Jornal da Praia

PUB

JOSÉ LEITE BOTELHO DE TEIVE, UM FIDALGO LIBERAL

Sexta, 19 de Abril de 2019 em Opinião 1410 visualizações Partilhar

JOSÉ LEITE BOTELHO DE TEIVE, UM FIDALGO LIBERAL

Há exatos 183 anos, a 19 de abril de 1836, morria o terceirense José Leite Botelho de Teive, um combatente liberal, que se tornou fidalgo cavaleiro da Casa Real em novembro de 1817, após a subida ao trono de D. João VI.

José Leite Botelho de Teive nasceu em Angra, provavelmente a 1 de janeiro de 1755. Era filho segundo do Capitão de Ordenanças Diogo António Leite Botelho de Teive e da sua esposa D. Josefa Bernarda do Canto Noronha. Criado no meio militar, José Botelho de Teive tornou-se, em 1774, alferes da Companhia de Auxiliares de Angra.

Com a morte do irmão mais velho Jácome Leite Botelho de Teive, que havia sido nomeado fidalgo cavaleiro da casa real em 1752 pelo Rei D. José I de Portugal, José Botelho de Teive passou, em 1782, a administrar os vínculos familiares tanto na Ilha Terceira, como em São Miguel. No ano seguinte, a 9 de fevereiro de 1783, casou-se no oratório da casa de D. Madalena Vitória, na freguesia da Sé, com D. Genoveva Jacinta de Lacerda Borges, filha de Agostinho Pereira de Lacerda e de D. Francisca Mariana de Meneses Corte Real. Tiveram como filhos, pessoas que se distinguiram na vida pública portuguesa: Francisco Leite de Botelho de Teive, fidalgo cavaleiro da casa real e comandante do Batalhão de Milícias, José Leite Botelho de Teive, que fez a campanha Peninsular e o major Luís Leite.

O alvará real de D. João VI de 20 de novembro de 1817 tornou José Leite Botelho de Teive, que morava na Miragaia, quando estava na Terceira, em fidalgo cavaleiro da casa real, muitos anos depois do irmão. Membro da Sociedade Patriótica Filantrópica, tal como João Soares de Albergaria de Sousa, José Botelho de Teive lutou pelos direitos dos Açores após a revolução liberal.

Francisco Borja de Garção Stockler foi convidado para governador e capitão general dos Açores em plena Revolução Liberal. A 18 de outubro de 1820, Stockler chegava à Terceira, com o intuito de manter o status quo nos Açores, fazendo com que os ideais liberais não se difundissem pelo arquipélago. Já as Cortes Constituintes queriam aproximar as novas ideias do povo.

Em Angra, a 2 de abril de 1821, houve um levantamento à maneira constitucional, sob a chefia militar do antigo governador e 7º capitão-general Francisco António de Araújo, apoiado por diversas personalidades, entre elas, José Leite Botelho de Teive. Foi então criada uma Junta Provisória para o Governo da Capitania-Geral, que contava com José Leite Botelho de Teive, o capitão-general Araújo, João Bernardo Rebelo Borges, Alexandre Gamboa Loureiro, Coronel José Francisco do Canto e Castro e D. Manuel, bispo de Angra e ilhas dos Açores. Esta mesma Junta jurou obediência a D. João VI, à Igreja Católica e às Cortes Constituintes.

A nova Junta Provisória determinou, por carta, a saída de Stockler da ilha Terceira. Este encontrava-se refugiado na então Vila da Praia. Afirmava-se que a segurança pública de Angra e de toda a Terceira estava posta em causa pela má conduta de Stockler e ordenava-se, por isso, a sua imediata saída da ilha, com o seu embarque para o Continente. Contudo, o ainda governador revoltou-se contra a sua demissão, iniciando uma contrarrevolução em Angra. A 4 de abril, o general Araújo foi morto e foi deposta a Junta Provisória. Stockler reassumiu o poder e iniciou-se, assim, um período de perseguições e prisões de várias pessoas suspeitas de apoiarem os ideais liberais. José Botelho de Teive foi então preso no Castelo de São João Batista juntamente com o seu filho Luís. Acabaram soltos por ordem do próprio Stockler pouco tempo depois.

José Leite Botelho de Teive foi-se tornando um nome forte da causa liberal na Ilha Terceira, que se tinha tornado o último baluarte do Liberalismo, passando a atrair os liberais de todo o país e os que se encontravam exilados em Inglaterra e em França, entre eles o Duque de Saldanha. Vila Flor, o futuro Duque da Terceira, um fervoroso defensor do Constitucionalismo, partiu para a Ilha, sendo nomeado Capitão-General dos Açores pelo Duque de Palmela. A sua primeira ação foi terminar com as discórdias e divisões locais, aproximando a população para a defesa da causa liberal. A seguir, organizou-se a resistência aos ataques de D. Miguel. Mouzinho da Silveira era nomeado secretário militar, assim como o barão de Monte Pedral, chefe do estado-maior. Eram homens capazes e de ação.

A 11 de agosto de 1829, na famosa Batalha da Praia, os Miguelistas tentaram invadir a Ilha, Vila Flor conseguiu organizar uma boa defesa, restaurando a linha de fortes da Terceira. Começava um novo ciclo de vitórias, que fariam de Vila Flor um comandante de prestígio. Os meses seguintes foram de criação constitucional, tentando definir-se a política para o futuro. Foi criada a Regência de Angra, que orientou os destinos dos liberais até à chegada de D. Pedro à Terceira. Angra era a capital da Monarquia Constitucional. A Regência emitiu várias proclamações e 65 decretos, sobretudo pelas mãos de Mouzinho da Silveira, que depois de 1834, tornar-se-iam nacionais.

Em abril de 1831, a Regência avançou para as restantes ilhas. Era preciso difundir o Liberalismo e trazer o restante arquipélago para a causa liberal, antes de se passar para o continente. A 12 de dezembro de 1831, José Leite Botelho de Teive, foi nomeado em ofício do Ministério do Reino, Presidente da Comissão encarregado de, na Ilha de São Miguel, contrair um empréstimo de 120 contos para as despesas nas lutas liberais. Com o apoio de D. Pedro IV, que depois de abdicar do trono português e posteriormente do brasileiro, tornou-se Duque de Bragança, chegando à Terceira a 3 de março de 1832, Vila Flor ultimou o desembarque no continente, tendo comandado os “Bravos do Mindelo”.

Depois da Guerra Civil (1832/1834), o Liberalismo triunfou e José Botelho de Teive pôde assistir à vitória do lado que sempre defendera. Com D. Maria II no trono, a 19 de abril de 1836, José Leite Botelho de Teive morreu em Ponta Delgada.

São as ações de personalidades como José Leite Botelho de Teive que devemos olhar e aprender. Defender o que acreditamos, não mudarmos de opinião ao “sabor da maré” só por interesse, é o que mostra os nossos valores, a nossa frontalidade, a nossa verdade. Hoje em dia não devemos ter medo de ser a minoria discordante no meio da maioria concordante. Se acreditarmos que o que pensamos é o melhor, não devemos ter medo de dizer, de gritar a “plenos pulmões”. Os grandes feitos, seja da humanidade, seja os da nossa vida, só surgem quando combatemos pelos nossos ideais e não vamos contra os nossos valores.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 12 de abril de 2019.