Jornal da Praia

PUB

VIAGEM SOCIOLÓGICA

Terça, 02 de Abril de 2019 em Opinião 99 visualizações Partilhar

VIAGEM SOCIOLÓGICA

Sabem aquela sensação sociológica que se tem quando vamos viajar? Aquela mistura de cheiros, olhares, sons… aquela observação atenta e intensa do outro ser humano, do ambiente que nos envolve e do que nos conduziu até esse momento?

Sinto-me um grão de areia quando vou viajar. Salto, leve e carnuda, por entre as ondas sonoras da música que me embala e me absorve no instante presente. Observo as pessoas que comigo esperam na porta de embarque e, atenta, escuto os seus silêncios traídos.

À minha volta todos diferentes, uns vestidos com roupa mais formal, fato e gravata, outros mais informais. Uns partem para férias, outros estão de férias a trabalhar… Alguns irão de viagem por assuntos relacionados com saúde (consultas médicas), outros para desfrutar do ócio, como por exemplo, fazer compras no centro comercial. No meu caso, vou para aprender, também para passear e ver alguns amigos. Esta é a minha 11ª viagem de um ciclo de 12, que compõem as linhas de um bordado muito especial: uma pós-graduação deveras desejada e com a qual tenho aprendido pessoal e profundamente.

Vejo pessoas aceleradas e impacientes. Observo também algumas pessoas divertidas, em conversa, outras a lutar contra a espada do sono…subtilmente também consigo ver pessoas manipuladoras, que tentam ousadamente passar à frente de outras.

Quanto a mim, cá estou sentada “à chinês” na minha cadeira, lendo o meu livro, acompanhada pela música de “Eddie Vedder”. Nos intervalos e vírgulas, imagino a vida de cada uma destas pessoas e revejo a minha.

Encontro-me já sentada no meu lugar à janela do avião quando repentinamente sou tocada pela motivação. Quero escrever! Grande parte da minha vida (nos momentos de maior intensidade), passei-a a escrever.

Sabe-me tão bem estas viagens interiores, dentro de mim. O levantar voo ajuda-me a apanhar balanço para agarrar as asas das nuvens e nessa dança inventar sonhos, escrever projetos e antecipar desafios.

Chegada a Lisboa, dirijo-me à estação de metro e, ainda antes disso, vejo milhares de seres humanos, que autónoma e automaticamente caminham no mesmo espaço. Parecemos máquinas, descuidadas e pouco empáticas umas com as outras, tal é a pressa de chegar ao nosso destino (ou a lado nenhum). Gosto deste frenesim característico de um aeroporto como o da Capital. Há uns tempos atrás, detestava a hiperestimulação desse ambiente: as lojas, as distâncias longas, os tapetes brutos de receção das malas… tanta gente a andar em direções opostas, uma confusão!

Hoje, já integrei essas sensações no meu repertório de memórias e sei que essas peças fazem parte do puzzle final. Agora dá-me um gozo enorme passar por esses estímulos e não me deixar tocar por eles de forma negativa, mas sim neutra.

Agarro a minha mala e lá vou eu para a rampa da direita pois é para esse lado que fica o metro. Cruzo-me com o odor característico de Lisboa e também essa viagem me mostra a diversidade de pessoas, de estilos, de oportunidades, de decisões, de vidas!

É tão bom viajar no meio dos outros e dentro de nós. Meditar por exemplo, prestar atenção ao mundo e ao modo como reagimos e como podemos alterar os nossos padrões de pensamento e comportamento.

Vestimos diferentes moradas e quando compreendemos que há vidas tão difíceis, pessoas tão perdidas à espera de serem encontradas e acarinhadas (quanto mais não seja com um “bom dia!” ou “boa noite!”) construímos um encadeamento diferente e quebramos com o ciclo de invisibilidade que sentimos entre nós (e para o qual somos mecanicamente atraídos).

Por vezes, um cumprimento “social” faz toda a diferença no desenrolar do dia de alguém e no nosso, sem dúvida, que também! No fundo, estamos todos cá em viagem, de passagem, à procura de nos sentirmos mais enraizados, felizes, completos e “iguais” junto dos nossos semelhantes.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 541, de 22 de março de 2019.