Jornal da Praia

PUB

QUARENTA E CINCO ANOS DEPOIS...

Quarta, 19 de Junho de 2019 em Opinião 126 visualizações Partilhar

QUARENTA E CINCO ANOS DEPOIS...

O Povo cansou da partidocracia a que foi submetido. Não se queixem os impotentes da vida, de que a abstenção é cada vez maior. Ela é fruto do trabalho deles próprios - os que se dizem representantes do povo, mas que se representam a si mesmos primeiro que tudo.

Quarenta e cinco anos de autonomia restritiva, centralista, que só beneficia quem a “inventou” em tal estado.

Quarenta e cinco anos de um sistema de Justiça injusto para o povo, benéfico para as elites corporativas e para os grandes e milionários piratas das caraíbas bancárias e, obviamente, benéfico para os que fazem da política profissão de uma vida inteira e criam as leis à sua “imagem e semelhança”.

Quarenta e cinco anos de controlo partidário, monopólio que retira o direito básico de qualquer cidadão participar na vida política, sem ter que levar uma lavagem cerebral ideológica através de um partido e da sua lista.

Quarenta e cinco anos à espera, mansamente, por melhoramentos constitucionais, adentro dos parâmetros democráticos e prometidos em cada eleição.

Quarenta e cinco anos de promessas vãs, de frustrações, de enganos múltiplos e repetitivos por parte dos sempre os mesmos, que se alternam a si próprios no poder como no parlamento, em combinações cumpliciadas.

Quarenta e cinco anos a ver e ouvir sempre os mesmos discursos hipócritas. As mesmas mentiras ditas com grandes exercícios de dialética empobrecida e de argumentos obtusos e enganadores, naquilo que a sabedoria popular chama de “canção do ceguinho”.

Quarenta e cinco anos a submeter o povo ao medo, ao expropriá-lo economicamente do seu pão de cada dia, para sustentar um sistema bancário privado, corrupto, enganador, manipulador.

Quarenta e cinco anos de esperanças ultrajadas pelos que mais deveriam alimentá-las - a classe política - e a sofrer da sua infinita incompetência, onde reina o conluio e o narcisismo.

Quarenta e cinco anos de cobardia política para proceder à atualização indispensável da Constituição Portuguesa e torná-la moderna, bem como proceder às mudanças estruturais básicas, ainda por fazer.

O mais urgente, será despartidarizar o sistema político. O monopólio desta partidocracia tem de ser quebrado pelo Povo. A lei eleitoral foi feita à medida dos poucos que sempre viveram parasitariamente dele. É tempo do cidadão comum, independente, poder candidatar-se e participar na vida política, sem ter de ser exclusivamente nas listas viciadas dos partidos políticos. Tudo muda, para melhor, a partir daí.

Mas... foram quarenta e cinco anos de LIBERDADE. Ao menos isso!

Este texto, jamais seria impresso em qualquer jornal no Portugal continental, colonial ou insular, antes desse maravilhoso 25 de abril de 1974.

E ter vivido isso, foi um enorme privilégio.

José Soares

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 544, de 10 de maio de 2019.