Jornal da Praia

PUB

EUROPA AMEAÇADA

Segunda, 15 de Abril de 2019 em Opinião 92 visualizações Partilhar

EUROPA AMEAÇADA

Com inúmeros ‘comentadores improvisados’ das mais diversas áreas do saber político a preverem a saída do Reino Unido da União Europeia há meses, eu contradisse nos meus escritos essa saída a curto prazo. Fui mesmo mais longe e opinei de que um segundo referendo deveria revalidar o primeiro. “Impossível” - diziam-me. “Houve um referendo e há que respeitar isso.”

Não necessariamente, dizia eu. Aquilo não foi um referendo. Foi sim uma manobra muito bem  urdida por parte de vários grupos, a começar pelos próprios eurocéticos, que se servem da UE e do seu lugar de eleitos no parlamento europeu, para destruir o ideal europeu em si mesmo. Depois temos os outros. Os radicais de tudo e sem nada. Os nacionalistas, os fascistas, os comunistas. Não esquecer que em Portugal, o próprio Partido Comunista e o Bloco de Esquerda são contra a UE, tendo no entanto deputados europeus que vivem da sua própria situação antagónica.

O maior perigo contra esta União Europeia vem de dentro dela mesma. Alguns mesmo com a ajuda de outras potências como a Rússia e os EUA na presente conjuntura (Putin e Trump). Outros foram eleitos para corroer, como o caso de pseudodemocratas e ultranacionalistas convictos como Nigel Farage.  

Por outro lado, o antigo primeiro-ministro trabalhista Toni Blair afirma: “Se o Brexit está bloqueado, a única saída é um referendo”.

Também Gordon Brown acredita num segundo referendo ao Brexit, mas que é necessário arranjar uma forma mais eficaz de ouvir as pessoas. “Sempre disse que acho que vai acontecer um segundo referendo. Acredito que, no final, a situação tenha mudado desde 2016 e que as pessoas devem ser ouvidas...” e lembrando Churchill, disse: “decidiu ser indeciso, resolveu ser hesitante, inflexível à deriva, sólido pela fluidez e poderoso para ser impotente”. Segundo Brown, o mesmo se aplica ao Governo de Theresa May.

A vida é feita de escolhas, mas estas devem ser informadas e o neo-referendo feito em 2016 foi tudo menos informativo da verdade política e social num Reino Unido pós-Brexit. A manipulação dos que lideraram o processo de saída foi manifestamente contra os grandes interesses que impedem um divórcio fácil. A Grã Bretanha é demasiado importante para sair com um referendo obscuro, opaco e distorcido perante o povo e ainda por cima por uma margem mínima. Foram por demais controladas atitudes e opiniões do povo britânico, perante uma passividade incrédula do lado que pretende ficar na UE. Nunca acreditaram que o resultado fosse o que foi e quase não fizeram campanha eficiente perante o povo, a desmascarar todas as palhaçadas orquestradas por radicais e ultranacionalistas como Nigel Farage ou Boris Johnson.

Bruxelas aceitou a data de 31 de outubro próximo como data limite para que o Reino Unido diga, uma vez por todas, o que pretende.

Já depois deste acordo, a surpresa das surpresas vem agora revelar-se: Nigel Farage, um dos grandes incitadores de toda esta confusão, altera o discurso dizendo: "Chego a pensar que talvez, verdadeiramente, talvez pudéssemos organizar um segundo referendo sobre a permanência na UE. (...) Isso poria fim e de uma vez por todas a qualquer problema para uma geração".

O que vem ao encontro do que escrevi, contra as espetativas:

"A saída do Reino Unido a 29 de março, com as eleições europeias a 26 de maio, só pode fazer sentido, adiando o prazo dessa saída por alguns meses.

Adiar o prazo de saída, dará perfeita justificação a um segundo referendo.”

José Soares