Jornal da Praia

PUB

DE 17 A 19 DE MAIO NA PRAIA DA VITÓRIA: CAMPEONATO NACIONAL DE TRAUMA E DESENCARCERAMENTO

Quinta, 16 de Maio de 2019 em No Concelho 101 visualizações Partilhar

DE 17 A 19 DE MAIO NA PRAIA DA VITÓRIA: CAMPEONATO NACIONAL DE TRAUMA E DESENCARCERAMENTO

Decorreu esta quinta-feira, 16 de maio, no miradouro da Serra do Facho, a sessão de abertura do VII Campeonato Nacional de Salvamento e Desencarceramento e VI Campeonato Nacional de Trauma, que decorre na zona do Paul, Praia da Vitória, até ao próximo domingo, 19 de maio.

O Campeonato Nacional de Trauma e Desencarceramento 2019 é uma organização da Associação Nacional de Salvamento e Desencarceramento (ANSD), representante da World Rescue Organization (WRO) em Portugal, em parceria com a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória (AHBVPV), com o apoio do Governo dos Açores através do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores e do Município da Praia da Vitória.

De 17 a 19 de maio, equipas de bombeiros de todo o país competirão para apurar-se como representantes portugueses para o maior encontro mundial de equipas de socorro, salvamento e desencarceramento – o World Rescue Challenge, que este ano decorrerá no mês de setembro em França.

Em sistema contrarrelógio as equipas irão competir em cenários de socorro a vítimas de trauma e de acidentes de viação, dando a conhecer a exigência das avançadas técnicas utilizadas na vida real pelas equipas de emergência em todo o mundo. Mais que uma competição, esta é uma oportunidade de partilha, aprendizagem e evolução, que procura não só aperfeiçoar as capacidades das verdadeiras equipas de socorro, como também sensibilizar o público para a problemática mundial da sinistralidade rodoviária.

As equipas serão avaliadas por jurados nacionais e internacionais nas vertentes de “Comando”, “Cuidados pré-hospitalares” e “Resposta técnica”. Os cenários serão simulados o mais próximo da realidade, com uma equipa profissional de caraterização e dezenas de viaturas automóveis que serão amolgadas, deformadas ou viradas ao contrário e colocadas de forma a criar um verdadeiro quebra-cabeças que tem de ser resolvido em apenas alguns minutos, enquanto as vítimas colocadas dentro das viaturas ou em cenários do quotidiano pedem socorro! Cenários que envolverão quem assiste, do profissional treinado ao leigo curioso.

A competição divide-se em duas variantes: Desencarceramento e Trauma. Na variante Desencarceramento, estarão presentes equipas representativas do BSB Porto; BV Cacilhas; BV Camarate; BV Minde; BV Mira; BV São Brás de Alportel; BV Sul e Sueste e RSB Lisboa. Quanto à variante Trauma competirão as equipas AFSS Trauma Team; BSB Porto; BV Alcabideche; BV Alcoentre; BV Algés; BV Azambuja; BV Covilhã; BV Minde; BV Mira; BV Nordeste; BV Odivelas; BV Praia da Vitória (duas equipas); BV São Roque; BV Vila Velha de Ródão e RSB Lisboa. Por sua vez cada variante divide-se em duas categorias: simples e complexa. Na prova simples os concorrentes têm que prestar socorro a uma vítima e na complexa a 2. Todas as provas decorrerão na Tenda situada junto ao Paul da Praia da Vitória nos dias 17, 18 e 19, com início das manobras pelas 09:00 e términus às 18:00.

Recorde-se que uma equipa dos bombeiros da Praia da Vitória é, atualmente, vice-campeã do mundo de Trauma, título arrecadado o ano passado na cidade do Cabo, Africa do Sul. Há dois anos, no “World Rescue Challenge 2017”, que decorreu na Roménia, também na variante de Trauma, os bombeiros da Praia da Vitória sagraram-se campeões do mundo.

A sessão de abertura começou com uma demonstração de resgate de montanha ou escarpa, na encosta da Praia da Vitória e de salvamento no mar, na baía da cidade, por um helicóptero EH-101 Merlin, da Esquadra 751 – “Pumas” da Base Aérea n.º 4, constituída por uma tripulação de 5 elementos: piloto; copiloto; operador de sistemas; recuperador-salvador e enfermeiro aeronáutico.

Depois, Vasco Cunha, presidente da Direção da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória, tomou a palavra e citou Fernando Pessoa, para salientar que a realização do Campeonato Nacional de Trauma e Desencarceramento na Praia da Vitória é fruto dos sonhos de um punhado de pessoas que nunca deixaram de acreditar e enumerou-as uma a uma.

“Fernando Pessoa disse: ‘quando o homem sonha, a obra nasce’ e a realização deste Campeonato Nacional na Praia da Vitória resulta de um sonho que teve início aquando do Regional de 2017. Sonho que é sonho, sonha-se acompanhado, e connosco, sonharam o Rui Luís, o Tibério Dinis, o João Carolino, o Luís Figueiredo, o Osório Silva, a GPS e a Eletrocruzeiro”.

Prosseguiu as invocações literárias declamando o poema “Açor” de Sofia Melo Breyner, onde definiu o território insular e socorreu-se da expressão “açorianidade” de Vitorino Nemésio para caracterizar o caracter das suas gentes revisitando a sua obra. “Somos corsários das ilhas, resistimos a mau tempo no canal, temos um canto matinal, que se prolonga até nem toda a noite, a vida dançando a sapateia açoriana numa festa redonda, que ninguém a sabe fazer e vivenciar melhor do que nós”.

Já João Carolino, presidente da ANSD, perspetivou 3 dias de muito trabalho para todos os participantes, um trabalho que diz traduzir-se naquilo “que é efetivamente a essência do socorro em Portugal”.

Partindo do tempo meteorológico falou da importância do tempo cronológico no socorro à vítima. “Tempo é aquilo que a vítima nos dá, nas diferentes vertentes, nas diferentes frentes de necessidades que encontramos no dia-a-dia, seja nos acidentes rodoviários, seja nas quedas e mais outras situações de trauma que apanhamos, seja inclusive, no resgate de vidas em qualquer ponto do nosso país, porque tempo é aquele que a vítima efetivamente nos dá”.

Desejando que o Campeonato seja para além da competição também uma oportunidade de partilha para todos, apelou para que a população possa observar e contatar de perto com aquelas que são as exigências do dia-a-dia destes “grandes homens e mulheres” que fazem socorro no nosso país.

“Aqui durante três dias, nós vamos observar equipas fantásticas que têm trabalhado durante um ano inteiro para traçar o caminho para o Campeonato do Mundo em França. Vão demonstrar que conseguem fazer arte – literalmente é o que fazem na abordagem da vítima, trazendo aquilo que é o melhor socorro e trazendo também bem alto o nome de Portugal de volta às terras lusas”, disse.

Por sua vez, o secretário regional da Saúde, Rui Luís, que tutela o Serviço Regional de Proteção Civil, apresentou-se muito bem-humorado e gracejou com o tempo, com a classificação das 4 equipas dos Açores, com os equívocos dos políticos e para não ficar atrás do presidente da Direção da AHBVPV também citou Vitorino Nemésio.

Mais a sério, salientou que o Campeonato resulta de uma clara aposta do Governo Regional na capacidade que os Açores têm para receber eventos desta natureza e dimensão que vai ao encontro da estratégia governamental de notoriedade nacional e internacional destas ilhas.

“Estamos a apostar neste tipo de realização de eventos: a chamada meeting Industry e ainda há pouco tempo aqui na Terceira, tivemos as Jornadas Técnicas da Confederação Espanhola de Agências de Viagens e a 3.ª edição do Azores Triathlon”, referiu Rui Luís. No seguimento da aposta do Governo dos Açores na valorização dos destino Açores e de combate à sazonalidade do turismo anunciou um grande evento internacional para a Terceira. “No final deste ano, vamos ter um grande evento, o congresso anual do Global Sustainable Tourism Council”.

Destacou ainda a importância dos bombeiros enquanto elemento essencial de proteção civil, recordando o atropelamento ocorrido recentemente nas Quatro Ribeiras que resultou em 15 vítimas, sublinhando que “os nossos bombeiros, quer da Praia da Vitória quer de Angra do Heroísmo, devidamente coordenados pelos seus comandantes, o Alexandre e o Trindade, tiveram um papel fundamental no socorro das vítimas”, enfatizando, “é uma demonstração daquilo que vocês próprios são capazes de fazer no dia-a-dia”.

Por fim, deixou o repto para que num futuro, que se deseja próximo, o Campeonato Mundial de Trauma venha a realizar-ser na Praia da Vitória. “Apelo à ANSD e ao representante da WRO que aqui está, que nós temos condições para num futuro próximo receber o Campeonato do Mundo de Trauma e como tal fica aqui lançado o desafio”.

Tíbério Dinis, presidente do Município da Praia da Vitória, também aludiu ao acidente trágico das Quatro Ribeiras e publicamente endereçou um agradecimento às diversas entidades envolvidas no socorro às vítimas pela prontidão como desencadearam todas as operações de salvamento. Lembrou também, a aspirante a bombeira, Luana Martins, que se encontra hospitalizada depois de um acidente num exercício no quartel dos bombeiros, a quem endereçou “rápidas melhoras” para que possa estar de “regresso à enorme família dos bombeiros da Praia da Vitória".

Afirmando que o executivo por si liderado sempre esteve e estará ao lado da AHBVPV, disse que a Câmara da Praia “aumentou em 40% o apoio às atividades da Associação” e a ela confiou, a gestão e salvamento das suas zonas balneares.

Salientando que o “Campeonato Nacional de Trauma e Desencarceramento é um marco importantíssimo para a Praia da Vitória”, informou que a Câmara da Praia desencadeou todo o apoio à sua organização, não só em termos logísticos como financeiros, lamentando, no entanto, a falta de unanimidade quanto a esse apoio.

“Nós desencadeamos o apoio à AHBVPV para organização deste campeonato nacional, não só o apoio logístico, mas também o apoio financeiro orçado em cerca de 20 mil euros. Infelizmente e, não querendo alimentar polémicas, mas também não poderia deixar de o referir aqui, infelizmente, a Praia da Vitória não se pode orgulhar de tal apoio ter sido aprovado por unanimidade, ou sequer, que tal apoio tenha merecido o voto favorável da totalidade dos vereadores da Câmara Municipal da Praia da Vitória”.

Finalizou reiterando o apoio “total e inequívoco” do executivo Camarário à AHBVPV “até ao limite das nossas possibilidade e das nossas competências, não só para este Campeonato Nacional, mas também para o desejo, para a ambição e para o sonho de recebermos o Campeonato Mundial”.

A WRO é uma organização mundial que promove e estimula o desenvolvimento dos conceitos globais de salvamento e desencarceramento, assentes em paralelo com os melhores cuidados de emergência à vítima.

A ANSD é uma associação sem fins lucrativos que tem como objetivo desenvolver atividades de salvamento e desencarceramento, nomeadamente, cursos de formação, workshops, conferências, feiras e eventos similares na área da prestação de socorro.

JP