Jornal da Praia

PUB

DIA DOS AÇORES: ABSTENÇÃO É RESPONSABILIDADE DE "TODOS NÓS", DIZ ANA LUÍS

Quarta, 12 de Junho de 2019 em Atualidade 182 visualizações Partilhar

DIA DOS AÇORES: ABSTENÇÃO É RESPONSABILIDADE DE "TODOS NÓS", DIZ ANA LUÍS

Ana Luís, presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, ao intervir na sessão solene do Dia dos Açores, que decorreu na passada segunda-feira, 10 de junho, na vila da Calheta, ilha de São Jorge, não ficou indiferente aos valores da abstenção registados nos Açores nas eleições para o parlamento europeu do passado dia 26 de maio.

“O que aconteceu nestes últimos 45 anos para que passássemos da luta pelo voto livre ao desprendimento em relação à importância do voto?”, interrogou.

Considerando que o funcionamento da democracia se fundamenta na interligação entre legitimidade política e vontade popular, que o voto é um direito que expressa a nossa vontade individual perante o coletivo, que é esta vontade que sustenta a autoridade política e administrativa de um Estado de Direito que, através das suas instituições, assegura a organização política, social e jurídica e os direitos, deveres e a liberdade dos seus cidadãos, voltou a questionar: “Então, que futuro podemos nós exigir ou esperar quando abdicamos do poder de decidir sobre o destino do nosso País ou da nossa Região?”. Apelando de seguida, essencialmente aos mais jovens, “porque o nosso futuro está nas vossas mãos”, para considerarem a importância do exercício do voto não como um dever, mas acima de tudo como um direito, conquistado arduamente há 45 anos.

Na intervenção, a presidente do parlamento açoriano, informou ainda que no âmbito do aumento da abstenção eleitoral que se vêm registando nos últimos anos nos Açores, a Assembleia Legislativa encomendou à Universidade dos Açores um estudo, o qual, foi recentemente entregue.

O estudo será analisado com maior profundidade pela Comissão Eventual para a Reforma da Autonomia – CEVERA, mas segundo adiantou, o mesmo identifica de forma clara os três principais responsáveis pelo aumento da abstenção: Os políticos, de forma geral, as próprias pessoas e a comunicação social, concluindo “que os responsáveis somo todos nós”, convocando todos para uma reflexão individual e consciente.

“Aos políticos cabe a responsabilidade de estreitar os laços de proximidade e confiança com os seus eleitores, disponibilizar informação sobre as instituições políticas de forma clara, nomeadamente ao nível dos processos legislativos, apelar a uma maior participação cívica na tomada de decisão e promover, igualmente, novas formas de comunicação que possam chegar, maioritariamente, às gerações mais jovens onde se registam os maiores níveis de abstenção”, disse.

“Aos órgãos de comunicação social exige-se informação fidedigna e plural, que sejam os veículos privilegiados da informação, através da reconhecida idoneidade da imprensa tradicional, de forma a que possam dar o seu contributo para um escrutínio que se quer leal e baseado em factos, evitando assim generalizações facilitadoras e muitas vezes injustas”, recomendou.

Por fim, desafiou as pessoas, em geral, a também fazerem a sua própria análise.

Ana Luís referiu-se também ao aprofundamento da autonomia, que levou à criação da CEVERA destinada a identificar e debater os problemas, as falhas, as preocupações, mas também encontrar, através de medidas legislativas adequadas, as respostas a algumas dessas questões que possam contribuir para reforçar as suas competências, melhorar a sua organização política, o sistema eleitoral e, acima tudo, a participação cívica e política.

“Para alcançarmos estes objetivos precisamos de tempo, o tempo que for necessário e não o tempo das respostas imediatas, próprias de um mundo globalizado que tem dificuldade em esperar”, advertiu Ana Luís.

“Temos que ter consciência que este é um processo complexo, que abarca todas as dimensões da nossa sociedade, pelo que se exige reflexão ponderada, debate alargado e os consensos necessários para que o processo autonómico possa evoluir”.

JP