Jornal da Praia

PUB

TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS?

Sábado, 18 de Maio de 2019 em Opinião 242 visualizações Partilhar

TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS?

Fico assombrada com a discriminação existente ainda na nossa sociedade. Estou sentada no avião e a poucos metros de mim está “a primeira classe”, que tem direito a explicações particulares, “mais um pãozinho”, e inclusive a pedidos solenes do género “Consegue baixar mais o som?”, enquanto que, da minha experiência, com outro passageiro qualquer seria: “Por favor, baixe o som do seu telemóvel”. Acho incrivelmente ridículo que em pleno século XXI ainda se continue a proceder desta forma, de modo tão óbvio e acentuado!

Paguei quinhentos e quarenta e dois euros por esta viagem. Assustador, não é? Vou ser reembolsada por ser residente nos Açores, mas ainda assim é uma política francamente discriminatória. Tem-se dinheiro para gastar? Vamos a isso! Não se tem? Não se viaja. Mesmo sendo reembolsada, tive de desembolsar um tanto para poder viajar e isto pela prepotência e existência de uma só companhia.

Se calhar o Sr. XPTO aqui da frente até pagou tanto como eu, mas como não pertence à “plebezinha”, recebe tratamento particular. Vou contar-vos uma coisa: estava a dormitar e acordei com o cheiro a comida, decerto seriam as minhas necessidades biológicas a dar sinal… Afinal não, não estava ainda sequer perto de comer, mas o Sr. XPTO, duas filas à frente, já ia “no segundo pãozinho”. Sem comentários.

A TAP (e as outras companhias e, generalizando ainda mais, a sociedade) deveria, na minha opinião, preocupar-se mais em dar refeições de maior qualidade (ou então não as cobrar e dar a escolher ao passageiro se quer ou não gastar esse dinheiro e em que prato) e poupar no plástico e no papel que envolvem os ditos “snacks” como lhes chamam. Tanto plástico gasto!!! E o ambiente? Isso sim, deveria ser um dos alvos de preocupação dos cidadãos e das sociedades e não os protocolos de “prioridade com base no dinheiro e no consumo económico”. Outra preocupação, já que falamos em viagens, deveria ser a acessibilidade para pessoas portadoras de deficiência. Isso sim, justifica uma atenção especial e prioritária.

Continuamos muito distantes de um mundo para todos/as e com estas políticas tradicionalistas, não vamos lá chegar. O respeito é para todos: o pobre, o rico, o baixo, o magro, o Sr. Dr. e o Sr. varredor do lixo das ruas, pelas quais todos caminhamos. Todos somos irmãos em raça e somos animais! Nestas atitudes discriminatórias nota-se isso mesmo: o quão animais somos! A exibição dos “nossos galões” (nos ombros claro, pois é aí que crescemos, tal como outros animais que se tornam maiores com o levantar do corpo e o pelo eriçado).

Perdoem o desabafo, mas sou muito sensível a questões de injustiça social. Costumo dizer que o meu avô materno entra dentro de mim, quando reajo perante as mesmas, pois ele também era uma pessoa reativa e sensível a estes temas. Ai de quem se atrevesse a passar à frente numa fila de supermercado na presença dele. Apanhava a reprimenda e vergonha da sua vida! Ele era fiel aos seus valores e lutava pela igualdade e pela justiça. E isso aplicava-se a todos: brancos, pretos, mulheres, homens.

Voltando à questão basilar de hoje: Todos diferentes, todos iguais? Se o avião cair, o Sr. XPTO tem um tratamento diferente? Há uma pílula mágica para voar? Ou caímos todos, passageiros “de primeira e de segunda” classe?

Certo…Caímos todos. E às vezes só em momentos desses, isto é, de grande tensão e necessidade de sobrevivência (já nos mostrava Saramago, com o seu livro “Ensaio sobre a Cegueira”) é que baixamos a guarda, despimos os trajes de militar, rasgamos os títulos e canudos… Aí sim, tal como quando se nasce… é que estamos (quase) todos iguais, em igualdade de circunstâncias.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril de 2019.