Jornal da Praia

PUB

FAMÍLIAS DO MUNDO CÃO

Segunda, 08 de Abril de 2019 em Opinião 258 visualizações Partilhar

FAMÍLIAS DO MUNDO CÃO

Na Venezuela, as mulheres estão em perigo. Os abortos caseiros multiplicam e com eles as infeções e mortes. O preço dos anticoncetivos é de tal forma caro que não deixa outra opção a quem não deseja trazer filhos ao mundo venezuelano atual.

A fome aumenta e com ela os crimes, a prostituição infantil, o tráfico humano e todos os problemas adjuntos à calamitosa situação política. O ditador Nicolás Maduro continua a enriquecer e a ter inúmeros familiares no governo, aos quais distribui cargos e benesses. A esposa, Cilia Flores, é procuradora-geral e foi presidente da Assembleia Nacional Venezuelana (nunca foi eleita).

Em Moçambique, para além do desastre ciclónico, as chuvas trataram de afogar uma parte de um país que continua a sofrer, agora com as doenças resultantes das precárias habitações e de todo um desastre que apenas esperava para o ser. Se olharmos para as imagens da cidade da Beira, vemos que os grandes edifícios ficaram de pé, intocáveis pelo desastre. A classe média e alta não sofreu. O que vemos são os restos das milhares de barracas da tabanca em redor da cidade. Choupanas e palhotas completamente desprovidas das mais básicas condições higiossanitárias. A cidade vivia com este anel degradado e podre à sua volta, perante a inércia dos responsáveis políticos. E pode argumentar-se de que essas populações vivem assim há séculos mas, não terão direito a melhores condições? Estão completamente expostas a uma permanente e viciosa pobreza económica e educativa, sem esperança à vista. Nas populações do mato interior, estas condições oferecem menos perigo e até maior sustentabilidade, com a agricultura praticada pelos próprios, o que lhes dá uma autossuficiência continuada e aceitável. O mesmo é impossível em cidades de grandes aglomerados, como o caso da cidade da Beira e outras grandes cidades africanas. Há muito que os políticos moçambicanos são acusados pelas oposições, de toda a espécie de corrupção, com inúmeros casos de nomeações familiares.

O Santuário de Fátima publicou um donativo de 15 mil euros para Moçambique. Para uma instituição religiosa com enormes recursos financeiros do povo e exceções fiscais de todos nós, não deixa de ser ridícula e vergonhosa. Só nos grandiosos portões de bronze da Basílica da Santíssima Trindade daquele Santuário, foi gasto o equivalente a este subsídio multiplicado por cem. Caridade Católica... Tudo, menos Cristã.

Com Paris a arder de colete amarelo aos sábados e Londres com dois anos de diarreia política entre comuns e lordes, Bruxelas mantendo o seu criminoso silêncio em relação aos presos políticos da Catalunha, pelo meio desta e doutras balbúrdias globais, o retângulo português está politicamente em brasa falsa, com o “enorme” problema criado pela oposição partidária dos familiares que governam o país.

São inúmeros os deputados por esse mundo fora - e em Estados de Direito democráticos - com laços familiares. De resto, é pura discriminação criticar alguém que tenha todas as capacidades de exercer um cargo público, desde que o faça com a transparência, integridade e eficiência exigidas. Em todos os casos mencionados pela oposição, nenhum cometeu, até agora, qualquer ato menos lícito ou rigoroso no desempenho das suas funções.

No Senado dos EUA, como na Câmara dos Representantes, não faltam familiares e desde sempre. O próprio presidente Kennedy tinha o irmão Robert como procurador-geral dos EUA e o outro irmão, Edward, toda a vida exerceu política (todos eleitos). Já o pai havia sido embaixador. A família Bush governou os Estados-Unidos (pai e filho) quase de seguida. Outro dos filhos foi governador do estado da Florida e continua em política ativa (todos eleitos).

Na Assembleia Regional dos Açores, Francisco César tem sido um dos deputados mais intervenientes em todas as sessões. Mais do que muitos outros da oposição ou do próprio governo, Francisco César está em permanente contacto com as questões mais atuais. Vamos criticá-lo por isso? Já alguém ouviu alguma luva escondida por César? Claro que não. E além de tudo foi eleito. Podemos discordar da Lei Eleitoral, mas essa é outra questão. Desde que cumpra o seu dever, a nós só interessa a intransigente defesa do interesse público. Não faltam ‘ovelhas negras’ e casos obscuros em políticos que nada tem de familiar senão uma fraca noção de servir a política com transparência.

Paulo Portas (CDS/PP). Alguém se lembra dele? Duarte Lima (PSD/PPD). Alguém se lembra dele? José Sócrates (PS). Alguém se lembra dele? E fico por aqui, para não cansar os leitores com uma longa lista.

A Oposição política portuguesa, tem tanto com que se preocupar, em vez destas futilidades. Mas se é apenas isto que sabe, então não merece governar.

José Soares