Jornal da Praia

PUB

TECNOLÓGICA BRING ABRE PORTAS NA RUA DE JESUS

Segunda, 15 de Abril de 2019 em No Concelho 386 visualizações Partilhar

TECNOLÓGICA BRING ABRE PORTAS NA RUA DE JESUS

Já são 3 as tecnológicas instaladas na principal artéria da cidade da Praia da Vitória – a rua de Jesus – no âmbito do projeto Terceira Tech Island (TTI).

Depois da Glintt e da Infosistema, esta segunda-feira, 15 de abril, foi a vez da Bring abrir portas de novas instalações, em mais um edifício histórico do burgo praiense, no caso, as antigas instalações do Banco Comercial dos Açores e, mais recentemente, do BANIF.

No coração da cidade estão agora, 18 “Bringers” que desenvolvem projetos de “Know-How” tecnológico com impacto em mais de dois milhões de pessoas espalhadas pelo mundo, da Áustria à Jordânia. Destes 18 programadores, 16 foram recrutados no mercado local, depois da formação intensiva em programação informática ministrada pelo TTI através das “Start-Ups” parceiras: Academia de Código e ITUp.

Segundo Carlos Alves, CEO da Bring Global, pretende-se com este “espaço dedicado à transformação digital”, colocar a ilha Terceira e o projeto TTI no mapa, colocando os Açores na rota da digitalização global, fazendo-os estratégicos, tal como o foram na época da navegação à vela e, nos tempos da Guerra Fria, por razões militares.

Fundada há 7 anos, a Bring tem vindo a registar um crescimento assinalável vindo a espalhar-se por todo o mundo. É, pois, com natural confiança que Carlos Alves prevê o crescimento das novas instalações da Praia da Vitória. “Contamos duplicar esta equipa ao longo do próximo ano de atividade. Hoje, somos 18 pessoas, mas passaremos a 50, seguramente contribuindo para trazer dinamismo e digitalização à Terceira”, afirmou.

CRESCIMENTO ECONÓMICO

Por sua vez, Tibério Dinis, presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória (CMPV), salientou o contributo do projeto TTI na retoma do crescimento económico que se vive atualmente na Praia da Vitória, também devido ao setor do turismo e ao da construção civil.

“Os números do Terceira Tech Island falam por si: fixando, atualmente, na Praia da Vitória oito novas empresas e criando cerca de 100 postos de trabalho”, disse o edil. Outro exemplo da retoma económica que se verifica no Concelho, salientado por Tibério Dinis, são os números dos licenciamentos de obras particulares pela Câmara Municipal. “Em 2010, antes do downsizing da Base das Lajes, a Câmara Municipal da Praia da Vitória licenciava em média 200 obras particulares por ano, espelho da importância económica que o setor da construção civil desempenhava. Com o pico da crise em 2014 atingimos os valores mais baixos, com apenas 80 obras particulares licenciadas. Já em 2017 e 2018 voltamos a superar a marca das 200 obras particulares licenciadas. Agora em 2019, conta-se para já com 50 obras licenciadas no primeiro trimestre deste ano, sinal da economia estar bem e do investimento por parte das empresas”.

Ao nível do Turismo, o autarca praiense revela que em 2010, “o Concelho contava, apenas, com 30 mil dormidas por ano, enquanto que em 2017 e 2018 se registam números a rondar as 60 mil estadias na Praia da Vitória”, ambos os dados que revelam um “crescimento claro, alicerçado no trabalho do Governo Regional e das Autarquias, mas sobretudo dos empresários”, levando a uma viragem económica, sendo preciso continuar a trabalhar para “consolidar esses resultados e torná-los numa constante no nosso quotidiano”, assente na “inovação e criatividade”.

TTI A CRESCER

Já o vice-presidente do Governo, Sérgio Ávila, afirmou que o projeto TTI, idealizado há pouco mais de um ano, está a crescer rapidamente, com novas empresas de programação, com créditos firmados, a instalarem-se na Praia da Vitória.

O governante sublinhou que este ato simbólico de inauguração é muito mais do que isso, "é a confirmação de que estamos a mudar para melhor a vida de muitas pessoas".

“Particularmente, hoje é um dia de homenagear aqueles que tiveram a coragem, a determinação e a visão de acreditar no TTI’, vincou, referindo-se aos programadores formados e em formação no âmbito deste projeto, que garantem o essencial que as empresas procuram, ou seja, "a qualidade dos recursos humanos", elemento essencial na competitividade.

“Mas, se os resultados do primeiro ano superaram as nossas expectativas, vamo-nos concentrar no futuro”, afirmou, adiantando que estão em fase de conclusão de formação mais 44 programadores, de forma a dar resposta a novas empresas, e outros vão iniciar em breve o curso, "porque não queremos parar".

O Vice-Presidente referiu que, há pouco mais de um ano, quando foi criado este projeto, "nenhum de nós pensaria" que neste curto espaço de tempo estejam criados “mais de cem postos de trabalho e, particularmente, termos a convicção plena de que iremos criar mais centenas de postos de trabalho ao longo dos próximos tempos".

"Acho que fizemos a aposta certa, na estratégia correta, para que a Praia da Vitória, a Terceira e os Açores tenham um 'hub' tecnológico que possa, num espaço de tempo curto, anular a redução dos efeitos da redução na Base das Lajes’, salientou Sérgio Ávila.

GP-MPV/GaCS/FA/JP