Jornal da Praia

PUB

EUROPA E O PROGRESSO DOS AÇORES

Segunda, 17 de Junho de 2019 em Opinião 121 visualizações Partilhar

EUROPA E O PROGRESSO DOS AÇORES

Após sete anos de negociações e trinta e três de permanência de Portugal na Comunidade Europeia, a agricultura dos Açores continua a enfermar dos mesmos velhos males. As consequências históricas do seu passado não foram apreendidas e reconhecidas como se impunha. Efectivamente, somos um povo que pensa saber tudo, e discute muito acerca do passado, presente e futuro, mas que é incapaz de pôr em prática alguns dos mais valiosos ensinamentos para atingir o progresso ansiado.

Ora, no nosso arquipélago, o sector primário da economia e especialmente a agricultura foi, desde os mais recuados tempos, vítima de um cancro terrível, nunca extirpado. É a crónica monocultura. E assim surgiram, sucessivamente, os ciclos do pastel, da laranja, do trigo, da vinha e, nos nossos dias, o ciclo da vaca com seus graves problemas agropecuários, sobejamente sentidos pelos lavradores, porém nunca resolvidos. O anúncio recente do eventual abate de mais de cinco mil cabeças de gado, no nosso arquipélago, constitui uma triste, indigna e aberrante solução, atentatória de uma sociedade que pretende vir a ser desenvolvida.

Todos nós sabemos que os Açores têm condições excepcionais para a criação de gado e produção de leite, devido à abundância das nossas verdejantes pastagens, a que as mudanças climáticas estão a prejudicar de forma crescente e implacável, de ano para ano. E não se pense que isto é imaginação ou coisa de gente louca que não sabe o que diz. Noutros países da Europa, mormente os do sul, começa-se a ver e sentir os efeitos do mesmo mal, isto é, dos recorrentes períodos de seca que vêm acontecendo desde há algumas décadas.

Contudo, não ignoramos (se calhar até desconhecemos) que os produtos lácteos e a carne são bastante excedentários nos países da União Europeia. Ainda me recordo, já o escrevi, do preço do leite, no tempo em que vivia em França, nos anos setenta do século XX. Então, um litro de leite custava menos que um litro de água mineral. As exportações desses produtos eram, sobretudo, destinadas aos países do Terceiro Mundo, e altamente subvencionados pela própria Comunidade.

Mas essas situações deverão ser encaradas sem dramatismos, se a solidariedade nacional e a qualidade dos produtos lácteos açorianos (leite, queijo, manteiga, iogurtes) criarem condições preferenciais e de concorrência para o que for fabricado nas ilhas. Por outro lado, impõe-se às indústrias de lacticínios dos Açores constante aperfeiçoamento das técnicas de fabrico, distribuição e apresentação dos produtos, de forma a torná-los competitivos. A nível governamental, é preciso uma clara definição política para o sector. Claro que tal definição, para ser devidamente articulada, implica um bom relacionamento, permanente, entre o Secretário Regional da tutela e o respectivo Ministério. Caso contrário, novas portarias do tipo da 429-87 surgirão com as nefastas e imprevisíveis consequências. Algumas delas poderão ser um atentado de morte à «coluna vertebral» da economia dos Açores.

Ainda temos bem presente a grave perturbação provocada pelos subsídios, por litro de leite, no circuito leiteiro do Continente, sem quaisquer contrapartidas para a Região. As consequências imediatas e a médio prazo não se fizeram esperar: acumulação de produtos, atrasos nos pagamentos aos fornecedores, desorientação dos lavradores e apreensão dos governantes regionais, alguns deles responsáveis do relacionamento entre o Governo Regional e o Central.

Aprender a lição

Será que os açorianos indiferentes aos ensinamentos, extraídos dos ciclos crónicos de fome e de êxodo emigratório daí resultantes, começaram a perceber, uma vez por todas, que a monocultura numa região insular, mesmo com apoios concedidos às ilhas ultraperiféricas da U. E., para além de ser uma aberração, constitui um perigo, tão ou mais sinistro que as hecatombes naturais.

Pejas razões acima aduzidas e outras derivadas da nossa entrada na U.E., urge reconverter e modernizar a nossa agropecuária, enveredando pela necessária diversificação e introdução de novas culturas e novos produtos, com mercado garantido à partida. Entre eles, os produtos subtropicais: ananás, banana, maracujá, anona, goiaba, cuja raridade, sabor e qualidade garantem boa aceitação nos países europeus. Impõe-se ainda incrementar a produção do chá (e introduzir o café), dos primores hortícolas, da fruticultura e floricultura. Os Açores gastam anualmente somas astronómicas na importação de fruta, fundamental para a saúde, e vinhos, quando os podíamos cultivar cá.

Para este incremento, é imprescindível investir verbas importantes na informação e formação profissional dos agricultores. Sem esse esforço na formação técnico-profissional contínua (e não intermitente ou ocasional), os hábitos e atavismos do passado dificilmente serão modificados. Com a adesão de Portugal, a agricultura nacional e, obviamente, a açoriana tiveram ajudas comunitárias consideráveis, que não foram bem aproveitadas.

O governo da região durante as primeiras décadas da autonomia teve a sua atenção muito voltada para as infraestruturas portuárias e aeroportuárias, e também perdeu muitas energias com guerrilhas e questões menores que não serviram os açorianos, nem lhes resolveram os grandes problemas, descurando as acções de sensibilização para agricultores, pescadores e empresários. Sem alteração das mentalidades, nunca haverá modernização nos domínios agrícola, comercial e industrial, ou em qualquer outro.

Referimos a situação da fruticultura e urgência da sua inclusão nas nossas ilhas. Desde há vários anos, que vimos bradando no deserto, sobre este assunto, conforme consta de uma série de artigos publicados, durante quatro anos, no diário angrense «A União», sob a epígrafe de «Varanda de Paris», recentemente saída em formato de livro (2017). Infelizmente, a portaria que advoga esse incremento frutícola já tem barbas, é a nº 49-85, de 20.06.

É evidente que não basta publicar portarias, falar de progresso, discorrer eloquentemente, ou fazer discursos repetitivos, dar entrevistas na rádio ou na televisão. Isto é já alguma coisa, todavia não satisfaz os mais interessados na matéria. A permanente sensibilização ou reciclagem é fundamental, quando o grau de actualização dos agricultores e lavradores era e continua a ser baixo.

Nota: O presente texto foi publicado no «Açoriano Oriental» (17.07.1987), aquando da minha apresentação de candidatura ao Parlamento Europeu, em S. Miguel, e sofreu algumas adaptações ao momento presente.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 544, de 10 de maio de 2019.