Jornal da Praia

PUB

O MEU NOKIA 3310

Terça, 26 de Março de 2019 em Opinião 417 visualizações Partilhar

O MEU NOKIA 3310

Hoje escrevo-vos sobre um assunto que me deixa curiosa e ao mesmo tempo assustada. Refiro-me ao uso das tecnologias, mais especificamente dos telemóveis atuais, aqueles que têm de tudo incorporado, desde jogos, redes sociais, máquina fotográfica, GPS, e tanto mais que me escapa.

O meu primeiro telemóvel foi um sagem, daqueles cinzentos escuros, pequenos e gordinhos, com uma antena que parecia uma crisálida de bicho da seda. Tinha 14 anos e andava no 9º ano de escolaridade. Fiquei tão feliz com o meu 1º telemóvel que andei com fita cola envolta do seu corpinho quando tudo e todos me diziam que ele já não estava capaz, tentando, com essa roupagem diferente, uma ténue esperança de que funcionasse mais uns anos. Não recordo quanto, mas ainda andei assim com ele, e ele comigo, durante uns tempos e ele resistiu a algumas intempéries, até que o suspiro final sempre chegou. Depois desse, tive um nokia azul 3310 e depois a saga continuou, porque depois de ter o primeiro não sabemos viver sem o próximo.

Atualmente, o meu telemóvel é um bonito nokia 3310, amarelo, leve, estreito e, para onde quer que vá, é um divertimento. Não só porque toda a gente interage comigo por causa dele (desde colegas de trabalho, amigos e até um vendedor da Fnac, em Lisboa, que pediu logo para pegar nele ao colo e dar-lhe festinhas). Sim, é mais ou menos esta a analogia, o meu nokia atrai as pessoas, o seu melhor, os sorrisos, o instinto maternal e paternal. É um simples telemóvel, tal como todos os outros que tive até hoje. Simples, leves e funcionais. Para mim, a funcionalidade resume-se a fazer e receber chamadas, conseguir tirar umas fotos em determinadas situações em que não tenha a máquina fotográfica comigo, ouvir umas músicas em viagens longas, ter uma calculadora e um cronómetro (muito importantes para uma determinada função do meu trabalho que implica avaliação e cotação) e um despertador para acordar de manhã ou para me alertar para alguma situação imprevisível (que fuja da minha rotina e que a tendência ao esquecimento seja provável).

O meu nokia 3310, respeita a minha espécie animal, não me vicia de modo a estar numa mesa rodeada de pessoas agarrada ao facebook ou ao youtube ou a tirar fotos com efeitos e máscaras…O meu telemóvel normalmente está em silêncio porque efetivamente eu prezo muito o anonimato. Não gosto de estar a fazer algo ou estar com alguém e de repente ser interrompida pelos gritos histéricos de uma máquina.

Estamos sempre ligados às máquinas… Os telemóveis são obsoletos e estão sempre em evolução. O problema, para mim, é que nessa evolução as relações interpessoais tornam-se cada vez artificiais, superficiais e distantes. As pessoas falam mais dos eventos e das fotos do facebook (e de outras redes sociais da internet) do que umas com as outras. Já não há convites presenciais, mas sim digitais. Acho muito bem que se reduza no papel e que se use os benefícios da internet, mas acho um exagero a vida humana se cingir à volta de uma máquina, que conforme ironizei anteriormente, não deve ser sobrevalorizada, não deve ditar os nossos momentos e não deve confundir as nossas escolhas.

Estamos a educar as nossas crianças neste sistema e o exemplo que lhes damos é o de facilitismo (está tudo no google, na internet, todas as dúvidas e anseios têm solução no mundo virtual), egoísmo e automatismo. Esquecemo-nos de ser mais emocionais, de contar as histórias das nossas gentes, de dar o nosso exemplo pessoal. Somos negligentes, permitindo o acesso a jogos como o GTA, sem supervisão; o navegar em sites de pornografia, violência e o recorrer a jogos de suicídio coletivo (ex. Baleia Azul).

Confesso-vos que fico triste quando vejo famílias à mesa, na hora da refeição (sempre ouvi dizer que a hora da refeição é sagrada), como se fossem robôs. Cada um acompanhado do seu viciozinho: o tablet, no caso das crianças, e telemóveis smartphones nas mãos dos pais. Cada um no seu ecrã, isolados do mundo real que é o estarmos aqui e agora. Amanhã, quiçá…

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 540, de 08 de março de 2019.