Jornal da Praia

PUB

ALERTA A AST: TERMINAL DE “TRANSHIPMENT” DE CONTENTORES NO PORTO DA PRAIA PODERÁ LIMITAR A PRÁTICA DE DESPORTOS DE ONDAS

Quarta, 10 de Abril de 2019 em Atualidade 183 visualizações Partilhar

ALERTA A AST: TERMINAL DE “TRANSHIPMENT” DE CONTENTORES NO PORTO DA PRAIA PODERÁ LIMITAR A PRÁTICA DE DESPORTOS DE ONDAS

No âmbito da discussão pública do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) do projeto para construção de um terminal de "transhipment" de contentores e de um terminal multiusos no Porto da Praia da Vitória – que decorre até à próxima terça-feira, 16 de abril – a Associação de Surf da ilha Terceira (AST), liderada por Tiago Navega, emitiu um parecer onde manifesta-se preocupada com os constrangimentos relevantes que o projeto representa para o uso turístico e recreativo da baía da Praia da Vitória, nomeadamente, quando o EIA indica uma "diminuição do índice de agitação na generalidade da bacia portuária", o que sustentam, traduzir-se-á "num decréscimo/limitação da possibilidade do uso, e consequentemente, do valor socioeconómico deste troço costeiro, para a prática de desportos de ondas".

Segundo dizem, o EIA é omisso nos "impactes nos desportos de ondas que se praticam na baía" pelo que alertam que "a extensão do molhe sul em cerca de 180 metros, irá alterar significativamente e negativamente as condições da prática, condicionando todos os desportos de ondas na baía da Praia da Vitória". Para a AST, esta factualidade é contrária ao investimento realizado pelo Município da Praia da Vitória e do Governo Regional, na promoção do turismo e dos desportos de ondas no arquipélago. Fazem notar, que atualmente a Região Autónoma dos Açores "é reconhecida internacionalmente como um dos principais destinos de turismo sustentável, garantido condições de sustentabilidade para a prática de desportos de ondas durante todo o ano, sendo a baía da Praia da Vitória, o principal local da prática de Surf, no grupo central, no inverno, não havendo alternativas que a substituam".

A AST conclui que, “os impactes do projeto na qualidade da água, hidrodinamismo e dinâmica sedimentar, com implicações ao nível da poluição das zonas balneares, da alteração da agitação marítima e dos perfis das praias e fundos marinhos, respetivamente, conduzirão a constrangimentos relevantes no uso turístico e recreativo da baía da Praia da Vitória, durante a fase de construção (dragagens) e de exploração (operação), podendo representar limitações ao usufruto da baía por parte da população residente e visitante, com consequências económicas igualmente significativas”.

Alertam ainda, “que o projeto conduzirá a uma variedade de alterações de índole ambiental, que estão para além do uso social direto das águas da baía, como sejam, impactes na qualidade de habitas marinhos e suas espécies inerentes, tal como das espécies terrestres dependentes, nomeadamente a avifauna aquática”. Prosseguem chamando a atenção “que todos estes impactes terão indiretamente um peso social e económico, constituindo uma agressão à continuidade ecológica e biodiversidade da avifauna aquática das zonas húmidas da frente marítima do concelho da Praia da Vitória, contrariando a inversão positiva de recuperação dos espaços de visitação e interpretação ambiental dos pauis e de todos os investimentos públicos recentemente realizados para esse fim e com resultados ecológicos e sócio económicos benéficos e visíveis”.

Finalizam o parecer revelando-se favoráveis à adoção da solução alternativa apresentada no próprio estudo. “A alternativa ao projeto que consiste no prolongamento do atual cais de contentores até à cabeça do atual molhe, e que, comparativamente, não prevê o prolongamento do molhe sul nem a execução de dragagens, embora apresente uma capacidade de terraplanagem inferior à oferecida pelo projeto, apresenta menor impacte ambiental nos diversos descritores ambientais possíveis de serem afetados pelo projeto, pelo que nos parece muito mais favorável para todos os envolvidos e na defesa dos valores históricos e sócio económicos da baía da Praia da Vitória”.

JP