Jornal da Praia

PUB

DE UM LIVRO A UMA HOMENAGEM

Quinta, 28 de Março de 2019 em Opinião 391 visualizações Partilhar

DE UM LIVRO A UMA HOMENAGEM

Há vários anos que leio todos os livros que Onésimo Teotónio Almeida vai publicando. Neste momento vou a mais de meio de O Século dos Prodígios que lhe valeu o Prémio Gulbenkian História da Presença de Portugal no Mundo, da Academia Portuguesa de História. Tem sido uma leitura que me tem permitido aprender imenso sobre coisas de que sabia tão pouco como, por exemplo, o valor dado à experiência pelos homens ligados às Descobertas. Eu tenho ideia de ver, há um bom par de anos, uma grande exposição sobre as nossas viagens de Quinhentos em que os guias repetiam com insistência que não tinham sido “uma aventura” (um bando de maluquinhos que se lança para o desconhecido), mas uma empresa baseada/acompanhada de muita investigação, estudo e acumulação de conhecimentos, coisa que o referido livro mostra à saciedade.

O Século dos Prodígios é fruto de um aturado trabalho de investigação: leitura atenta, anotada, pensada e comparada de imensa bibliografia. Nada é afirmado sem ser fundamentado em textos, de tal modo que as relações, as comparações, ilações e conclusões tiradas pelo autor são credíveis; para quem tiver dúvidas o livro apresenta as referências necessárias para ir às fontes. Trata-se de um trabalho aturadíssimo só possível por quem possui um conjunto de qualidades pouco habituais entre nós, tais como uma inteligência e memória excepcionais e a capacidade de fazer um investimento de tempo imenso, horas e horas de leitura atenta de textos que para muitos podem apresentar-se como massudos, mas para o autor, leitor compulsivo, é um trabalho feito pelo gosto de ler e saber. Um livro como O Século dos Prodígios só está ao alcance de uma pessoa capaz de estar sentada horas e horas sem se cansar. Este facto trouxe-me à memória uma estória passada em 1972 ou 73.

Eu devia estar no 2º ou 3º ano de Faculdade. Os professores eram quase todos padres jesuítas com formação feita no estrangeiro, alguns na Alemanha. Estava num corredor da Faculdade a conversar com dois colegas, já não sei sobre quê, e um deles, devia vir a propósito, comentou: “os alemães dizem que nós, os portugueses, só temos cu”. Mal a frase terminou olhei para o lado e vi o velho Cassino Abranches que, tal como eu, tinha ouvido bem, porque disparou logo: “os alemães estão enganados, o que nos falta é cu!” Ficámos atrapalhados a olhar para o Professor, um velho padre jesuíta com cerca de 80 anos lucidíssimos. E ele continuou: “o que nos falta é cu para nos sentarmos horas a fio a estudar e a trabalhar! É por isso que normalmente não vamos muito longe.”

Atendendo ao que disse acima sobre O Século dos Prodígios, o seu autor tem uma das qualidades que o meu professor considerava indispensável para produzir obra com valor.

Cassiano Abranches (1896-1983), figura fundamental da Faculdade de Filosofia de Braga, frequentou a Universidade de Lovaina, onde foi aluno do célebre tomista Joseph Maréchal que lhe deu a ler ainda em manuscrito o quinto dos seus célebres Cahiers: Le point de départ de la métaphysique. Regressado a Portugal, colocado na Faculdade, foi tal a sua influência que acabou por mudar a orientação da Escola. Fui seu aluno em Filosofia da Religião, mais concretamente em Teodiceia; era um dialecta tremendo. Chegava à sala para dar a aula, sentava-se e começava a exposição. Se o ambiente ficava muito silencioso e lhe parecia que os alunos estavam distraídos, dizia algo que fosse filosoficamente contestável; se ninguém reagia, zangava-se, zanga que podia ir até ao murro na mesa. Se, pelo contrário, alguém respondia à provocação, o resto da aula era uma discussão pegada porque ele, quer estivesse ou não de acordo com a opinião do aluno, defendia com unhas e dentes a posição contrária, para testar a sua capacidade de argumentação.

Nas orais era uma festa, pelo menos no meu tempo. Na altura o seu assistente era Francisco Soares Gomes, jovem jesuíta acabado de chegar da Alemanha onde se tinha doutorado, e que estava a léguas do tomismo pessoalmente assimilado pelo catedrático. A habilidade do aluno consistia em dar uma resposta à primeira questão proposta pelo Catedrático que levasse à intervenção do assistente. Era certo e sabido que a partir daí os dois entravam numa discussão, normalmente acesa, que durava quase todo o tempo estipulado para a oral, os alunos só tinham de ir alimentando a guerra dos argumentos. Foi o que fiz no meu exame, e tive boa nota.

Braga, Fevereiro de 2019

José Henrique Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 541, de 22 de março de 2019