Jornal da Praia

PUB

JACA ESPINHOSA

Quinta, 16 de Maio de 2019 em Opinião 97 visualizações Partilhar

JACA ESPINHOSA

Espinhosa é só por fora, como se vê pela aparência, e quando ainda não amadureceu, dado que a jaca, a maior fruta comestível conhecida, que chega a pesar mais de trinta quilos, e que é produzida pela jaqueira, árvore tropical de grande porte, é saborosa e suculenta, ao ponto de lhe chamarem fruta-pão. O seu exterior assemelha-se a algumas pessoas que se mostram incapazes de revelar a riqueza do seu universo interior, por se deixarem levar desmesuradamente pelas influências negativas do exterior, nomeadamente a nível do stress.

Retomando o tema dos exercícios de respiração, que ajudam a fazer frente a este mundo, assinale-se que, de acordo com o autor que temos vindo a seguir, existem sinais que nos dão informação de quão fraca é a entrada de ar. Esses sinais correspondem a indícios da ventilação, que podem desencadear ataques de pânico quando a ansiedade é elevada. Registam-se pois os seguintes: (1) respiração rápida e superficial, envolvendo a parte superior do peito; (2) subida significante dos ombros em direcção às orelhas; (3) falta de expansão do abdómen; (4) vastos sinais de padrões irregulares de respiração; (5) engolimento de ar, o que produz agitação abdominal e arrotos; e (6) respirações profundas bem como manutenção dessas respirações com pouca expiração.

Entretanto não se admire pela insistência numa boa respiração. Como ensina o provérbio «respirar mau ar é beber a morte» e pelo contrário, como ensina Cheung (2006) «a respiração é a ciência da vida». No conjunto, a respiração e o respirar têm sido frequentemente identificados com a alma. Não é por acaso que no tempo dos Romanos, os parentes próximos de alguém que morria tentavam inalar os últimos suspiros do defunto, para garantir que a sua alma encontrasse outro corpo e assim não se perder. Também para o Hinduísmo, o respirar, ou como é conhecido, a energia da vida é vista como uma força ligada ao pensamento, e ao ser saudável, e em que assenta o yoga, a meditação e o controlo do espírito. Pensa-se mesmo que simples exercícios de respiração ajudam a ter um rápido acesso aos estados de espírito psíquicos.

Justifica-se ainda que se aponte, de acordo com o mesmo autor, algumas dicas que se convém utilizar para melhorar a respiração: (a) uso de roupas leves à volta de peito, em vez de justas ou pesadas; (b) desenvolver um ritmo leve e calmo ao respirar, com uma ligeira pausa após a expiração; (c) tentar soltar levemente os seus ombros à medida que expira, de forma a ajudar o relaxamento; (d) estar consciente do respirar, numa base diária, quando nos empenhamos em diferentes actividades, e registar qualquer mudança; e (e) tentar visualizar a situação stressante que faz aumentar a taxa da respiração, e depois praticar a tranquilização até se sentir outra vez relaxado.

Convém ainda que a última destas dicas seja realizada várias vezes, até a pessoa se sentir confiante de que está em controlo, e poder utilizar este exercício para se acalmar quando se sentir stressada. A maneira mais fácil de cuidarmos rapidamente de nós próprios é pois respirar fundo. Quando estamos sob stress os músculos ficam tensos, e a respiração torna-se rápida e superficial (Levy (2001)). Isto contraria-se respirando profunda e lentamente. Aliás, note-se, é isto o que fazem os bebés. Portanto, para respirar bem deve-se começar na barriga e acabar aí, no mesmo sítio. E facilita praticar até ser capaz de contar até dez a cada inspiração e depois a cada expiração.

Finalmente, e esclarecendo (Seaward, 1997): (1) quando se aprende a modificar a respiração torácica para a respiração diafragmática passa-se a poder reduzir o seu número para quatro a seis por minuto; (2) o poder terapêutico do respirar está frequentemente associado com consciência elevada e espiritualidade; e (3) a respiração diafragmática é por si só uma forma de relaxamento que, por causa da sua facilidade e compatibilidade, se encontra habitualmente incorporada em outras técnicas, como o relaxamento muscular progressivo, o treino autogéneo e a imaginação mental, cujo resultado se traduzem em efeito de relaxamento combinado.

Aurélio Pamplona

Referências:
Cheung, T. (2006). The element encyclopedia of the psychic world: The ultimate a-z of spirits, mysteries and the paranormal: Breath (pp. 828). London: Harper Element.
Levy, L. (2001). Dispa o seu stress: 30 maneiras curiosas e divertidas para se libertar da tensão. Lisboa: Editorial Bizâncio.
Seaward B. L. (1997). Managing stress: Principles and strategies for health and wellbeing: Boston Jones and Bartlett Publishers.

NE: Texto orginalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril de 2019.