Jornal da Praia

PUB

ABRIL QUE FLORIU MAIO

Sábado, 01 de Junho de 2019 em Opinião 138 visualizações Partilhar

ABRIL QUE FLORIU MAIO
  1. Passou ontem, mais um aniversário sobre a mais bela efeméride dos portugueses, o Dia da Liberdade – sonho e desiderato de um povo, que soube ser grande e até num gesto sublime dos seus melhores filhos, teve o condão de oferecer, nas mãos dos soldados, cravos rubros, pela entrega da liberdade, a florida dádiva tão desejada. O 25 de Abril de 1974 foi uma data inédita que espantou e maravilhou toda a Comunidade Mundial. Aconteceu há quarenta e cinco anos.

Pela primeira vez, um país era libertado não pelos tiros das metralhadoras, mas pelas flores de Abril que originariam Maio, a segunda grande efeméride, que dentro de dias, será celebrada em inúmeros países deste nosso planeta. O 1º de Maio em que serão evocados os heróis da causa operária, e da sua intrépida luta, os seus sacrifícios, a sua sublime doação até à imolação por aquilo que de mais nobre existe no ser humano: a dignidade e a solidariedade.

Comemorar estas duas datas é um dever sagrado de todos os democratas, de todos os amantes da liberdade, de todos os trabalhadores. É um acto da mais elementar justiça lembrar os protagonistas que melhor souberam encarnar os sentimentos mais profundos do seu povo e / ou dos seus companheiros de ofício. Foi o que fizeram os gloriosos militares de Abril, ao som da canção de Zeca Afonso, Grândola Vila Morena, naquela memorável manhã de reconciliação de uma nação destroçada por uma injusta e execrável guerra colonial, por um clima de suspeição generalizada, por uma informação estrangulada, por um medo imobilizador e carrasco, por ameaças de fortes prisionais, censuras, pides e tantas outras mazelas vis e hediondas, que é preciso registar no basalto e relembrar aos mais jovens e à memória embotada ou cansada dos mais idosos.

Recordar Abril é, também, manifestar o nosso preito de homenagem não apenas aos briosos Capitães do MFA (Movimento das Forças Armadas), mas a muitos outros heróis civis que, paulatinamente e numa luta anónima de anos, meses e dias infindáveis, propiciaram a germinação dessa força vivificadora e criadora, por excelência, da nossa liberdade. Refiro-me aos poetas, aos escritores e artistas que, em condições, tantas vezes difíceis, de castração intelectual e de privações económicas indizíveis, souberam, apesar de tudo, alimentar ao longo de 48 anos a chama da Democracia, da Liberdade e da Solidariedade.

Os escritores portugueses, sobretudo os do neo-realismo, foram os grandes cabouqueiros de toda a transformação mental que permitiu a eclosão do movimento dos capitães. Foram eles ainda que melhor compreenderam e aplicaram, na prática diária, as influências vindas de além - Pirenéus, na sequência dos exemplos oriundos do movimento de resistência dos «maquisards» contra o invasor nazi ou fascista, especialmente na França, na Itália e em Espanha.

Homens influentes das letras como os franceses Louis Aragon e Paul Éluard ou o espanhol Federico Garcia Lorca foram pedras angulares da emancipação dos seus povos, bem como um alento e uma lição a seguir para muitos outros.

É de mencionar, ainda, os arautos das clandestinas emissoras «A Voz da Liberdade, emitindo de Argel e da Rádio Portugal Livre, a partir de Praga, na então Checoslováquia (hoje República Checa), que no estrangeiro mantinham acesa a chama da Esperança de um novo porvir, e outros órgãos de informação, como a BBC de Londres, diariamente escutada com a máxima atenção. De salientar também as publicações clandestinas ou semiclandestinas, lidas com avidez e que tiveram enorme influxo para alicerçar o 25 de ABRIL.

Como se vê, o feito que ocorreu ontem não foi apenas um golpe de Estado, como pretendem alguns detractores ou saudosistas do salazarismo, que utilizava rituais fascistas e hitleristas como na Mocidade Portuguesa que disso era cópia fiel. O 25 de ABRIL foi muito mais do que isso. Foi o levantamento de todo um povo que veio em massa para a rua, contra as próprias recomendações e apelos do MFA, e se abraçou, repartindo alimentos aos soldados libertadores. Um povo que exultando e chorando de alegria, após quase cinco décadas de cativeiro político, reconquistou a sua honra. Um povo que gritou até mais não poder: o povo unido jamais será vencido! E o povo está com o MFA! Um povo que assistiu ao regresso de muitos dos seus melhores filhos alguns dos quais, infelizmente, mais tarde esqueceram ou traíram o seu próprio passado de exílio ou desterro, renegando-se a si próprios.

  1. Hoje, porém, olhando à nossa volta quase já não vemos a beleza desses dias memoráveis. A ingratidão nunca foi o nosso forte, mas há bastos motivos para o desencanto recente que se vive na república de Abril, onde os cravos murcharam e o desencanto progride de forma preocupante entre os portugueses. O Estado Social que edificámos, após o 25de Abril, corre hoje sério risco. Em vez de se aproveitar as energias e resolver os graves problemas do País, passa-se o tempo em futilidades, folhetins, «fake news» (falsas notícias), invencionices, mexeriquices ou mentiras descaradas.

Os escândalos jorram abundantemente, conspurcando não só os políticos desonestos, corruptos, hipócritas, mas também a imagem da democracia e da república que muitos dizem servir. Leia-se servir sim, mas para dela retirarem prebendas e régias regalias para eles, para os amigos e familiares mais próximos. Veja-se como a endogamia actual se infiltra na governação e o despudor com que alguns políticos a aceitam. Com tais dinastias e posturas, era melhor que Portugal voltasse à Monarquia. Ganhava-se em eficácia política, diminuía-se o número de cortesãos e as despesas, e assim reduzia-se o número dos comensais, o défice e a despesa pública. Por este caminho pedregoso para onde iremos? Eis a questão basilar e oportuna.

O domínio da economia e da finança pelos agentes do neoliberalismo, o avanço crescente de forças antidemocráticas, o endeusamento do mercado livre levaram à desregulação da sociedade, destruindo instituições de defesa e de protecção dos m ais fracos. A chamada, impropriamente, dívida soberana tem sido um excelente instrumento para o poder financeiro não democrático ditar as suas regras e condicionar as escolhas dos povos e das sociedades. Tudo se faz para denegrir o serviço público e seus agentes, em benefício do sector privado, como no tempo do Salazar em que muitos funcionários e professores do ensino primário tinham vergonha de dizer que trabalhavam na função pública, mas nunca se vergaram nas suas convicções nem abandonaram o serviço, apesar de tudo.

Hoje, cada vez mais avoluma-se a distância entre os que possuem muito e os que pouco ou nada têm. Os políticos não são os únicos responsáveis pelo que se vive. A sociedade civil e a responsabilidade de cada cidadão são determinantes. Chegou o tempo de discutir para agir.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 543, de 26 de abril de 2019.