Jornal da Praia

PUB

RELAXE

Quinta, 27 de Junho de 2019 em Opinião 115 visualizações Partilhar

RELAXE

Relaxe e tenha calma porque isto de relaxar, por um lado leva algum tempo, e por outro é sempre possível lá chegar utilizando diferentes métodos, por si próprio ou com a ajuda de um profissional. E não é preciso ir à Madeira, ou a outro local, para relaxar, tanto mais que o recarregar de energias não se pode limitar às férias, antes deve ser feito todos os dias, com propósito, a melhor garantia de conseguir controlo da vida e equilíbrio entre o corpo e o espírito. Convém ter presente também que os problemas de saúde contemporâneos mais prementes estão relacionados com os tensores da sociedade moderna. E que, com o relaxamento, pode-se pensar com maior clareza, avaliar melhor as situações e mais facilmente encontrar soluções para os problemas.

Embora quando nos movemos através dos grupos musculares do corpo nos tornamos proficientes no reconhecimento da tensão, e no seu alívio, vale a pena sublinhar que podem ocorrer dificuldades. Ou seja, à semelhança do que sucede com a aspirina que por vezes é usada indiscriminadamente, devido à noção ingénua que é boa para tudo, e para todos, esquece-se de assumir que qualquer técnica que possua tais benefícios potenciais contém também potenciais prejuízos. Isto a verificar-se deve-se à circunstância de o treino de relaxação, bem como os procedimentos relacionados também poderem aumentar a ansiedade, alterar as necessidades de insulina, e a instabilidade diabética, gerar a hipotensão nos idosos e mergulhar a pessoa em pensamentos e impulsos intrusivos (Belar, Deardorff, & Kelly, 1987).

Quando se está com dor, preocupação, ou até stress, o melhor que podemos fazer é analizar o que se passa. Naturalmente que os outros podem prestar ajuda. No entanto, e como refere Grippo (2013), ninguém poderá dizer como, quando, onde ou durante quanto tempo é que se vai precisar de nutrir esses sentimento. Na realidade o que precisamos é de digerir os problemas à nossa maneira, e ao nosso próprio ritmo, não obstante, como refere o mesmo autor: (1) «o movimento ajuda, sobretudo, quando estamos tensos ou preocupados»; (2) «o exercício eleva a moral e liberta a tensão»; (3) «uma actividade tão simples como a caminhada tem um forte poder curativo»; mas igualmente o relaxamento, acrescentar-se-ia.

Justifica-se assim que se realce alguns pontos que a literatura sobre o relaxamento recomenda: (a) o relaxamento é uma aprendizagem de aptidão, à semelhança do dirigir um carro, ou aprender a praticar um novo desporto; (b) é frequente aparecerem sentimentos não habituais como entorpecimentos nos dedos, e sensações  de flutuação, pelo que não convém alimentar-se o medo ou preocupação; (c) realça-se a importância de  adoptar a ideia de ir com o processo, i. e., de deixar as coisas acontecerem; (d) convém também que o participante não perca a cabeça, com o receio de lhe faltar o controlo; (e) a pessoa pode mover-se na cadeira a seu gosto, adoptando a posição de sentado, recostado ou até deitado, conforme se sentir mais confortável.

Ao deixamos ir os músculos no relaxamento ganhamos consciência do controlo que temos sobre o corpo, emoções e tensões. E o soltar a tensão facilita a capacidade de pensar, e de ser mais capaz de atender às actividades que são importantes para a pessoa. Ou seja, ganha-se consciência do controlo sobre o corpo, e sobre sentimentos e tensões. Porquê? Porque a tensão muscular está estreitamente associada ao estado de espírito (Payne & Donagly, 2003). Os músculos que podem estar tensos sem qualquer necessidade, refletem essa tensão na mente. E ao eliminar essa tensão a pessoa naturalmente sentir-se-á mentalmente muito mais calma.

Entretanto, na prática dos exercícios corporais de relaxação, sugerem-se: a visualização, como por exemplo imaginar que está agradavelmente deitado na praia, sentido o calor apetecido do sol, ou que se dá um passeio por um jardim, parque ou campo, e se presta atenção ao que se vê, nomeadamente plantas, árvores, flores, céu e nuvens. Mas também se pode proceder á análise dos pensamentos espontâneos que apareçam, e à sua substituição por pensamentos alternativos agradáveis, menos causadores de stress.

Referências:
Belar, C. D., Deardorff, W. W. & Kelly, K. E. (1987).
The practice of clinical health psychology. New York: Pergamon Press.
Grippo, D. (2013). Uma ajuda para corações perturbados. Lisboa: Paulinas editoras.
Payne, R. A. & Donagly, M. (2003). Técnicas de relaxamento: Um guia prático para profissionais de saúde. Loures: LUSOCIÊNCIA – Edições Técnicas e Científicas,LDA.

Aurélio Pamplona:

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 546, de 07 de junho de 2019.