Jornal da Praia

PUB

Pedofilia

Sexta, 24 de Maio de 2019 em Editorial 235 visualizações Partilhar

Pedofilia

Ao longo dos últimos anos têm surgido movimentos empenhados na denúncia e afastamento de pessoas envolvidas em casos de abusos a menores e pessoas vulneráveis, nomeadamente de pedofilia, o que é louvável tal consciencialização no combate a esta chaga social, que infelizmente sempre acompanhou a humanidade, muitas vezes permitida, esquecida e silenciada, prevalecendo ilicitamente os interesses maléficos dos agressores, com cargos relevantes e muitas vezes poderosos a nível social, baseados numa moral podre e ilícita.

Os escândalos têm sido denunciados por todo o mundo, as pessoas agora mais livres e libertas de preconceitos e amarras esgueiraram-se a tais atitudes desumanas, instaladas e que se tinham como intocáveis, apesar de já há muito tempo a filosofia nietzscheana as ter denunciado.

No próximo mês de Junho, entra em vigor no Estado do Vaticano a nova lei sobre protecção de menores e pessoas vulneráveis, com regras que determinam imperativamente a obrigatoriedade de denúncia e afastamento das pessoas envolvidas naqueles ilícitos – casos de abuso.

O Papa Francisco teve um papel primordial na constituição deste novo quadro normativo e espera que "amadureça em todas as consciências do dever de denunciar os abusos às autoridades competentes e de cooperar com elas em actividades de prevenção e combate", a tais horrores.

O Patriarcado de Lisboa e o Episcopado Português trilham o caminho indicado pelo Papa Francisco para pôr em prática tais directrizes jurídicas, a fim de se combater e precaver o abuso de maus tratos, protegendo-se os menores e as pessoas vulneráveis de forma segura.

Estes abusos e maus tratos a menores e a pessoas vulneráveis, não existem só no campo religioso, infelizmente também surgem no campo desportivo, recreativo e escolar, que ultimamente têm sido enfrentados pelos poderes públicos de forma eficaz na sua prevenção e combate, existindo legislação rigorosa sobre o assunto, pois cabe a todos nós ajudar o Estado de Direito Democrático e Social, a constituir uma sociedade mais digna e mais justa.

A actual sociedade está impregnada por grandes e profundas transformações a nível económico, financeiro, cultural, tecnológico e social com resultados muitas vezes imprevisíveis para as instituições e sobretudo para as pessoas, por isso a revolução digital obriga aplicar medidas inovadoras e permanentes na reparação dos danos e sobretudo a punir e a prevenir a reincidência dos ofensores.

Restaurar as vítimas, significa não apenas restauração de perdas materiais e danos físicos, mas igualmente o sentimento de segurança e de dignidade, porque as decisões judiciais têm de vir ao encontro dos legítimos interesses das vítimas, o que implica soluções equilibradas e exequíveis, e nunca é de mais frisar que os problemas ligados à comunicação informática, à globalização não podem ser descorados, porque “a pessoa humana gera os seus direitos e estes determinam o Direito”.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com