Jornal da Praia

PUB

ERMELINDO ÁVILA FALECEU HÁ UM ANO

Sexta, 31 de Maio de 2019 em Opinião 116 visualizações Partilhar

ERMELINDO ÁVILA FALECEU HÁ UM ANO

Infelizmente encontrava-me em França, e somente soube do seu óbito pela leitura do «Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira» (IHIT) relativo a 2018, em Março passado. De imediato, telefonei a alguns familiares enviando as minhas sentidas condolências, e prometi-lhes fazer uma evocação neste dia 25.05.2019, quando passa o 1º aniversário da sua morte.

Desde a minha adolescência ouvi falar deste cidadão ímpar, pai extremoso de nove filhos, marido exemplar, cavalheiro afável no trato, gentil para toda a gente, sempre com um sorriso nos lábios e uma jovialidade incrível até ao fim da vida. Tudo começou com o convívio com um dos seus filhos, o Paulo, moço muito fixe (precocemente falecido), que conheci no Seminário de Angra, nos anos cinquenta, e com as nossas conversas me despertou a curiosidade de conhecer Ermelindo Ávila, e a minha admiração e respeito por este grande picoense nunca mais cessaria de crescer. Quando através das ondas da rádio, escutava as suas crónicas do Pico, eu sentia que se apoderava de mim um misto de orgulho, de simpatia e vontade de o ver um dia, em pessoa. Demorou mas aconteceu.

O nosso mundo insular só me permitiu encontrá-lo, pessoalmente, muitos anos depois (cerca de quarenta), por ocasião de uma ida do Coro da AMIT, então dirigido por minha mulher, às Lajes do Pico, a Vila Baleeira dos Açores, a fim de participar nas festas maiores do concelho. Lembro-me, ainda, do seu enorme apego telúrico e do forte entusiasmo com que falava das belezas e instituições da sua terra; e da força e coragem do seu povo corajoso.

Outro momento ocorreu, na década de noventa do século XX, ao descobrir alguns dos seus artigos em jornais. Assim, eu ia paulatinamente, com grande curiosidade e apreço, descobrindo a sua obra de cronista e editor de O Dever, durante dezasseis anos, de jornalista apaixonado pela história, etnografia, literatura, e por tudo o que contribuía para o engrandecimento contínuo da Ilha Maior, poeticamente enaltecida e vivida por um vate nascido no Alentejo, o Almeida Firmino, que adoptou a Ilha do Pico como terra sua, para viver e aí adormecer para sempre.

Seguiu-se um momento, muito especial e inesquecível, quando assisti, na minha cidade, ao reconhecimento de toda essa beneditina actividade, feita de amor devotado e persistente à terra onde nasceu e viveu, como ficou patente no acto solene do recebimento da comenda com que a República Portuguesa o distinguiu em 1995. Foram minutos inolvidáveis para os açorianos, seus amigos, uma fruição única vivida no Palácio da Madre de Deus, em Angra do Heroísmo, onde tive ensejo de abraçar o distinto condecorado e alguns dos seus filhos: o Carlos, o Rui Pedro, o José Gabriel? E outros que a memória já não consegue devolver-me os seus nomes, do que muito me penitencio.

Em 2016, pude abraçá-lo novamente nas Lajes do Pico, aquando do lançamento do livro sobre o Pe. Manuel Garcia da Silveira «Pegadas de uma Caminhada», para o qual, com muito gosto, havia convidado José Gabriel Ávila, seu dilecto filho e muito apreciado jornalista, para fazer a apresentação do mesmo. Apesar do tempo um pouco agreste, o senhor Comendador compareceu à cerimónia ao cair da noite, jovial e gentil como sempre o conheci das outras vezes.

Após a bonita sessão no Auditório Municipal, animada pelo magnífico Coro das Lajes, senti grande júbilo e emoção ao ver o ilustre e muito respeitado cidadão avançar, na minha direcção, com o referido livro na mão para ser autografado. Fi-lo com o maior prazer. Pena foi não poder concretizar o mesmo gesto, em relação ao «Varanda de Paris», devido a uma crise de gota que me impediu de assinar, durante vários meses, o meu próprio nome.

O jornalista e o Investigador

Ermelindo Ávila era o decano do jornalismo açoriano e, porventura, do país. Neste âmbito, a sua obra publicada é vastíssima e muito diversificada. Os seus trabalhos estão dispersos pelos órgãos de comunicação social dos Açores: O Dever, Correio da Horta, A União, O Telégrafo, Diário dos Açores, Correio dos Açores, Açores, Revista Açorianíssima, Jornal do Pico, Emissor Regional dos Açores, RDP-A, Rádio Clube de Angra, e portal A Diáspora.com.

Iniciou a sua colaboração na Revista Eco Cedrense (Faial) e a actividade jornalística regular em 1932 no semanário O Dever, tendo sido seu editor de 1938 a 1954. Foi ainda correspondente dos diários nacionais O Século e Diário de Notícias de Lisboa. Como investigador, viu alguns dos seus trabalhos publicados em separatas de revistas e boletins de Institutos Culturais, mormente as do IHIT “Duas palavras de homenagem--No Centenário do nascimento do Tenente-Coronel José Agostinho»; «A Ilha do Pico- crises económicas» (1988); «Centenário de S. Francisco de Assis--o Franciscanismo na Ilha do Pico» (1986); «Luís Ribeiro-- um testemunho simples» (1982).

 Do Núcleo Cultural da Horta, a separata «John Phillips, Herói Português em Terras Americanas» (1975). Do Instituto Cultural de Ponta Delgada, separata da Revista Insulana: «Um picoense imigrante nos EUA, Herói nas lutas contra os Índios». Proferiu palestras sobre temas históricos e culturais, na ilha do Pico e noutras dos Açores, bem como em comunidades dos EUA e Canadá.

Era sócio de várias instituições culturais, destacando apenas aquelas a que ele e eu pertencemos: A Sociedade de Língua Portuguesa, Instituto Açoriano de Cultura, Instituto Histórico da Ilha Terceira e Associação de Escritores da Madeira e Açores.

Ermelindo Ávila escritor

Pelo número impressionante de livros publicados, pode afirmar-se que o seu espólio literário constitui um manancial ou repositório para os estudiosos e público interessado em desvendar as mais profundas aspirações e problemas da idiossincrasia picoense. E certamente foi por isso que a Câmara Municipal das Lajes do Pico, que já tinha entregado a chave número um ao ilustre munícipe, na comemoração do meio milénio do concelho, decidiu decretar dois dias de luto municipal, após o seu passamento, justificando-o do seguinte modo:

«Em homenagem à memória de Ermelindo Santos Ávila, congregado com um profundo sentido de gratidão e de reconhecimento pelo extraordinário sentido de cidadania, dedicação e serviço à nossa comunidade, decreto dois dias de Luto Municipal, nos dias 25 e 26 de maio de 2018, procedendo-se à colocação da bandeira do Município a meia haste». O Presidente da Câmara, Roberto Medeiros da Silva

Já na ocasião da entrega da Insígnia Autonómica, em 2011, o valor da sua obra já tinha sido reconhecido, como se pode observar pelo excerto seguinte.

«Historiógrafo e autor de mais de 30 livros sobre história e costumes das gentes do concelho das Lajes do Pico e da sua ilha. Deu notável destaque ao fenómeno da baleação, especialmente na obra” Balada das Baleias”, a qual feita com Sidónio Bettencourt e seu neto Sérgio Ávila, continua a espalhar pelo mundo o retrato da vida e obra dos baleeiros».

Recorde-se que em 2015, na Comemoração Centenária do nascimento de Ermelindo Ávila (dia 18 de Setembro), sendo orador convidado o Dr. Laborinho Lúcio, antigo ministro da República para os Açores, interveio também Sidónio Bettencourt, afirmando lapidarmente esta frase que bem podia servir de epitáfio: «Aos 100 anos, Ermelindo Ávila celebra a vida, a família, a ilha, o jornalismo; o autarca, historiógrafo, literato e ilhéu dos Açores, vai para além de qualquer palavra de circunstância».

Pelo imenso que fez, nos seus 102 anos e a 4 meses dos 103, de vida intensa, esforçada e fértil, o Comendador Ermelindo Ávila, pelo seu nobre exemplo, deve ser considerado como referência e constante inspiração para a geração presente e vindouras. Ele é um ex-libris vivo das Lajes do Pico e um autor fundamental para a história do século XX, nos Açores, bem como para a descoberta do sentido mais profundo da filosofia dos sentimentos das gentes da sua ilha, tão amada e venerada, o Pico.

E antes de terminar gostaria de transcrever um pensamento de Séneca, extraído da carta LXIII a Lucílio, seu grande amigo: «Para mim a recordação dos amigos falecidos é doce e suave. Tive-os em vida como se houvesse de os perder, perdi-os como se os continuasse a ter».

A leitura das suas obras será a prova do nosso melhor reconhecimento, da saudade e carinho. Oxalá assim seja. Ermelindo Ávila bem o merece. E que descanse na paz do Senhor em quem sempre acreditou.

António Neves Leal