Jornal da Praia

PUB

UM CARNAVAL PUJANTE

Quarta, 15 de Maio de 2019 em Opinião 267 visualizações Partilhar

UM CARNAVAL PUJANTE

O carnaval sempre que me lembre foi uma época muito desejada pelos seus apreciados divertimentos de valor cultural que dizem ser de origens da civilização romana.

É uma quadra em que nesta ilha Terceira todos se alegram com mascarados, danças e bailinhos que abundam nos salões oferecendo enredos de dramas, históricos, bíblicos, cómicos e temas de crítica social dos nossos dias em que ninguém leva a mal. Este ano de 2019 foi memorável pelo numeroso número de participações que se exibiram nos quatro dias de Entrudo, riquíssimo em indumentárias, orquestras, coreografias e vozes de brilho de nível primoroso, tanto femininas como masculinas, um verdadeiro encontro que temos na nossa terra ao nosso dispor e à qual nos devemos orgulhar.

Os nossos emigrantes também nos visitam nestes dias, trazendo as suas representações, são momentos de convívio emocionante.

A minha atenção redobrou ao presenciar a dança de espada da Casa da Ribeira com o assunto histórico da dama das camélias peça teatral escrita Clélio Meneses que resultou num enorme sucesso para ele e para todos as excelentes personagens que o desenvolveram com dedicado empenho desde os actores que os declamaram com emotividade aos dançarinos que se viram com bastante qualidade e aprumo invulgar, coordenados e bem dirigidos pela mestra de espada de sorriso cativante de corte seguro tanto no bailado como na correção com a música demonstrando a beleza jovem a lembrar os tempos do seu avô paterno Alberto Meneses puxador de danças de espada ainda hoje lembrado que nessa dança voltou a dar o seu contributo nas regras e essências antigas que perduram tão requintadas nos mesmo moldes.

Não posso olvidar os poemas que foram cantados por vozes consagradas muitas por famosos poetas cantadores populares que bem enalteceram o heroísmo e a vitória que a nossa terra contem, só verdadeiro estro tem esse poder de criar Odes ou Estrofes como eles nos dedicaram pelo carnaval e que de certeza nos voltam a oferecer nas cantorias de improviso que tanto fazem para galvanizar várias festas culturais terceirenses dignas de serem apreciadas por um numeroso publico que elas acorre nos terreiros ao longo das próximas festas de verão à roda desta ilha.

Silveirinha

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril de 2019.