipo livro de bolso, o que está a ser ponderado neste momento.

Neste contexto, foram feitas duas importantes entrevistas: uma para a Rádio Renascença, a cargo do Pe. António Rego (hoje, monsenhor), responsável pelo «Programa 70 vezes 7», e uma entrevista para o canal português da Rádio multilingue de Toronto, destinada aos imigrantes lusos. E agora permitam que manifeste a minha estranheza pela não concretização de uma proposta para um lançamento na Casa dos Açores de Lisboa, da qual nunca recebi resposta, atitude bem diferente e destoante do que se observou no Canadá.

Em Portugal, o livro ganhou grande visibilidade nos jornais Público, 24 horas, Crime, e sobretudo no programa televisivo «SIC 10 horas», de Júlia Pinheiro, tendo sido muito anunciado na véspera e antevéspera da emissão difundida no dia 12 de Junho de 2000, na sequência da trasladação dos restos mortais de Maria Vieira, de Angra para S. Sebastião sua freguesia natal. A nível dos Açores, merecem registo a entrevista da VITEC, por Sónia Bettencourt e duas de Pedro Moura, no programa «Bom Dia» da RTP-Açores. Como curiosidades, saliente-se que a biografia de Maria Vieira tem sido muito divulgada no Youtube, em representações teatrais, danças de espada e canções, totalizando dezenas de milhar de visualizações, o que pode ser comprovado na referida rede social.

O livro e outros documentos sobre a mártir, que o autor compulsou, integraram a «Exposição dos Santos e Devotos», inaugurada no dia 22.11.2011, no Museu de Angra do Heroísmo. Inspirou um trabalho académico de final de curso, da estudante Sara Mota, cuja videocassete que me foi ofertado, ficou à guarda do Dr. José Olívio do citado museu.

Foi ainda tema de uma homilia do Pe. Domingos Graça Faria, romeiro e grande impulsionador do culto de Maria Vieira. O texto dessa homilia seria postado na página de Maria Vieira do Facebook. E como corolário final, o livro em 2018 foi objecto de rigorosa análise pela Comissão Histórica Diocesana, com vista ao ansiado Processo de Beatificação da Serva de Deus Maria Vieira da Silva. Das páginas do vasto Relatório da Comissão Histórica relativas ao livro, muito em breve será dado conhecimento público do que foi considerado e redigido por dois dos três membros, em total liberdade de opinião, e sem a presença do autor do livro, um dos membros da mesma.

António Neves Leal

NR: Texto publicado originalmente na edição impressa n.º 546, de 07 de junho de 2019.