Jornal da Praia

PUB

MEMÓRIAS DO SEMINÁRIO – NOVO LIVRO DE JOSÉ ANTÓNIO MACIEL

Segunda, 22 de Abril de 2019 em Cultura e Desporto 184 visualizações Partilhar

MEMÓRIAS DO SEMINÁRIO – NOVO LIVRO DE JOSÉ ANTÓNIO MACIEL

Este advogado e antigo docente do ensino preparatório e secundário, natural de S. João do Pico, acaba de publicar o 2º livro de memórias. Este versa sobre as suas vivências no Seminário Padre Damião da Praia da Vitória, com duas passagens fugazes pelo Colégio Valsassina, em Lisboa e pelo Externato misto da Parede, situado a 20 quilómetros do Porto, para frequentar o antigo 7º ano, em 1970-1971, fazendo com outros colegas, diariamente, o percurso em autocarro, entre o Seminário Mateo-Baltar e o referido colégio nos dois sentidos.

Ambos os colégios possuíam com a Congregação dos Sagrados Corações a que pertenciam os seminários contratos para a lecionação dos currículos do ensino oficial ministrados.

O livro com muitos laivos autobiográficos, escrito com pendor saudosista, e uso frequente da primeira pessoa verbal, constitui um documento interessante para o conhecimento de uma época e das condições em que crescia e se formava a juventude estudantil dos anos sessenta do século passado, nomeadamente os alunos dos seminários geridos pelos padres holandeses da supracitada congregação.

Através da obra, em apreço, perpassam inúmeros eventos, desde a saída da casa paterna até ao ingresso no seminário: as despedidas, as viagens por mar, as saudades, os primeiros embates e dificuldades de adaptação às novas realidades, os hábitos sociais, as dificuldades a superar, as mentalidades novas a criar, um mundo diferente dotado de menos liberdade e sem as facilidades dos nossos dias.

Nos Açores, as mudanças da educação e da utilização de métodos mais avançados no ensino suavizaram a disciplina interna e proporcionavam maior motivação e aceitação dos seminaristas, que já usufruíam de vantagens ainda não existentes no Seminário Episcopal de Angra, então considerado mais conservador. Na Praia da Vitória, a situação era diferente na própria indumentária, nas saídas para passeios, nos horários menos matinais para levantar e na inserção no meio social circundante, factos estimuladores de grande partilha e frutuosos intercâmbios para lá dos ares da instituição de formação eclesiástica.

Os próprios padres, graças à sua moderna concepção do ensino e dos objectivos a atingir, eram exemplos vivos de intervenção, na Terceira e noutras ilhas, a que alguns deles se deslocavam, durante as férias, nas suas vespas e lambretas, sem aquelas pretas batinas, mas de forma mais ligeira descontraída e próxima das demais pessoas.

O autor apresenta um caleidoscópio da realidade que bem conhece e fá-lo em linguagem simples, escorreita, recorrendo muitas vezes ao humor e ao cómico de situação em várias passagens do livro. José António Bernardo Maciel faz, em cada capítulo, uma descrição das principais actividades do Seminário Padre Damião da então Vila da Praia da Vitória, onde viveu de 1963 até ao seu encerramento. Eram umas de natureza pedagógica e científica, exercidas nas aulas das várias disciplinas, e outras de estudo fora delas, numa sala maior, a que presidia o prefeito e a quem se pedia ajuda se necessário. Na vertente dos tempos livres, o futebol, o teatro, os passeios a pé, a leitura, a escrita criativa e livre, a música, eram as mais concorridas.

O capítulo «A comunidade local» merece grande destaque na obra e o escritor conhece-a bem, porque lá viveu depois da sua formatura em Direito como se pode ver pela citação seguinte.

 «Uns anos mais tarde, em 1980, continuando este relacionamento e quando eu vivia de novo na Praia agora em família, por razões profissionais, o Pe. Cândido acedeu batizar o Filipe e o Pedro o que ocorreu na Igreja da Misericórdia, por indisponibilidade da igreja Matriz, fechada na sequência dos danos provocados pelo sismo daquele ano» (in pág. 119).

 É o mais desenvolvido do livro (dez páginas), merecendo atenta leitura, devido à diversidade dos espaços, onde ocorrem os eventos, e ao seu carácter histórico. As ocorrências evocadas são diversas: touradas à corda, entradas gerais na Base das Lajes, convites dos americanos para os alunos irem ver filmes gratuitamente, idas anuais, pelo Natal, aos jantares do NCO Clube dos Sargentos, visitas para alguns observarem um computador pela primeira vez, ou para verem programas de televisão como, por exemplo, o da transmissão da vinda de Paulo VI a Portugal, em Maio de 1967, (ainda não chegara a televisão aos Açores), o relacionamento fácil com os clubes desportivos praienses «Os Brancos» e os «Encarnados», que não cobravam bilhetes de entrada para a assistência aos jogos, os banhos na grande baía, etc.

Os capítulos, alguns deles estão ilustrados com belas fotos, a preto e branco, e outros com fotos, a cores, sobre acontecimentos posteriores a 1971, designadamente o das comemorações das bodas de ouro do Seminário da Praia da Vitória, em 2008.

À guisa de prefácio, «Memórias do Seminário» inclui, ainda, onze testemunhos de elogio e agradecimento de antigos colegas que leram o manuscrito de José António Maciel e o que sentiram e recordaram dessas antigas vivências passadas em comum, e indeléveis para sempre.

Em suma, um livro de 149 páginas que desperta, entusiasma e prende o leitor do começo até ao fim. A edição é do autor e a impressão foi feita em Fevereiro de 2019, na Gráfica «O Telégrapho», da cidade da Horta. Ao primeiro e à segunda endereço os devidos parabéns, na expectativa de haver, em breve, uma 2ª edição. Aqui fica o repto. Este livro merece-o.

ANL | JP