Jornal da Praia

PUB

OXITOCINA, A FOTOSSÍNTESE DO AMOR

Terça, 18 de Junho de 2019 em Opinião 169 visualizações Partilhar

OXITOCINA, A FOTOSSÍNTESE DO AMOR

Hoje gostaria de vos apresentar uma amiga muito antiga que está entre nós, dentro de nós, é multicultural e omnipresente...Trata-se da excelentíssima hormona oxitocina!

Penso que alguns de vós já terão ouvido falar sobre a sua história... “a hormona do amor e do bem-estar é produzida nas relações sexuais, no parto, na amamentação... nas mulheres”. Mas independentemente da sua narrativa e atendendo a que muitas vezes “quem conta um conto acrescenta um ponto” e parte do que se ouve pode não revelar bem quem ela é, o melhor é convidar-vos a passarmos à experiência pessoal...Decerto que a grande maioria de nós, seres sociais, já a sentiu em determinados momentos e situações.

Vou falar-vos então sobre esta hormona que é produzida no cérebro dos mamíferos, na região do hipotálamo, sendo depois segregada pela glândula pituitária posterior. Esta hormona é a principal responsável pelo bem-estar e tem um papel crucial enquanto reguladora do comportamento social.

Antes de começar a explorar as suas funções e benefícios, é importante apresentar-vos o descobridor da oxitocina, o farmacologista inglês Henry H. Dale, que foi quem descobriu que esta hormona levava à contração do útero em gatas grávidas. Dois anos depois, a oxitocina estava a ser utilizada por médicos para induzir o parto de seres humanos. Como se pode compreender, esta hormona está relacionada com o instinto/proteção maternal, a vinculação/apego e a sobrevivência. Por exemplo, perante uma situação de stress, se a criança ouvir a voz da mãe ou do pai (com quem estabeleceu uma vinculação segura) há um aumento dos níveis de oxitocina.

Esta hormona desenvolve as relações de confiança e aumenta o equilíbrio psicológico, diminuindo os níveis de ansiedade (efeito ansiolítico), atuando, no corpo e no cérebro, em conjunto com outras hormonas e neurotransmissores.

É por isso que, quando nos sentimos satisfeitos, felizes, amados, compreendidos, somos envolvidos por um perfume suave e inexplicável: a oxitocina. Nos momentos em que celebramos o Natal em família, em que comemoramos o amor em festas de casamento, em que nos mostramos genuinamente solidários, quando escutamos o que o outro diz, o olhamos com ternura e respeito, o abraçamos com amor, aí estamos a expandir a empatia, nas longas asas da oxitocina.

Os efeitos positivos desta hormona evidenciam-se também quando nos auto-cuidamos e nos presenteamos com uma boa massagem corporal, meditação, exercício e atividade física (aumento de endorfinas) ou nos envolvemos numa interessante e cativante conversa com outra pessoa. Também quando choramos, estamos a desatar os nós do desgosto, a libertar tensão acumulada e a dar espaço para que a oxitocina nos venha aconchegar.

Por outro lado, as pesquisas mostram que o controle excessivo das nossas emoções diminui os níveis de oxitocina. Este aspeto pode verificar-se, por exemplo, com a recorrente experiência traumática de abuso. A acumulação de energia no corpo e o recalcamento de emoções negativas causadoras de sofrimento impedem a libertação de oxitocina. Quando isto acontece, sentimos o reverso da moeda: surge o stress, a ansiedade, a culpa, a insónia, o sedentarismo, o descuido, a desconfiança, a competição desmedida... Aliados a estes sintomas psicossociais aparecem, como se fossem hologramas, os problemas físicos e de saúde.

É importante conhecermos a hormona do amor e, mais do que a narrarmos, cultivarmos uma consciência plural das ações e mudanças necessárias para estancar os problemas emocionais e sociais acima referidos. A este respeito, aconselho aos leitores a visualização do filme “Favores em cadeia” da realizadora Mimi Leder.

Por fim, é necessária a criação de novas dinâmicas de funcionamento intra/interpessoal, a valorização de diferentes formas de inteligência, que sejam mais prossociais e emocionais (Quociente Emocional), em que a empatia, a solidariedade e a confiança sejam alicerces válidos para a construção de uma educação mais saudável em que se respire e transpire o amor da oxitocina.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na ediição impressa n.º 544, de 10 de maio de 2019.