Jornal da Praia

PUB

IN TRUMP WE TRUST

Segunda, 20 de Maio de 2019 em Opinião 222 visualizações Partilhar

IN TRUMP WE TRUST

Tal como aconteceu com os dois Bush’s (pai e filho), Trump está a preparar e a organizar a estratégia de guerra com alguém, algures no mundo. O médio Oriente tem sido o preferido de causa, para a compra e venda de armamento.

Novamente o Irão está na forja e nos neurónios de Trump e seus sequazes, para simular o clássico perigo de “armas de destruição maciça”.

Uma economia que, para continuar a ser dominante global, necessita ser alimentada com algo. Neste como noutros casos, os USA tomaram o gosto pelas guerras. São indústrias altamente rentáveis, porque destrói para novamente construir, dando trabalho a muitas empresas e consomem toneladas de armamento de vários tipos ‘made in USA’. E acima de tudo, assegura a supremacia do Ocidente (leia-se USA), tendo o seu poderio destrutivo como elemento dissuasivo.

Por sua vez, o Irão exerce uma grande influência na segurança energética internacional e na economia mundial através das suas grandes reservas de combustíveis fósseis, que incluem a maior oferta de gás natural no mundo e a quarta maior reserva comprovada de petróleo.

No estado do Alabama, 25 deputados masculinos aprovaram uma lei radical contra o aborto a que, cinicamente, chamam Ato de Proteção da Vida Humana. Exceção única na lei será se a vida da mãe estiver em perigo ou o feto apresentar anomalia. Nem nos casos de violação ou incesto será permitido o aborto.

Um dos senadores que votou esta lei, Clyde Chambliss, afirmou: "quando Deus cria aquela vida, aquele milagre da vida no ventre da mulher, não é nosso papel, enquanto humanos, extinguir aquela vida".

Em 2017, os números indicam que 39,773 pessoas nos EUA perderam a vida por causa de uma arma, de acordo com os mais recentes números do Centro para o Controlo e Prevenção. Quer isto dizer que cerca de 100 pessoas são mortas por dia em toda a nação americana.

Em cada 100 cidadãos americanos, 90 possuem armas. Em 36 dos 50 estados americanos – entre eles Alabama, Alasca e Florida – não é preciso nem sequer registar a arma ou obter uma licença para a posse e o porte. Em 45 estados é totalmente legal exibir armas de cano curto (como pistolas) em público – e em 31 estados não é necessário uma licença para isso. Dezenas de estados, como o Texas, também permitem andar com armamento pesado e armas semiautomáticas. Doze estados, entre eles o Mississípi, também permitem o porte de armas sem a necessidade de licença.

Em 2018, uma pesquisa do projeto Small Arms Survey estimou que existem pelo menos 390 milhões de armas de fogo em poder de civis no país – mais de uma por habitante. O projeto apontou ainda que metade das armas de fogo que pertencem a civis no mundo estão nos EUA, apesar da população do país mal alcançar 5% da mundial.

E com tudo isto resumido, os 25 machos que passaram a lei mais restritiva do país sobre o aborto, argumentam que a vida humana é que está em causa...!

José Soares