Jornal da Praia

PUB

O INVERNO ESTÁ PASSADO

Terça, 14 de Maio de 2019 em Opinião 95 visualizações Partilhar

O INVERNO ESTÁ PASSADO

Estamos a meados de Março, pelo calendário católico em plena Quaresma. Em São Miguel, com sol ou chuva, os romeiros peregrinam pelas estradas da Ilha, rezando e testemunhando a sua fé, tal como vi pela primeira vez nos anos 60, numas férias. Daqui à Páscoa é um instante e este ano o 1º de Maio é pouco depois. Na Região acabámos de sair dos festejos de Carnaval: na Terceira, a chuva não travou a saída de cerca de 70 bailinhos e, em Ponta Delgada, mais uma vez assistiu-se à Batalha das Limas. O tempo corre tão depressa que os aficcionados terceirenses já sonham com o 1 de Maio, data do início da época taurina, que durará sei meses; se for como nos anos anteriores, haverá certa de 250 touradas. Ao mesmo tempo começará a invasão de turistas, o que é bom do ponto de vista económico, embora alguns efeitos colaterais sejam de prevenir. Algumas ilhas, principalmente São Miguel e Terceira, são literalmente invadidas. Hotéis e restaurantes enchem, as esplanadas ficam à cunha. Os guias turistas darão o seu melhor para mostrar as ilhas incluídas nos circuitos. Em São Miguel sublinharão a exuberância da paisagem e dos fenómenos ligados ao vulcanismo; ao chegarem às Sete Cidades, encontrarão sempre uma pequena multidão no Miradoiro da Vista do Rei. Na Terceira, repetirão a blague: os Açores são oito ilhas e um parque de diversões, que é a Terceira; ao chegarem ao Algar do Carvão encontrarão vários autocarros estacionados.

Nas Ilhas do Triangulo a enchente será menor, habitualmente não há filas, o que permite uma estadia mais sossegada e reconfortante. Os turistas que escolherem São Jorge, habitualmente fora dos circuitos propostos pelos grandes operadores, terão oportunidade de fazer trilhos inesquecíveis, visitarão as fajãs e, passeando na costa Sul, terão sempre presente o Pico com a sua montanha com mais de 2000 metro de altitude e, para Poente, a ilha do Faial. Em geral a Região viverá a febre do turismo, os empresários do sector farão o seu melhor para agradar à clientela e o Governo Regional fará contas na esperança da época ajudar ao Orçamento.

Tudo isto é previsível e importante, mas convém olhar para o nosso turismo com olhos de ver. Há que melhorar os serviços, especialmente a restauração. Não é conveniente pôr um casal mais de uma hora à espera do jantar, como aconteceu a uns cunhados meus; não é admissível que num restaurante de Ponta Delgada, quem vai na mira de beber cerveja Melo Abreu, fabricada na ilha, ouça do empregado esta resposta “só temos Carlsberg” como já me aconteceu. Não é aceitável publicitar circuitos para observar baleias, fazer uma recepção aos clientes insinuando que os bichos estão à nossa espera, e apenas encontrar golfinhos e de baleias nem rasto. E sobre este tema acrescento: quando isto me aconteceu, fui com mais três familiares num semirrígido, apanhámos mar que nos fartámos; quando desembarcámos, estávamos encharcados até aos ossos. Chegados ao hotel, uma unidade de 4 estrelas, as senhoras precisavam de ir ao cabeleireiro, mas na recepção informaram que não dispunham desse serviço.

Mas talvez mais importante do que estes reparos, é chamar a atenção para a necessidade urgente de, do ponto de vista económico, estudar alternativas ao turismo. Não se trata de substituir aquela por outra actividade económica qualquer, mas obter um estudo profundo e competente sobre a diversificação da economia da Região. Como eu disse, num texto publicado em Março do ano passado: o turismo «[é] uma aposta boa, mas o sector é muito sensível. Para além de uma sazonalidade muito acentuada, é uma indústria muito exposta aos ciclos económicos; como alguém dizia: “uma pequena constipação” na actividade económica causa imediatamente “uma pneumonia” no sector do turismo». E nem de propósito: no início deste mês a OCDE anunciou as previsões de crescimento económico para este ano a nível mundial e corrigiu dos 1,8 que tinha estimado para 1%, isto é, a quebra é de quase 50%. Na apresentação das revisões, Laurence Boone, economista-chefe da Organização, sublinhou que será na Europa que mais se fará sentir a travagem económica.

Braga, Março de 2019

José Henrique Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril.