Jornal da Praia

PUB

PHOTO ARK, UMA MISSÃO DE VIDA

Sexta, 07 de Junho de 2019 em Opinião 96 visualizações Partilhar

PHOTO ARK, UMA MISSÃO DE VIDA

Há pouco tempo estive em Lisboa a visitar a exposição “Photo Ark” de Joel Sartore. Esta exposição da National Geographic é a mais visitada em todo o mundo. Decerto já ouviram falar dela pois é muito divulgada em alguns canais de televisão. Mas será que a publicidade efetuada é fiel à experiência de estar “dentro da arca”? Hoje vou dar-vos a minha perspetiva sobre o que se pode encontrar na referida exposição e as reflexões que se devem transpor para o nosso presente.

Num ambiente de “labirinto-miniatura” somos envolvidos pelo calor das telas pintadas nas paredes expostas. Há um sol distante, abraçado às sinuosas formas dos animais africanos e asiáticos lá pintadas. Sente-se uma luz emergente, de cor pálida como o azul do céu. Todas as pinturas nos transportam para a natureza, o oxigénio e a biodiversidade do ecossistema. Há muitas cores misturadas e tal como as tintas as emoções saltam para o papel e as mais básicas aspiram tocar-nos…imediatamente cria-se uma relação com aquelas espécies magníficas que são essenciais também à nossa sobrevivência.

Num piscar de olhos, já não estamos nesse mundo, pois defronte de nós, há uma realidade medonha:  a indústria, os interesses económicos e a poluição estão a assassinar o que resta destas espécies. Ou melhor, o ser humano por detrás destas ações/atitudes está a destruir outros seres! É muito triste saber, cientificamente, que alguns dos animais representados no Photo Ark são os últimos exemplares da sua espécie e que alguns só existem mesmo em cativeiro ou nos jardins zoológicos. Alguns deles inclusivamente já se encontram extintos, como é o caso do coelho anão.

Estima-se que metade das espécies do planeta possam desaparecer até 2100. É preocupante e desolador. Se o ser humano nada fizer em contrário as crianças de hoje e as do futuro tornar-se-ão culturalmente empobrecidas, para sempre incompletas, e ficarão sem compreender quem foi “o rei leão” e tantas outras personagens de filmes infantis que fizeram as delícias de outras eras. Sabia que, em África, a caça ilegal e a utilização dos ossos do leão para a medicina tradicional estão a ameaçar a sobrevivência deste animal? Sabia que este felino está neste momento em vias de extinção?

É importante sabê-lo porque ainda vamos a tempo de mudar o rumo da história. Mas para isso cada um de nós tem de querer mudar pequenas grandes coisas. Reduzir, reutilizar e reciclar, por exemplo. Reduzir o uso diário do automóvel, o consumo excessivo da carne, acabar com atividades consideradas desportivas que são cruéis para os animais, pensar bem se “aquele casaco de pele de leopardo” fará um bem maior a um maior número de seres (utilitarismo) ou se de facto é só um capricho pessoal e social (quantos animais são mortos pela vaidade de alguns?) que, falando cruamente, apenas reflete o poder económico, o estatuto social e a futilidade intrínseca.

Olhar nos olhos daqueles animais e sentir as suas emoções é intenso por nos sentirmos senhores num mundo em transformações. Sente-se o peso da responsabilidade e sente-se a responsabilidade pesar. Há que fazer alguma coisa para parar com a destruição dos habitats de tantas espécies em todo o planeta.

Não podia concluir a minha apreciação sem antes dignificar o animal humano por detrás, e por dentro, da arca: o fotógrafo Joel Sartore. Este homem integrou o objetivo de fotografar cerca de 12 mil espécies que vivem em cativeiro nos jardins zoológicos e aquários de todo o mundo, com a intenção sublime de alertar para a importância da proteção da biodiversidade.

Tal como Noé, na sua arca, abençoado por Deus, este homem acredita que a sua missão de vida passa por sensibilizar as pessoas que “entram na sua arca” para a proteção e conservação ambiental. Através da beleza dos animais vivos, espelhada nas fotografias, o fotógrafo convida-nos a entrar num mundo de maior consciência, munido de decisões e mudanças urgentes no nosso quotidiano nas escolhas de todos nós. Seguindo os seus passos, cada um pode e deve fazer a diferença.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 543, de 26 de abril de 2019.