Jornal da Praia

PUB

O QUE SE PASSA COM O PORTO DA HORTA?

Sexta, 28 de Junho de 2019 em Opinião 111 visualizações Partilhar

O QUE SE PASSA COM O PORTO DA HORTA?

Visitei o Faial pela primeira vez no começo de Agosto de 1958, a bordo do “Terra Alta”, numa viagem com a Filarmónica União Praiense, da Praia da Vitória, que nesse ano foi tocar às Festas do Bom Jesus, em São Mateus, no Pico. O passeio foi organizado de modo a proporcionar também a visita às ilhas do Faial e São Jorge. Na altura o vulcão dos Capelinhos ainda estava em actividade, embora fraca; extinguiu-se em Outubro desse ano.

Lembro-me perfeitamente da viagem. Depois de desembarcarmos na Horta, a Filarmónica desfilou pelas ruas da cidade e foi cumprimentar as autoridades, o Governador Civil e o Presidente da Câmara. À noite, houve baile no Amor da Pátria. No dia seguinte, fomos ver o vulcão aos Capelinhos; a actividade era pouco intensa, mas claramente observável. Dessa visita ficou-me uma memória que nunca mais esqueci. Eu via as pessoas a olhar com ar pesaroso para o vulcão e para os grandes estragos por ele provocados. Isso eu percebia; o que não entendia era que, ao comentarem a tragédia, acrescentavam: “pode ser que seja bom para o turismo! (no sotaque típico da Terceira)” Eu, na minha cabeça de miúdo terceirense, ficava a pensar: “o que é que os “touros” vêm para aqui fazer?” “Turismo” era termo que ainda não fazia parte do meu vocabulário.

Foi nessa viagem que vi pela primeira vez ao vivo um porto de mar como o da Horta: uma doca, com uma marina com veleiros e outros barcos atracados; apercebi-me, então, da importância do porto para a Ilha e para os velejadores que atravessavam o Atlântico.

Depois desta primeira viagem, passei várias vezes pela Horta, uma delas, também com a Filarmónica da Praia, numa segunda ida às Festas do Bom Jesus, em 1962. Dessa vez foram as lanchas Espalamaca e Monte da Guia que nos foram buscar à Praia da Vitória. A última vez que vi essas lanchas, estavam varadas, a apodrecer, no Porto da Madalena.

Na última passagem pela Horta, contrariamente ao que tinha acontecido até aí, para embarcar para o Pico fui apanhar o ferry no cais Norte. Durante essa estadia, não me apercebi de nada especial; era Agosto, o tempo estava esplêndido, tudo me pareceu normal. Com o andar do tempo, contudo, foram-me chegando informações sobre as consequências das obras do novo cais e das alterações que tinham provocado no comportamento do mar. Até que há dias, no dia 5 de Abril, na RTPAçores, no programa “Conselho de Redacção” moderado por Osvaldo Cabral (pode ver-se aqui: https://www.rtp.pt/play/p2127/e399627/Conselhoredacao), foram analisadas várias questões de interesse regional, sendo a primeira a do porto da Horta. Foi então que me apercebi da dimensão do problema, que se tornou mais evidente quanto, passados uns dias, vi no Facebook um vídeo de um veleiro lá atracado que, em movimentos bruscos, ora bate contra o cais ora se afasta dele, ora se desloca no sentido da proa ora no da ré (https://www.facebook.com/jose.h.azevedo/videos/2229857567101587/UzpfSTEwMDAwMTg0MjU4OTI4MjoyNjQ1ODM1MDQ1NDg3ODg5/?id=100001842589282).

Da conversa entre os jornalistas, fiquei claramente com a impressão de que em muitas áreas, inclusivamente no que respeita às obras nos portos da Região, quem decide não se baseia em estudos prévios e competentes, nem ouve quem, como um saber de experiência feito, tem opiniões que não podem deixar de ser tidas em conta. E nesta questão de portos, é fundamental ouvir com atenção quem está ligado ao mar. Dando um exemplo: lembro-me das primeiras obras que os americanos fizeram no porto da Praia da Vitória, no começo dos anos 50 do século passado. Pouco tempo depois do início das obras, os pescadores, as gentes da “Ribeira mar” na linguagem de Vitorino Nemésio, disseram que tudo aquilo iria desaparecer com o primeiro temporal; foi o que aconteceu.

Como entender que se façam obras como as que foram realizadas no porto da Horta sem os estudos necessários para não prejudicar tudo o que há muito tempo está ligado ao iatismo, concretamente como porto de escala dos veleiros que atravessam o Atlântico, actividade de importância capital para a economia da ilha? Depois de ver o programa da RTPAçores, li um depoimento de um mergulhador que trabalhou no porto que dizia existirem fortes correntes nas águas fundas. Aliás, nas imagens vistas no site indicado acima, vê-se que à superfície o mar está calmo, mas o veleiro, que está atracado, não pára. Então fazem-se obras sem estudos? No mesmo programa, para lá do porto da Horta, foi dito que se enterrou imenso dinheiro no porto de Rabo de Peixe, em São Miguel, e o resultado deixa muito a desejar, e que, também devido às obras feitas no cais da Madalena, no Pico, tinham dado cabo do porto.

Como é evidente, os jornalistas intervenientes no programa são gente séria, não são pessoas que se dedicam à maledicência! Será que por razões políticas (eleições para breve, compromissos assumidos), dinheiro que existe para gastar (falou-se em milhões de euros), se vai voltar a mexer no porto da Horta sem as devidas cautelas? Espero que não.

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 546, de 07 de junho de 2019.