Jornal da Praia

PUB

AS TOURADAS, E OS DIREITOS DO HOMEM E DOS ANIMAIS

Segunda, 20 de Maio de 2019 em Opinião 323 visualizações Partilhar

AS TOURADAS, E OS DIREITOS DO HOMEM E DOS ANIMAIS

Estou na Terra das Touradas, e estas, são de facto o maior divertimento que se faz todos os anos em toda a Ilha Terceira.
Normalmente, as Touradas estão ligadas à Festas dos Padroeiros das Freguesias e são entre outros festejos, um complemento daquelas. 

São centenas de pessoas, por as vezes milhares de toda a ilha, que convergem para cada Freguesia onde se realizam as Touradas. que são feitas de tarde se permitindo assim a presença de que um maior número de pessoas.

Em cada Tourada são corridos quatro touros com intervalos devidamente assinalados com foguetes e duram pouco mais de duas horas com uns intervalos, permitindo assim a confraternização de amizades de toda a ilha, a que passaram a chamar o quinto toiro? Para a sua realização são constituídas comissões que ultimamente tem integrado homens e mulheres.

Estas comissões têm o dever de licenciar-se, junto das autarquias, e das entidades policiais, para que tudo decorra com a maior segurança possível. Um pormenor interessante é uma caução depositada na Autarquia, destinada à limpeza de todo o percurso onde se realizou o arraial: Eu próprio constatei que no dia seguinte parece que ali não se passou nada. Há brio por parte das comissões para que assim aconteça.

Para proteção dos espectadores os touros não estão "em pontas", isto é, têm sempre a ponta dos chifres cobertos por algo que proporcione a proteção do espectador. Todos os proprietários ao longo do percurso do arraial protegem as suas propriedades com tapadas e armam palanques para proteção dos espectadores, seus amigos e convidados a passar por lá.
No dia da tourada juntam-se familiares, alguns vindo do estrageiros, que vem de propósito para matar saudades e assistir à Festas das suas Freguesias. É uso e costume ser o dia de visitar amigos e parentes, alguns só se encontram pelas Festas.

As touradas na Ilha Terceira, datam de há seculos, no entanto um registo conhecido com data de 1622, dá como tendo a Câmara Municipal de Angra por alturas das celebrações da canonização de São Francisco Xavier e de Santo Inácio de Loiola, ter organizado uma tourada à corda. O que vem demonstrar que as corridas com touros à corda na Ilha Terceira em eventos populares já se realizavam há muito, antes daquela data. Alias touradas à corda organizadas por Instituições não é inédito nesta Ilha.

Mas..., e há sempre um mas. Há gente que ultimamente, se tem pronunciado contra as touradas á corada, na Ilha Terceira.

Em 14 de Abril de 1928, no Continente, foi decretada a proibição de touros de morte nas touradas de praça, que reduziu substancialmente o interesse pela Festa Brava. 
Pressões levaram o Governo, presidido por Salazar, a reabrir o processo.

Em 29 de Abril de 1933, o ministro do Interior, Albino dos Reis, entrega o estudo da questão dos toiros de morte a uma comissão. No mesmo diploma, é autorizada a realização de duas corridas com toiros de morte, a 30 de Abril e a 7 de Maio. Talvez os últimos em Touradas de Praça em Portugal.

É ainda com base naquele decreto de 14 de Abril de 1928 que alguns são contra os touros de morte em Barrancos.

Em 11 de Julho de 2002, é aprovada na Assembleia da Republica, com caracter excecional autorização de eventos históricos e espetáculos com touros de morte, que sejam de atender tradições locais como expressão de cultura popular, mantido de forma ininterrupta, pelo menos, nos 50 anos anteriores.

Onde é que estavam aqueles defensores dos touros de barrancos enquanto os nossos jovens morriam nas colonias? Quantos terão por lá ficado?
A Declaração Universal dos Diretos dos Animais é proclamada pela Unesco em 15 de Outubro de 1978: Todos os animais nascem iguais perante a vida e tem os mesmos direitos à existência.
Experiencias com animais que implique sofrimento físico ou psicológico é incompatível com os direitos dos animais quaisquer que seja a sua experiencia médica, cientifica ou qualquer outra forma de experiencia.

No entanto usaram-se milhares de animais em experiencias para fins bélicos, sem quaisquer escrúpulos.

Ensinam as nossas criancinhas a tratar bem os animais...? Que hipocrisia?

A declaração Universal dos Direitos Humanos da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, diz:
Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos e consciência e agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade. 
Tem direito e liberdades estabelecidos na Declaração, sem distinção de qualquer espécie, raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição. Direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal e não pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado. Todos os humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.
Há muito mais mas estão verdes! A fruta ainda não amadureceu! Os direitos dos homens são letra morta, mata-se por tudo e por nada! Assalta-se à Mão Armada e há países que só Cheiram a Pólvora.

É por isso que os jovens, Japoneses, recusam-se a ir para a guerra para defender interesses económicos, que não a Pátria que os viu nascer!

Outros deveriam seguir-lhes o exemplo!

Os Touros da Terceira continuam a fazer a sua Campanha de Verão e nos restantes meses vivem pachorrentamente no Paraíso das pastagens.
Da Ilha de Nosso Senhor Jesus Cristo
Francisco Medeiros

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542 e 543, respetivamente de 12 e 26 de abril de 2019.