Jornal da Praia

PUB

REFORMAR AS MENTALIDADES

Segunda, 01 de Abril de 2019 em Opinião 157 visualizações Partilhar

REFORMAR AS MENTALIDADES

Desde os tempos mais remotos, as mudanças do Homem foram morosas e, nalguns casos, as ideias filosóficas e políticas não tiveram uma gestação pacífica ou abortaram nos seus desígnios, alguns deles de reconhecida nobreza e solidariedade. A História é por demais pródiga em ensinamentos. Bastaria recordar a grande revolução operada pelas descobertas portuguesas de Quinhentos, ou o cataclismo ideológico e o consequente ruir dos regimes socialistas a leste do nosso europeu.

Tanto o que se passou, há cinco séculos, como o que se está a viver desde o final do século XX e no começo deste em que vivemos, a transformação social tem sido objecto de estudos aprofundados e de inúmeros debates em simpósios, congressos e cimeiras de alto nível.

As afinidades são bem visíveis entre os dois períodos da vida do Homem neste planeta azul, cada vez mais ameaçado pela fome, a injustiça, o fanatismo dos mais diversos tipos, e a poluição dos recursos hídricos em grande escala em terra e nos mares, geradora de preocupantes problemas ambientais, que assumirão a curto e médio prazo desastres incalculáveis, se não houver uma profunda e imprescindível mudança de mentalidades.

Para quem tenha lido atentamente as obras de Alvin Toffler «O Choque do Futuro», «A Terceira Vaga» e Os Novos Poderes, terá ficado perturbado, angustiado, mas ao mesmo tempo esperançado num mundo que, sendo diferente, irá rebentar com as amarras dos velhos dogmas e princípios estruturantes de uma sociedade, em vertiginosa mutação, como já no século XVI os poetas haviam anunciado com laivos proféticos, junto dos seus contemporâneos.

Para nós que habitamos em ilhas e nos conhecemos, razoavelmente, uns aos outros, não sentimos tanto o valor inestimável das mudanças dos comportamentos que exigem à partida alterações nas maneiras de pensar e agir. Os acontecimentos do mundo nunca estiveram tão acessíveis e interdependentes. A isso nos impelem os grandes meios de informação, fornecendo imagens e sons que nos chegam, hora a hora, e até minuto a minuto.

JUVENTUDE PEDRA ANGULAR

Coluna vertebral dessa mutação a que estamos, inexoravelmente, sujeitos são as crianças e, sobretudo, os jovens. Contra os lugares-comuns derrotistas em que os segundos são vistos como sendo abúlicos, ineptos, parasitas, drogados, por gente até com responsabilidades sociais e culturais, felizmente surgem desmentidos fortes e convincentes. Afinal, a juventude quando a deixam agir, dando-lhe os meios adequados à sua realização pessoal e académica, ela opera verdadeiras maravilhas. Algumas das suas iniciativas são capazes de impressionar a comunidade, galvanizar e atrair os adultos mais renitentes ou cépticos em relação à inovação, criatividade e originalidade. Como exemplos elucidativos dessas capacidades bastaria enumerar os resultados de actividades das nossas escolas, feitas com assinalável êxito e nem sempre divulgadas como mereciam e seria desejável. E não com a obsessão de rankings que são muito polémicos e não traduzem as profundas realidades do ensino.

Sem o empenho da comunidade e divulgação das realizações juvenis é difícil a motivação/estímulo para futuros projectos. A comunicação social também tem um papel relevante a desempenhar. A preservação da nossa cultura e das tradições merecem-no, assim como os trabalhos bastante interessantes dos nossos estudantes. É preciso dignificá-los e promovê-los não só nas vertentes etnográfica, histórica, artística, geográfica, mas sobretudo noutras áreas científicas, onde há ainda muito a fazer no domínio da investigação e divulgação dos conhecimentos.

A Filosofia tem de ser revalorizada, porque é ela o cimento que unifica os saberes, conferindo-lhes um cunho humano que deve presidir a toda a investigação e a toda a cultura. Sem essa revalorização corre-se o risco de perder-se a essência a favor do supérfluo, como já está a acontecer abundantemente nos nossos dias com futilidades que alienam e estupidificam em vez de promover o Homem no seu desenvolvimento integral, contribuindo para a felicidade por ele almejada.

O endeusamento da tecnologia em detrimento das ciências humanas é uma aberração. A nossa língua está a adoptar um léxico eivado de termos oriundos da tecnocracia e do mundo da finança, no qual o humanismo faz figura de desertor. A Europa dos défices e dos negócios, não serve os cidadãos e se não se acautelar e reformar, ficará em perigo a nossa identidade nacional e os valores humanitários que fizeram a grandeza da cultura portuguesa europeia e ocidental. Não interessa um futuro globalizado, desregulado e robotizado.

Reformar as mentalidades não é, pois, abdicar da inteligência humana (a favor da artificial,) nem abandonar o espírito crítico, as duas mais excelsas ferramentas do espírito humano. Muito menos, prostrar-nos diante do atomismo das ciências e das tecnologias em atitude de triste submissão. O ser humano não deve consentir nem aceitar ser joguete dos seus inventos, tornando-se vítima deles. A luta pelo desarmamento nuclear é um sinal positivo que deve ser incrementado e consolidado.

A escola cultural, aberta à comunidade e atenta ao rumo do mundo, é uma imperiosa necessidade, que poderá debelar ou reduzir muitos dos anseios relativos às futuras vivências no nosso planeta, tão ameaçado por vários fenómenos que hoje muito nos atormentam. Mas essa escola só conseguirá os seus objectivos, se for alicerçada na competência, no mérito e na exigência, devendo os cursos ser dignificados e os professores considerados e não enxovalhados, como temos visto ultimamente, pelo governo minoritário e autocrático do Partido Socialista.

Com agentes de ensino em greve e alunos desmotivados, tudo fica comprometido. A menos que se queira uma escola de facilitismo e folclorismo, apenas para fazer subir as estatísticas oficiais internas e externas, designadamente na União Europeia.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 541, de 22 de março de 2019.