Jornal da Praia

PUB

CRÓNICA DE SEVILHA

Terça, 23 de Abril de 2013 em Opinião 1049 visualizações Partilhar

CRÓNICA DE SEVILHA

O correspondente do Canto do Terezinha no estrangeiro conseguiu infiltrar-se num grupo excursionista de terceirenses que se deslocou à capital da Comunidade Autónoma de Sevilha e teve, assim, oportunidade de registar alguns momentos entre Domingo e Segunda feira da Feria de Abril.

Reinou sempre a alegria e o bom humor, filhos do sentimento carnavalesco que se vive, no fim de contas, todo o ano civil e militar na ilha da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. Apenas se registou uma nota menos alegre por causa dum tal Cavalheiro que de cavalheiro só tem o nome, porquanto se havia comprometido em arranjar umas entradas para as corridas e acabou por falhar. Enfim, esse cavalheiro, natural de Castilla la Mancha, manchou o bom nome dos manchegos.

Uma outra situação que a princípio parecia que ia acabar em tristeza acabou por proporcionar momentos interessantes. Deu-se o caso que o “chófé” da camioneta, que estava ao serviço da excursão, não atinou com o caminho para o recinto ferial, um percurso que se cobre em 15 ou 20 minutos a pé. De modos que andaram para ali às voltas, passaram por muitas canadas desconhecidas e escuras, já apareciam uns cartazes a indicar proximidade de Carmona, enfim, mais ou menos o equivalente a meia volta à ilha. (Para a próxima, o melhor é vir um “chófé” da Terceira...)

O que valeu foi o espírito do grupo. Aproveitou-se para entrar num despique de piadas e provocações amistosas. Destacaram-se as que foram trocadas com um casal duma freguesia do Ramo Grande onde há mais vida para além do voleibol, tendo-se ficado a saber que ali há festa todo o ano, pelo que não há que esperar pela festa patronal para lá aparecer. Mas é provável que os que se fizerem convidados venham a ser recebidos não com vinho de cheiro ou cerveja, mas, sim, com um cházinho de tília, receita garantida e comprovadamente garante de longevidade conjugal. De resto, um integrante do grupo, de cabelo pintado de platina e com uma mochila descaída à frente do umbigo, ex professor do liceu da área das ciências exatas confirmou as mirabolantes propriedades da tília.

Nessa demorada deslocação até à feira, uma excursionista, ilustre figura da política dos States, área de Newark, não descansou enquanto não conseguiu uma ligação telefónica com um amigo ali residente e amigo comum de alguns do grupo. Louvado seja! O que é o poder das modernidades de hoje. Essa senhora deputada, que se espera venha a ser uma congresswoman terminada a ligação, virou-se para um e disse-lhe, “tu és parecido com fulano, e ele respondeu, pois eu sou irmão desse fulano há 54 anos. A partir desse momento, aquilo foi um desfiar de “conheces este que morava ali e aquela que vivia mais abaixo de, pois eu sou sobrinha da que casou com o irmão, etc, etc”, enfim, um nunca mais acabar de relações sociais. Falta dizer que aquele irmão do fulano há 54 anos é natural da Ribeirinha, freguesia, que no seu entender, é a mais importante da Terceira...

Num banco mais à frente decorria uma discussão amistosa sobre a atuação do Ventura, “ah que lindos cavalos tem o rapaz, mas nem toda a ferragem caiu no sítio certo, isto já se sabe, até à ponta do rabo tudo é toiro, e aquelas piruetas não têm nada que ver com toureio equestre sério, mas o pessoal gosta e prontos”.

Chegados por fim ao recinto ferial, o pessoal ficou dececionado ao constatar que a Feria ainda não estava aberta, mas logo se descobriu que seria possível entrar numa caseta e pedir algo para comer e beber. Para cima da mesa veio: pescaito frito, jamon, pan y picos, calamares, gambas, boquerones (que na Terceira se chama petinga), de bebida cerveza y manzanila. Faltou bailar-se umas sevilhanas, mas não havia quem as cantasse. Apesar de boa que estava a comida e a bebida, dois ainda discutiam a atuação do Ventura.

Já no dia seguinte, na sala de espera do hotel pontificava um ex ministro da fazenda e almirante vencedor de todas as regatas da baía da Praia e não só, ainda que, na opinião do próprio neto, não consiga evitar dar cabo de algum material de bordo. Contou histórias hilariantes que a seu tempo Canto de Terezinha dará a conhecer.

A par das alegrias que uma excursão costuma proporcionar, os terceirenses em passeio puderam secar um pouco a muita humidade que traziam nos ossos. O tempo esteve de maravilha, seco e já com alguma temperatura.

Oxalá que para o ano haja mais. E olé!

 

Texto/ J.R.

Foto/ Sónia Bettencourt