Jornal da Praia

PUB

OS CRUZEIROS E A AGUADA

Sábado, 08 de Junho de 2019 em Opinião 64 visualizações Partilhar

OS CRUZEIROS E A AGUADA

Na época da expansão ultramarina de Portugal, as ilhas açorianas, e em particular a ilha Terceira desempenharam um importante papel como base de apoio à navegação. A península conhecida por Monte Brasil proporcionou abrigo ao tráfego atlântico, sobretudo aquando do regresso das Índias, quer  seguindo a rota oriental, cuja descoberta foi da responsabilidade lusitana, quer a inapropriadamente apelidada de rota ocidental cuja descoberta se atribui a Cristóvão Colon, personagem histórico envolto em misteriosa identidade nacional.

Ao longo das rotas, as embarcações tinham que planear os lugares onde pudessem reabastecer-

-se de alimentos, em particular, de água. Daí a designação de aguada. Idealmente, se nesse lugar onde os navios se abasteciam de água potável se pudesse, também, proceder à restauração dos materiais afetados pelas tempestades (velas rotas, mastros partidos, etc) e das pessoas embarcadas fartas das más condições de vida a bordo, então, era o oiro sobre o azul. Angra foi esse lugar ideal.

O porto da Praia da Vitória, porque oferece boas condições, tem vindo a ser visitado por essas gigantescas caravelas a que se dá o nome de navios cruzeiro. São veículos auto suficientes, sendo, portanto, fortemente improvável que precisem seja do que for dos portos que visita. Mas isso não impede necessariamente que as lojas dos navios possam estar interessadas em dispor de artigos do artesanato local e que os bares e as cozinhas ofereçam os sabores da nossa gastronomia. Os cruzeiristas, depois de terem andado pelas nossas ruas onde não tiveram tempo suficiente para fazer compras criteriosamente, poderiam, de volta ao barco, e com vagar, comprar aquele artigo que hesitaram comprar em terra, ou saborear aquele doce ou licor que lhes ficou a pedir por mais.

Quem sabe até se os nossos empresários já puseram esta ideia em prática?!

João Rego

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 543, de 26 de abril de 2019.