Jornal da Praia

PUB

O “DIA 6 DE JUNHO” 44 ANOS DEPOIS…

Quinta, 06 de Junho de 2019 em Opinião 62 visualizações Partilhar

O “DIA 6 DE JUNHO” 44 ANOS DEPOIS…

O 6 de Junho de 1975, conhecido mais vulgarmente por “o dia 6 de Junho”, não pode deixar de ser relembrado no dia a dia da nossa existência, tal como na sua celebração como o “nosso dia” como dia nacional fixo em calendário de qualquer país, de qualquer nação, será para nós o dia dos Açores pois o mesmo representa a certeza do querer de um Povo que espera assim ser reconhecido por quem de direito.

Liberdade!  Independência! “Lisboa … escuta: - os Açores estão em luta” foi o brado uníssimo ouvido nas ruas de Ponta Delgada.

Diga-se em abono da nossa História de quase 600 anos, que o “Dia 6 de Junho” não é de ninguém em especial. É de todos nós açorianos, de todos os nascidos e criados, vivendo aqui e, na nossa diáspora por esse mundo fora e, bem assim, os que por diversas razões escolheram viver em qualquer uma das ilhas que compõem este jardim em pleno Atlântico plantado. Nele, se integraram de alma e coração vivendo a verdadeira açorianidade, tenham eles a origem que tiverem.

O “6 de Junho” nasce nos meandros do então PPD-Açores criado como partido de feição regionalista e ainda imbuído dos seus princípios estatutários de uns Açores a caminho da sua autonomia progressiva em que a reflexão e a acção política dos seus membros incidiam primordialmente sobre os problemas numerosos, graves e complexos dos Açores. Tendo sido inicialmente marcada para o dia 29 de Maio, a manifestação programada, a pedido de terceiros, foi adiada para o dia em que era esperada em Ponta Delgada, uma frota da marinha dos Estados Unidos, o 6 de Junho.

Apraz-nos registar a participação activa que tivemos na organização do “Dia 6 de Junho”. Registo que trazemos no coração e que extravasamos para a opinião pública levando a sermos chamados por alguns, de “utópico”. Como resposta deixai-nos dizer: - “Os nossos    pensamentos positivos que nos sustentam em pé, não são sonhos, não são utopia, mas um pensamento único na certeza do alvo”.

O “Dia 6 de Junho” não é de A, B, ou C. é pertence de todos aqueles, que nele participaram no tempo. Ontem como hoje, e principalmente daqueles que ainda hoje, perante a prestação colonialista do estado português, reclamam por uma autodeterminação que na Carta dos Direitos do Homem e na Carta das Nações Unidas no seu artigo 73 - Declaração relativa a territórios sem governo próprio, garantem a todos os povos a sua autodeterminação.

A FLA – Frente de Libertação dos Açores com o seu reaparecimento em 2012, tomou como sua, a responsabilidade da celebração do “Dia 6 de Junho” prometendo a reactivação das suas iniciativas na defesa da Independência dos Açores.  Tem o feito até à presente data, na rua em manifestação pública ou, adentro portas. O movimento tem cumprido com aquilo que prometeu. Tem sido difícil, mas porque respeitando o slogan de José de Almeida que “Acima dos Açores só Deus”, temos tentado cumprir a promessa feita.

Permitem-se que a terminar esta minha arrazoada redacção, faça referência a expressão shakespeariana “to be or not to be, is the question” “ser ou não ser, é a questão”.

 O conceito "Ser ou não ser" na nossa situação de defensores de uma Independência para os Açores acaba por ultrapassar o seu contexto e torna-se um questionamento existencial amplo. Esta frase torna-se uma pergunta sobre a nossa própria existência como defensores da nossa autodeterminação. "Ser ou não ser" é a questão sobre o nosso agir, da nossa tomada de acção, do posicionamento ou não diante dos acontecimentos que nos rodeiam na questão em causa. A defesa da Liberdade da Independência dos Açores.

Poderão perguntar-nos se hoje há razão pora defender a Independência dos Açores. Reponderemos: - por acaso estão cegos e surdos?

Quando ouvimos e lemos, quem pede mais presença de Lisboa nos Açores, defendem a suspensão da minguada autonomia existente, só temos uma coisa a fazer. Cortar o mal pela raiz e, defender a nossa existência mostrando quanto valemos. Nem que tenhamos que sair à rua e bradar alto e a bom som: - Liberdade… Independência… Lisboa escuta os Açores estão em luta.

“Nunca é alto o preço a pagar pelo privilégio
de pertencer a si mesmo...”
(Friedrich Nietzsche)

José Ventura*
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.