Jornal da Praia

PUB

VITORINO NEMÉSIO, OBRA COMPLETA

Sexta, 24 de Maio de 2019 em Opinião 96 visualizações Partilhar

VITORINO NEMÉSIO, OBRA COMPLETA

Um olhar atento sobre os Açores permite ver paradoxos perturbantes como este: por um lado costuma dizer-se que é a região do país com mais escritores por quilómetro quadrado, mas, por outro, se olharmos para as taxas de abandono escolar, verificamos que são as mais elevadas a nível nacional. Habitualmente, quem escreve lê muito, interessa-se por tudo, procura cultivar-se, saber mais, estudar parece-lhe fundamental. Como é que num espaço cultural em que há tanta gente a escrever há um abandono escolar tão acentuado?  Esta espécie de contradição não será estranha?

Efectivamente são muitos os escritores açorianos e a acividade editorial é intensa nos Açores. Quando, no Continente, se fala de escritores açorianos verificamos que muitos nomes são desconhecidos, mas provavelmente isso deve-se a dificuldades na distribuição. Para amostra do número elevado de escritores da Região, consulte-se o texto já com alguns anos de Onésimo Teotónio Almeida “Quadro panorâmico da literatura açoriana nos últimos cinquenta anos (1940-1989)” que o autor incluiu no seu livro Açores, Açorianos, Açorianidade. Um espaço cultural. A lista de nomes que lá encontramos é extensa, mas o número de novos escritores que começaram a publicar depois de 1989 não parou de crescer e alguns nomes, como Joel Neto com os seus excelentes três últimos livros: Arquipélago, A Vida no Campo e Meridiano 28, são, hoje, nomes consagrados da literatura do país.

Para o leitor interessado, a dificuldade está, muitas vezes, na falta das obras disponíveis no mercado. Para isso a editora das Lages do Pico Companhia das Ilhas, atenta à produção literária da Região e com um vasto catálogo, está a fazer um trabalho notável. Neste momento, por exemplo, está a reeditar a obra de José Martins Garcia, um grande escritor cuja obra estava praticamente esgotada.

Nesta crónica quero ainda chamar a atenção para outra iniciativa desta editora que reputo de grande importância. Vitorino Nemésio é não só um grande escritor açoriano, como um dos mais importantes nomes do nosso século XX e a sua obra é hoje muito difícil de adquirir. Por isso, em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, a editora das Lajes do Pico está a publicar a obra completa do autor, tendo saído já os dois primeiros volumes; o primeiro com o título Poesia I: Poesia (1916-1940) e o segundo, Teatro e Ficção I: Amor de Nunca Mais, Paço de Milhafre, O Mistério do Paço de Milhafre. O autor tem uma vasta e diversificada obra; como diz David Mourão-Ferreira em “Para o Perfil de Vitorino Nemésio”, é obra de um autor cujo perfil é difícil de desenhar não só pela diversidade, complexidade e acumulação de imagens do autor, mas sobretudo pela força íntima dessas imagens e da exuberância do seu talento, pois que em Nemésio encontramos “o poeta e o professor, o ficcionista e o crítico, o cronista, o biógrafo, o historiador e o filósofo da cultura”. É uma obra multímoda, nenhum dos géneros lhe foi alheio. Sublinho três áreas: a crónica, a poesia e o romance. Como cronista, temos o notável Corsário das Ilhas, mas não só; o Jornal do Observador, livro em que reuniu as crónicas publicados na revista Observador, é notável. Como poeta tem uma obra notabilíssima, embora nada fácil de ler em algumas das suas expressões e um pouco esquecida da comunicação social. (A “Antena 2” da RDP tem uma rúbrica “Vida Breve, poesia por quem a escreve”, em que nunca ouvi qualquer poema do autor, e há registos áudio de poemas lidos por ele). Como ficcionista, basta lembrar o grande romance Mau Tempo no Canal, um dos melhores do século XX português cuja personagem chave, Margarida, será porventura a grande figura feminina da nossa literatura, romance que resistiu à conspiração do silêncio movida por alguns, como refere Mourão-Ferreira no texto acima referido. Ora, como referi, a obra do autor é difícil de encontrar no mercado. A excelente edição publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda, com um aparato crítico notável, dificilmente hoje se encontra disponível, de modo que em boa hora a Companhia das Ilhas, em regime de parceria, a está a publicar. Do meu ponto de vista, é pena que nesta edição o aparato crítico não seja o mesmo da edição publicada pela Casa da Moeda, o que talvez se compreenda, porque se trata de uma edição para o grande público. Mas, como quer que seja, a edição que está a vir a lume atinge o que é fundamental: tornar acessível a obra de um grande escritor para ser adquirida, lida e meditada.

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 543, de 26 de abril de 2019.