Jornal da Praia

PUB

COMEMORAÇÃO DA 100ª CRÓNICA NO JORNAL DA PRAIA

Quarta, 03 de Abril de 2019 em Opinião 1503 visualizações Partilhar

COMEMORAÇÃO DA 100ª CRÓNICA NO JORNAL DA PRAIA

Há exatas 100 crónicas atrás, a 25 de janeiro de 2013, publicava-se a minha 1ª crónica no Jornal da Praia, depois de passagem por outros jornais e revistas, sobretudo A União.

A 14 de julho de 2011, publiquei o meu 1º artigo num jornal terceirense e começava assim a minha participação ativa em imprensa local, nacional e internacional de uma forma recorrente. Esta 100ª crónica no Jornal da Praia é, ao mesmo tempo, a minha 260ª crónica desde que comecei há cerca de 7 anos e meio atrás.

Com umas pequenas participações em alguns artigos e apoio na investigação de 2 livros e da minha tese de mestrado, foi preciso escrever um artigo sobre o período pós-25 de abril de 1974 na Terceira, numa revista preparada por alunos do 12º ano da Escola Jerónimo Emiliano de Andrade, que procurava dar uma visão do século XX terceirense, que o meu nome passou a ser notado. Um mestre do jornalismo, Sr. Mário Leandro, ao ler o meu artigo, desafiou-me para escrever para a imprensa local. Assim, começou a minha colaboração com o diário A União.

O convite seria para escrever quinzenalmente por 6 meses, achava-se que a História iria cansar o público e que não ia ter a adesão de outras crónicas, com muitos leitores. Aceitei de imediato o desafio. Para a minha 1ª crónica, mergulhei na pesquisa, investigação e análise de informação. Neste 1º texto, falava sobre os 5 acontecimentos que considerava mais importantes para a História da Terceira. Nele procurei voltar sempre às minhas raízes de Historiador, a investigação, a busca por saber mais e de forma isenta e correta. Não ia ser mais uma crónica, queria que fosse um texto que levasse o leitor a saber mais e a querer procurar novas informações sobre aquilo que eu contava. Quis que a minha pesquisa isenta e atenta fossem os garantes da minha qualidade enquanto homem da investigação histórica.

Pouco tempo depois, a minha colaboração passou a outros meios da imprensa escrita. Recebia imensas críticas favoráveis aos meus textos, jovens que não liam e afirmavam que não queriam saber de História, chegavam junto a mim e diziam que adoravam os meus textos, que chegavam a fazer pesquisa na internet para saber mais. Era este o meu objetivo, escrever História de forma simples, que os leitores percebessem e, ao mesmo tempo, correta, com as informações mais recentes conhecidas sobre a personalidade/acontecimento/património.

Os meus textos procuravam ser acessíveis a todos, sem nunca descontextualizar, usando termos mais científicos, com outros mais simples, fazer as estórias da História chegar ao maior número de pessoas. Queria assim ensinar e mostrar que a História é mais interessante do que eles pensavam ou diziam. A História à nossa volta pode ser usada como um ponto para incentivar os alunos a se interessar pela História nacional e universal. É importante fazer o aluno sentir que faz parte de algo maior do que ele, que este pequeno pedaço de terra faz diferença a nível global. E sabemos que fez e faz.

Sem notar, naquele ano de 2011, atingi os 6 meses de crónicas e com cada vez mais leitores, que comentavam os textos no facebook, enviavam e-mails, pediam informações e até davam sugestões. Fui procurando conhecer e investigar estórias menos conhecidas da nossa História e mostrar que há muito mais do que aquilo que se ensinar. Fui, portanto, criando uma rede de leitores e de seguidores. A minha participação ativa nas redes sociais, na busca pelo conhecimento da nossa História, foi então ganhando força. Passei a fazer palestras, a dar entrevistas e a ter rúbricas nas rádios, tudo isso em nome da divulgação da nossa História e na procura de manter vivo o património deixado por todos os nossos antepassados.

A passagem para o Jornal da Praia deu-se naturalmente com o fim d’A União procurando trazer a público não só as estórias menos conhecidas da Praia da Vitória, como dar a conhecer a um maior número de pessoas, estórias muitas vezes mal contadas. Houve uma característica que nasceu nas minhas crónicas naturalmente e que hoje é uma marca minha, uma “identidade” da minha escrita, começar com Há exatos. Quando, uma certa vez, não usei esta expressão no início de uma crónica, recebi vários comentários, mensagens e e-mails a reclamar daquele texto histórico não começar como usualmente. Uns meses depois voltei a fazer o mesmo, as reclamações foram imensas. Foi aí que percebi, não posso mudar o início dos meus textos. O Há exatos já tinha os seus seguidores que gostavam dele, porque sabiam que era a minha identificação. Esta marca mantenho até hoje e está presente neste texto, como manda a tradição por mim criada.

O meu contributo no Jornal da Praia não se limita às crónicas, na página de facebook do Jornal, tento publicar diariamente efemérides daquele dia, procurando que sejam sobre História dos Açores, mas também existem várias datas comemorativas de acontecimentos a nível nacional e mundial. É uma forma de manter vivo o interesse dos leitores pela História e contar ou recontar momentos que muitos já se esqueceram e outros que nem sabiam.

A comemorar 100 crónicas no Jornal da Praia, perceber que contribuí para o interesse (espero) de mais gente pela História, não só da Praia da Vitória, mas também da Terceira e dos Açores, faz-me sentir orgulhoso deste percurso, nem sempre fácil, feito “de alma e coração”. O conhecimento do que nos rodeia é essencial para a nossa memória como pessoas, como povo, porque é a base da nossa Cultura, do nosso Património, do nosso ADN. Saber mais do nosso meio é abrir caminho para sermos melhores cidadãos e termos uma atitude mais ativa perante os problemas da nossa sociedade, sermos pró-ativos. Não nos sentarmos a reclamar de tudo e partirmos em busca de soluções.

Ao longo destes anos, aprendi imenso, não só pelo que investiguei e pesquisei, mas por tudo o que os leitores me deram, desde informação, conhecimento, passando por críticas, elogios, ideias, etc. Tudo isso ajudou-me a fazer mais e melhor: a ser quem sou hoje, a querer fazer mais e melhor, a querer deixar o meu contributo para o futuro.

Com esta marca de 100 crónicas no Jornal da Praia (260 no total), espero que continue a haver esta ligação entre mim e o leitor, e que venham mais estórias, mais personalidades, mais pesquisas, mais interesse de todos os que leem o que escrevo. E que as pessoas percebam que a História tem muito a ensinar e a transmitir a todos, que não é algo só do passado, é uma área que nos ensina o porquê do agora e que devia também servir de lição para não cometermos os mesmos erros. Eu dou o meu contributo e continuarei a fazê-lo. Em breve haverá novidades para mostrar a todos que o meu empenho na divulgação da História dos Açores é um pilar daquilo que sou, da minha personalidade, do meu eu.

A História de um povo é a sua maior riqueza, pois não pode ser roubada. Mantermos viva a memória do passado, é orgulharmo-nos do que fomos, do que somos e do que seremos. Não se esqueçam, a nossa História é feita por mim, por vós, por nós!

Obrigado por me acompanharem há tantas crónicas e desejo que estejam ao meu lado em muitas mais.

Francisco Miguel Nogueira  

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 541, de 22 de março de 2019.