Jornal da Praia

PUB

PICO DO CAPITÃO

Sexta, 14 de Junho de 2019 em Opinião 149 visualizações Partilhar

PICO DO CAPITÃO

Tanto na base como no cimo do Pico Capitão é possível arranjar espaço para relaxar. Não é por acaso que anualmente alguns atletas percorrem os 650 metros da subida, para se sentirem bem com a panorâmica e consigo próprio. Mesmo o fazer só a subida, e o se confrontar com o ambiente proporcionado pela paisagem, com proximidade do mar, é susceptível de animar quem se sente em baixo, e de relaxar aquele que se deixou levar por tensão desproporcionada. O problema é que nem todos se esforçam por aproveitar as oportunidades que o mundo lhes oferece. Por isso se sugere que aquela subida a pé passe a ser “obrigatória” para aqueles que visitam turìsticamente o Porto Martins.

O relaxamento é qualquer coisa que se pode aprender. E significa, de acordo com Brewer (2000), encontrar o tempo para coisas importantes nas nossas vidas, como nutrir o nosso eu, adquirir uma atitude positiva em relação à vida, e acima de tudo descobrir a paz de espírito.Também é um meio saudável de simplificar as nossas vidas, e de nos permitir mais tempo para gozar as coisas que amamos. E ainda nos ajuda, entre outros benefícios, a ter mais calma numa crise, a deixar passar o passado, e a não sobrecarregar o futuro.

Segundo Cheung (2006)  já referido, o repouso profundo assenta não no sono, mas no descanso em que o metabolismo do corpo diminui, e as ondas cerebrais passam ao estado alfa, ou de relaxamento. Note-se que, para além do que tem sido referido, a relaxação do corpo e do espírito é realçada, e faz parte de todos os sistemas de valores filosóficos e religiosos ocidentais, não só como um pré-requisito para a meditação, mas também porque se acredita vital para o desenvolvimento dos poderes psíquicos. Acresce que as técnicas de relaxamento são úteis, não quando usadas isoladamente, mas principalmente em associação com outras formas terapia, como por exemplo a dessensibilização sistemática.

O autor apresenta um pequeno exercício de relaxação como exemplo: (1) escolha um lugar sossegado, onde não possa ser interrompido; (2)  antes de iniciar faça alguns exercícios suaves de alongamentos, para aliviar a tensão muscular, (3) sinta-se confortável, quer esteja sentado ou deitado, e comece a respirar leve e profundamente, mas de forma calma e sem esforço; (4) contrai-se suavemente, e depois relaxe cada parte do corpo, começando pelos pés, e trabalhando cada uma, até à face e cabeça.

Depois: (5) à medida que focaliza cada área pense em calor, lassidão e relaxação, empurre os pensamentos confusos para o final da mente, imaginando-os a flutuar, e não force o relaxamento, antes permita que isso aconteça; (6) deixe a mente ficar vazia e, se achar útil, recorra á vizualização de um lugar calmo e bonito, como um jardim ou prado; e (7) fique assim durante cerca de 20 minutos, respire fundo por algum tempo, abra os olhos, e deixe-se ficar por alguns momentos sentado ou deitado, antes de se levantar.

Recorde-se que a finalidade das técnicas de relaxação é aprender a controlar, e a modificar as respostas somáticas e cognitivas, de forma que se tornem incompatíveis com a tensão, a ansiedade e a dor. Os seus objectivos típicos são pois, de acordo com Bruch (1997), a redução da tensão muscular, a vasodilatação para minorar a tensão sanguínea, e a redução das respostas taquicardianas  e gastrointestinais. Encarada como um método terapêutico, com a sua utilização é possível levar a pessoa a adquirir a quietude muscular necessária, que se traduza em relaxação somática e cognitiva.

Através da sua execução é-se capaz de reconhecer e eliminar os níveis mais minuciosos de tensão, permanecer quanto possível livre dessa carga, e eliminar o enervamento desnecessário durante as actividades. A ênfase é posta na descoberta, por si próprio, de pequenas mudanças na tensão. Entretanto, para facilitar a sua execução ajudaria que houvesse, para além do caminho melhorado para chegar ao cimo do Pico, neste caso do Capitão, um pequeno espaço, que facilitasse o descanso, o relaxamento e a delícia com a vista.

Referências:
Brewer, S. (2000). Simply relax: The biginners guide to relaxation. London: Duncan Baird Publishers.
Bruch. M. H. (1997). Relaxation training. Em Baum, A., Newman, S., Weinaman, J., West, B., & McManus, C. (Eds), Cambridge handbook of psychology, health and    medicine. London: Cambridge University Press.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 544, de 10 de maio de 2019