Jornal da Praia

PUB

VOAR NÃO CHEGA

Quarta, 26 de Junho de 2019 em Opinião 162 visualizações Partilhar

VOAR NÃO CHEGA

Quem é que já não sentiu um desejo intenso de voar? Abrir as asas e ir para bem longe, onde o mal não chega e o mundo que conhecemos não nos perturba?

Não sei o que os leitores pensam sobre o assunto, mas na minha opinião associamos muitas vezes os voos das gaivotas, dos cagarros, das águias que vemos no céu, a uma fonte de prazer e liberdade. Muitas vezes imaginamos: “lá vão eles, felizes e contentes…quem me dera”.

Hoje o desafio é pôr-nos a pensar sobre o outro lado desta questão…será que as aves voam de facto plenas de felicidade como nós nos sentimos quando fazemos uma caminhada ou quando conseguimos escalar uma montanha?

O antropomorfismo diz respeito à atribuição de características humanas a outras espécies animais. Por exemplo, quando temos um animal de companhia e tratamo-lo como se fosse uma pessoa permitindo que coma connosco à mesa, que vista roupa ou use laços, na prática estamos a aplicar este conceito.

Voltando às aves, isto também acontece. Nós humanos não temos forma de voar biologicamente e desejaríamos fazê-lo umas quantas vezes. Para colmatar essa impossibilidade (e alimentando esse desejo) temos pessoas com um perfil mais entusiasta que experimentam essa sensação única através do parapente, de um salto de paraquedas, de uma viagem num balão de ar quente ou, mais frequentemente, para o comum dos humanos, viaja-se de avião para um destino que nos motive.

Nas aves, o voo é uma necessidade, sendo que grande parte delas voa porque tem de ser e não por prazer. Estima-se que passem 70% do seu tempo em busca de alimento e não a vaguear por gosto. Muitas vezes, as aves também voam para fugir de predadores e, quando o fazem, medem muito bem os gastos de energia que terão.

Sendo uma espécie, no geral, com uma visão excecional, veem muito mais do que outras espécies (até os raios ultravioleta) e têm uma grande capacidade matemática de calcular as distâncias e analisar se vale ou não a pena um determinado voo. Por vezes, antes de voarem, as aves defecam para ficarem mais leves, permitindo-lhes alcançar o seu objetivo: alimentação ou fuga de um possível ataque.

Em conclusão, para as aves voar não chega. Há toda uma série de condicionantes e dificuldades pelas quais passam antes, durante e após os seus voos. Lembremo-nos disso quando estivermos a invejar a vida delas… Que nos sirva de inspiração para aceitarmos que há coisas que não podem mudar, havendo outras que exigem um esforço continuado e diário para alcançar “voos” mais altos nas nossas vidas.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 545, de 24 de maio de 2019.