Jornal da Praia

PUB

PSD Nacional e o Colonialismo

Segunda, 29 de Abril de 2019 em Editorial 283 visualizações Partilhar

PSD Nacional e o Colonialismo

A Direcção Nacional do PSD, ao não colocar o Drº. João Bosco Mota Amaral, em lugar elegível na lista daquele partido nas Eleições para o Parlamento Europeu de Maio deste ano, passou um atestado de desrespeito, de inferioridade para o povo dos Açores em geral e nomeadamente para como os Sociais Democratas da nossa Região Autónoma, ao invés do que vinha sucedendo ao longo os tempos, era sempre atribuído um lugar elegível ao candidato indicado pelas estruturas regionais do PSD dos Açores na lista do PSD para o Parlamento Europeu.

Alexandre Gaudêncio, líder do PSD/Açores defendia e muito bem que o nome do Drº. Mota Amaral devia constar da lista em segundo lugar, o que na verdade “não ficaria nada mal se o Drº. Mota Amaral ficasse em segundo lugar, porque é uma pessoa que merece respeito e essa consideração”.

Alexandre Gaudêncio clamou no deserto, as suas palavras não foram atendidas pelas estruturas nacionais do partido, e tudo indica que o oitavo lugar na lista que foi atribuído ao Açoreano Mota Amaral, este não será eleito, perdendo a Região Autónoma dos Açores um deputado no Parlamento Europeu, o que é lamentável para a defesa dos nossos interesses, uma verdadeira afronta de Rui Rio aos Açoreanos.

Era fundamental para a nossa região manter a tradição de eleger dois deputados para o Parlamento Europeu, um pelo PSD e outro pelo PS, ora como facilmente se depreende isto não vai voltar a suceder, “os do PSD Portugueses tentam com a não inclusão de Açoreanos na sua lista às eleições para o Parlamento Europeu fazer ignorar a relevância do papel histórico que os Açores têm vindo a ter na construção das Regiões Ultraperiféricas no seio da União Europeia”.

Com menos uma voz no Parlamento Europeu, será mais difícil para os Açoreanos inventar soluções e respostas às suas pretensões, mas resta-nos a esperança de que André Bradford indicado pelas estruturas regionais do Partido Socialista, para a lista do PS e colocado em lugar elegível, será uma pessoa dedicada e digna de representar os Açores e os Açoreanos, desenvolvendo um trabalho frutífero e inteligente na defesa dos nossos interesses.

Esperamos que os eleitores dos Açores, se sintam incentivados a votar com consciência nas próximas eleições para o Parlamento Europeu e que o representante daqueles desempenhe com respeito e dignidade a sua função, e que seguramente “dará tudo de si pela defesa dos interesses dos Açores no poderoso anfiteatro do Parlamento Europeu”.

Os políticos dos Açores devem pugnar, quando for oportuno pela criação de um circulo eleitoral próprio para o Parlamento Europeu, aliás, como já acontece nalgumas Regiões Ultraperiféricas, ficando assim, ultrapassada esta vergonhosa falta de respeito pela nossa região e pelas suas gentes, porque mais uma vez na história da nossa jovem autonomia fomos tratados com vilipêndio pelos agentes centralistas/colonialistas do Continente Português, num país que se quer prospero, harmonioso e democrático, mas que infelizmente continua com tiques colonialistas a ameaçar-nos, mas os inimigos da autonomia não se podem esquecer que os Açoreanos sabem ler e que levam a sério a defesa na consolidação da sua autonomia política, administrativa e financeira.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com