Jornal da Praia

PUB

ANTES MORRER LIVRES, QUE PORTUGUESES SUJEITOS

Segunda, 01 de Abril de 2019 em Opinião 158 visualizações Partilhar

ANTES MORRER LIVRES, QUE PORTUGUESES SUJEITOS

Parece que o caso vergonhoso da Catalunha, onde prisioneiros há mais de um ano se encontram detidos por delito de opinião, tem inspirado a política portuguesa a fazer o mesmo com as suas últimas possessões coloniais - Açores e Madeira.

Embora com estatutos próprios de autonomia e governo próprio, as duas Regiões Autónomas continuam a sofrer pelo silêncio, de uma astuta manobra de nova colonização por parte do centralismo português.

O nosso grito só pode ser permanente e isto só para manter, a custo, o que já temos.

A Constituição portuguesa não pode assegurar o atual estatuto, dado que de um momento para o outro, tudo nos pode ser retirado sem que tenhamos qualquer ajuda externa ou qualquer instituição internacional que nos defenda. Basta vermos o que vai pelas Espanhas, com o resto do mundo calado e surdo, perante os gritos dos que estão presos há mais de um ano, apenas por terem praticado em suposta liberdade democrática as suas opiniões políticas. Nem os milhões de pessoas nas ruas a protestarem se fazem ouvir pelas instâncias internacionais.

Bruxelas com a sua União Europeia, ou a ONU repleta de incapacidades, nenhum deles até agora abriu o bico contra as inúmeras infrações políticas e atentados aos Direitos Humanos cometidas por Madrid.

E como se viu, nem a mudança de governo de direita para um de esquerda em Castela, solucionou o crime. Os políticos catalães continuam presos, sem julgamento à vista. Afinal, as repúblicas internacionais, dão grande atenção e poder às monarquias...!

As autonomias político-administrativas dos Açores e Madeira são geridas por Portugal com pinças colonialistas; Com mentalidade retrógrada de poder absoluto, possessivo em demasia para os tempos que correm; Por políticos que rejeitam ver ou, sequer, admitir a existência de povos adjacentes, arquipelágicos, tão periféricos como Cabo Verde ou São Tomé e Príncipe, que igualmente foram povoados por diversas gentes sob a iniciativa portuguesa e aos quais lhes foi conferida - ou arrancada - a liberdade de serem independentes.

Com estes exemplos, cairiam por terra os argumentos de que o Açores e a Madeira são economicamente insustentáveis para serem independentes. Então e aqueles?

Mas certamente que não é pela insustentabilidade financeira que Portugal teima em algemar os Açores e a Madeira.

Os interesses são económicos. Com o maior Hidrotório da Europa, os Açores são uma imensa valia para Portugal. São a única moeda de troca que lhes resta para terem alguma atenção em acordos internacionais. E veja-se o último contrato: Santa Maria e a sua base de satélites.

Por outro lado, assistimos a um repovoamento forçado e silencioso da enorme vaga de emigração portuguesa para os Açores por funcionários públicos nas diferentes valências profissionais. Desde professores às finanças, passando pelas forças militarizadas, cujos comandos raramente são nativos açóricos. Forma subtil de submissão colonial aos interesses do poder, com o permanente cão-de-guarda (governador de vários nomes) em constante vigilância do rebanho, perante algum desvario constitucional.

Esta é a situação, por mais camuflada que a tentem pintar.

A frase de Ciprião de Figueiredo “Antes Morrer Livres, Que Em Paz Sujeitos”, só pode ser alterada para: “Antes Morrer Livres, Que Portugueses Sujeitos”.

Ou somos portugueses iguais, ou teremos o maior prazer em deixar de o ser.

José Soares