Jornal da Praia

PUB

FRANCISCO AGATÃO: TRISTEZA, REVOLTA, MAS TAMBÉM MUITO ORGULHO

Segunda, 17 de Junho de 2019 em Cultura e Desporto 551 visualizações Partilhar

FRANCISCO AGATÃO: TRISTEZA, REVOLTA, MAS TAMBÉM MUITO ORGULHO

O domingo chuvoso de 16 de junho poderia ter ficado para sempre marcado na história do Sport Clube Praiense, pela concretização de um objetivo perseguido há várias épocas – a subida à 2.ª Liga de futebol profissional. Fatidicamente, uma vez mais, o Praiense falha à tangente tão grandioso desiderato. Ontem precisava apenas de mais um golo.

Após o jogo, foi compreensivelmente, um Francisco Agatão de rosto fechado que apareceu na conferência de imprensa no Estádio Municipal da Praia da Vitória, num misto de sentimentos, que vão da tristeza de falhar por tão pouco a promoção, à revolta de um regulamento que teima em não premiar a regularidade e o mérito, ao orgulho num grupo de trabalho que fazendo uma época fantástica lutou desmesuradamente para virar a eliminatória.

“Tristeza obviamente por não termos conseguido aquele que era o nosso grande objetivo e pelo qual lutamos desmesuradamente em representação não só deste emblema, mas também do nosso povo”, começou por dizer Francisco Agatão, acrescentando, “fizemos tudo por este desiderato: marcámos um golo – infelizmente para nós não foi validado – falhámos um penalti e quando assim acontece, naturalmente, as coisas ficam um pouco mais difíceis”.

Ainda em relação ao jogo, o treinador do Praiense, não se conforma com o golo anulado a Fonseca e considera que o desempenho da equipa foi afetado pelo golo do Casa Pia e pelas condições do terreno.

“No último minuto do tempo regulamentar da primeira parte fizemos o 2-0. As imagens televisivas acho que são esclarecedoras que não existe qualquer tipo de falta, mas falar do quê? – Falar que naturalmente as condições climatéricas impossibilitaram um futebol muito mais alegre, muito mais vistoso, mas veio ao de cima aquilo que é a alma e a qualidade da equipa em termos de sentimento, em termos de vontade, em termos de querer dar ao povo açoriano e ao SC Praiense um grande feito”.

“No início da 2.ª parte sofremos um penalti da forma como sofremos, e isto fez, com que a nossa equipa baixasse um pouco os níveis, sobretudo ao nível da concentração, estivemos demasiados emotivos em campo, tirou-nos algum discernimento. Obviamente é difícil controlar estas coisas, as emoções são muito fortes”.

Francisco Agatão teceu também alguns reparos ao figurino competitivo do Campeonato de Portugal e diz que o Praiense é “joguete” dos decisores federativos.

“Continuo a considerar que este é um regulamento que de facto não é digno de crédito e não dá mérito a quem faz um percurso como nós fizemos e como outras equipas fizeram. Não estou a tirar mérito a ninguém, quero dar os parabéns ao Casa Pia pelo seu feito. Mas a grande verdade, é que não há mérito nesta situação, basta ver-se que o 2.º classificado que foi o Casa Pia, na nossa série ficou a 7 pontos de nós, foi apurado inclusive em cima da linha de meta por uma decisão federativa e acaba por subir de divisão, e uma equipa que foi durante grande parte da época, ou mesmo na totalidade da época o líder do seu campeonato, acaba por ficar pelo caminho. É o que temos. Há dois anos atrás obrigaram-nos a disputar um playoff com duas equipas da 2.ª Liga. O Praiense anda sempre a ser um pouco ‘joguete’ – infelizmente para nós – daquilo que são as experiências das pessoas que se sentem nos gabinetes e decidem, e não conseguem perceber que este não é de facto o melhor regulamento para uma prova de 72 equipas, onde definitivamente tem que se dar mérito a quem é mais regular, a quem é mais consistente e a quem é melhor durante toda a época”.

Apesar do objetivo falhado, Francisco Agatão, revela-se profundamente orgulhoso do grupo trabalho, não só pela prestação neste jogo mas também ao longo de toda a temporada.

“Extremamente orgulhoso por todo o percurso que foi feito. Não posso acusar os jogadores do quer que seja, eles foram extremamente solidários, foram de uma entrega total e fizemos um jogo com uma alma e um sentimento muito forte, aliás, aconteceu assim durante toda a época. Os jogadores estão tristes, mas tem que sair daqui de cabeça levantada e bem orgulhosos de todo o trabalho que fizeram durante uma época desportiva, que foi sem dúvida – parece-me a mim – na história do Praiense a melhor de todas”.

No que diz respeito à próxima época, tudo indica que Francisco Agatão continuará à frente da equipa técnica dos “vermelhos” da Praia. “Nós já falamos, já nos sentamos, já reunimos. Dentro do clube há canais próprios para divulgar esta notícia e outras que farão parte do futuro do praiense”, adiantou o técnico, finalizando “pró ano se for com o Francisco Agatão, cá estaremos novamente para lutar por esse objetivo”.

JP