Jornal da Praia

PUB

AVERSÃO E TRAIÇÃO À ILHA TERCEIRA

Sexta, 17 de Maio de 2019 em Opinião 302 visualizações Partilhar

AVERSÃO E TRAIÇÃO À ILHA TERCEIRA

Ao longo dos 43 anos de autonomia, temos observado em relação à Ilha de Jesus um sentimento doentio de inclassificável injustiça distributiva, que vem minando a economia da ilha e a força anímica dos terceirenses que se sentem cada vez mais defraudados.

Hoje, a segunda mais populosa parcela do arquipélago está, de ano para ano, mais decadente, porque a autonomia foi prostituída nos seus pressupostos. Estes últimos visavam a aproximação com vista à união dos açorianos e o desenvolvimento harmónico de todas as ilhas. Ora isto tudo continua, ainda hoje, por cumprir.

Na fase inicial do processo autonómico, houve quem, ingenuamente, acreditou e de imediato aderiu a esses propósitos, mas foi Sol de pouca dura. O esbulho, ainda hesitante e meio envergonhado, começou com a sugação da ilha que fora por duas vezes capital do Reino de Portugal e sede da Capitania-Geral dos Açores. Contra ela, estouvados e cobiçosos micaelenses fizeram tudo para que esse regime autoritário e centralista fosse abolido. Tal extinção aconteceria décadas mais tarde e depois de fortes contestações.

Pelos vistos, a lição dos revoltosos não permitiria que outros indignados mais tarde fizessem o mesmo. A prova disso foi o sucedido no Aeroporto Internacional da ilha de Santa Maria, a placa giratória da aviação civil nos Açores até aos anos setenta do século XX, altura em que foi transferida, provisoriamente, para a Lajes da Terceira, a aguardar as obras de prolongamento da pista de Ponta Delgada.

Então, um grupo de políticos do PSD, conhecido por Grupo da Terceira exigiu que esse prolongamento se fizesse ao mesmo tempo que a construção do porto da Terceira, na Praia da Vitória, visto que era a única ilha-cabeça de distrito não possuindo um porto digno desse nome. Embora existisse no seu território a maior baía do arquipélago açoriano. E foi a ilha que, com as contrapartidas da Base das Lajes, mais contribuiu para o orçamento regional dos Açores. Os montantes recebidos dos norte-americanos ascenderam, durante vários anos, a mais de um terço das suas receitas anuais.

Com o desaparecimento desse grupo político, o centralismo de P. Delgada ganhou novo fôlego e ímpeto, dominando não só a Ilha Terceira mas também as demais sete ilhas, criando profundas assimetrias entre elas e até mesmo dentro de S. Miguel. A administração socialista que prometeu mundos e fundos acabou por descambar para um fortalecimento ainda maior do centralismo feroz, provocando uma acentuada diminuição da população de algumas ilhas, devido à excessiva concentração numa ilha das empresas e dos serviços públicos, pagos pelos contribuintes de todas as ilhas.

A situação de êxodo rural e saída das ilhas, sobretudo para S. Miguel, teve seus reflexos nas pequenas e frágeis economias insulares. E para estancar a sangria, o governo socialista procurou aplicar medidas especiais para as ilhas denominadas por ”ilhas da coesão”. O processo foi um embuste e um fracasso total. Os problemas agravaram-se, ao invés do que se havia prometido e apregoado em grandes parangonas nos meios de comunicação social.

O pior é que essa aversão à Terceira remonta, aos anos oitenta do século passado, continuando imparável e despótica. E como se não fosse bastante, tem contado com a cumplicidade de divisionistas e traidores que não se têm esforçado, como era sua obrigação, na defesa intransigente dos interesses da ilha por que foram eleitos. Alguns deles, por medo de desagradar ao chefe partidário e, assim, virem a perder o apetitoso “tacho”. Inúmeros casos podiam ser mencionados. Como ilustração, vejamos o que este quinzenário publicou, em 1982, sobre a inauguração do Centro de Oncologia dos Açores, sediado em Angra do Heroísmo.

«É notório o desprezo a que a ilha Terceira está votada por parte do Governo Regional. Não vamos fazer contas nem tão pouco enumerar tantos factos demonstrativos de tal situação que de resto e felizmente já é do íntimo convencimento dos terceirenses lúcidos e desapaixonados bem como dos açorianos conscientes.

O que não sabíamos ainda era que a grande aversão à Ilha Terceira, por parte da maioria dos Secretários regionais, os levaria a posições tão descaradas. Apreciemos: aquando da recente inauguração da Escola de Enfermagem de S. Miguel construída com o dinheiro dos Americanos, estiveram presentes, à cerimónia, todos os membros do Governo, incluindo obviamente os anjinhos da Terceira.

Às cerimónias que têm lugar na Base das Lajes chega a haver atropelos, mas a Sata vem carregada com os nossos governantes que, quando não há lugares nos estabelecimentos hoteleiros, até usam as camas dos americanos.

Inaugura-se um Instituto de Oncologia com âmbito regional, fruto do trabalho de um grupo de açorianos e apoiado por toda a população e pelo Governo Regional, e apenas se dignam estar presentes Secretários da Terceira.

Isto é, um acontecimento de S. Miguel faz voar, correndo, todos os membros do Governo até à Ilha do Arcanjo; um acontecimento de todos os Açores, só porque teve lugar na Terceira, conta apenas com os terceirenses.

Que triste imagem.

Não há dúvida que a única coisa da Terceira que interessa aos nossos representantes é a Base, e nesta, para além dos «Aviocars» nas alturas de aflição, só os americanos e as suas abundâncias.

Isto está mau! Temos de abrir os olhos enquanto é tempo.»

(Jornal da Praia, nº 5, pág.3, 29.6.1982)

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril de 2019.