Jornal da Praia

PUB

ESPECTACULAR

Terça, 21 de Maio de 2019 em Opinião 71 visualizações Partilhar

ESPECTACULAR

Para além do panorama e da beleza espectacular destacam-se os benefícios para qualquer um de nós, ao acordar pela manhã, se confrontar com a proximidade do campo, do mar, e da maioria das coisas, sem  necessidade de percorrer longas distâncias para isso acontecer, ou de se sujeitar a trânsito caótico e a poluição sufocante. Refere-se específicamente as vantagens de viver nos Açores, em qualquer ilha, onde os problemas referidos são diminutos, não obstante ocorrerem também algumas dificuldades de que temos consciência.

Naturalmente que isto acontece quando somos capazes de desenvolver uma atitude de satisfação com as coisas, fazendo, por exemplo, uma lista daquilo que se considera uma benção na nossa vida, o que leva a mais facilmente se sentir que os problemas assumem uma perspectiva completamente diferente. E porquê? Porque, como defende McGrath (1999), «é muito difícil estarmos stressados, quando o nosso coração rejubila de alegria».

Ainda sobre os exercícios de respiração registe-se que a maior desvantagem que pode ocorrer com a sua execução reside na possibilidade de surgir a reacção de hiperventilação, do acréscimo anormal da quantidade de ar que ventila os pulmões, e que dá origem a maior eliminação de dióxido de carbono do que o corpo pode produzir. Isto pode originar a hipocapnia, a redução de dióxido de carbono no sangue, ou até a alcalose respiratória, excesso de fluidos alcalinos no corpo, com as suas consequências. Naturalmente que quando do se respira é importante que haja um certo equilíbrio entre a entrada de oxigénio e a saída do anidrido de carbónico do corpo. É por isso se recomenda que na prática da execução dos exercícios referidos não se ultrapasse mais de 15 minutos.

Continuamos pois com estes exercícios a tentar ganhar consciência dos nossos hábitos e reacções, num esforço para assumir a responsabilidade pela própria vida. E dir-se-ia, como afirma Ruiz (2015), que cada um de nós não é responsável por aquilo que se passa no mundo, mas sim com o que se passa em si próprio. Diz o autor que a pessoa não fez o mundo como ele é, porque o mundo já era assim quando a pessoa nasceu. Daqui que considera que não se chegou aqui com a grandiosa missão de o salvar ou de mudar a sociedade, mas sim com a incumbência importante de ser feliz. Entretanto, e assentando “os pés no chão”, o que se acredita é que isso só poderá ocorrer se dermos a nossa contribuição, porque “as coisas, o que é importante, não cai do céu”.

Por isso avançamos para a segunda técnica que se recomenda para lidar com o stress da própria pessoa, o relaxamento, ou a relaxação. Havendo muitas formas de relaxar, o que se poderá dizer a este respeito é que qualquer uma delas traz benefícios à pessoa, visto que dificilmente se garante que uma é melhor do que a outra. O fundamental é cada um ser capaz de escolher a que melhor se adapta as suas características pessoais e até ao tempo disponível.

Sublinhe-se que os exercícios de relaxação exigem a prática diária de cerca de vinte minutos até ser aprendida. Baseiam-se no princípio de que ninguém pode estar ao mesmo tempo tenso e relaxado. E que o que interessa é que a pessoa se sinta bem com o treino. Entretanto, ao apresentar o relaxamento, não podemos deixar de falar em Jacobson (1957), dir-se-ia o pai do relaxamento científico ou progressivo, que refere que qualquer pessoa que descubra que tem uma pressão arterial elevada tem na verdade motivos para se preocupar. E interroga-se perguntando quem os não tem?

Ainda esclarece que, enquanto os nossos antepassados viveram em épocas anteriores numa sociedade em que a humanidade tinha pela frente uma possível extinção provocada pelas bombas atómicas, o seu poeta favorito cantava: «aquiete-se, triste coração, e deixe de penar. / Por trás das nuvens há o sol, brilhando ainda. / Teu destino é igual ao destino de todos. / Em toda a vida, alguma chuva há-de cair. / Alguns dias têm de ser escuros e melancólicos»

Aurélio Pamplona

Referências:
Jakobson, E. (1957). Relax: Como vencer as tensões. S. Paulo: Editora Cultrix.
McGrath, T. (1999). Contra o stress. Lisboa: Paulinas.
Ruiz, Don M. (2015). O Mestre: Um guia para a arte dos relacionamentos. Alfragide: Lua de papel.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 543, de 26 de abril de 2019