Jornal da Praia

PUB

PARTICIPAR NO NOSSO FUTURO

Segunda, 25 de Março de 2019 em Opinião 431 visualizações Partilhar

PARTICIPAR NO NOSSO FUTURO

Muitas têm sido as ocasiões em que apetece-nos vestir um gibão de misantropo e fugir desta luta existencial, tantas vezes inglória. E isto porque a mediocridade, as invejas, a mesquinhez, presunção e ignorância de alguns levam ao cepticismo e ao desânimo aqueles que agem com palavras e actos, ou criticam com autoridade e pertinência.

As nossas ilhas têm sido alfobre de grandes espíritos e são estes que honram e universalizam os nossos valores, as nossas tradições e toda a cultura e história de um povo. Os detractores, os zoilos, os despeitados, os frustrados e os presumidos carcomidos pelas vaidades, que ostentam títulos ou diplomas falsos abundam entre nós. Em vez de se cultivarem para não dizerem tantas asneiras, preferem vir mordiscar em pequenas reuniões aqueles que pretendem apenas exercer a cidadania e valorizar a sua terra, trabalhando em paz, não aceitando lições de gente com deficiente informação sobre a nossa realidade, mas querendo vir passar atestados de menoridade ou incompetência aos que optaram por permanecer ou voltar às origens com prejuízos pessoais.

Os Açores, hoje, não precisam do paternalismo de espíritos ávidos só de ambição e de protagonismo infantil para conseguirem um lugar ao Sol por estas e outras bandas, chegando ao cúmulo do desplante de marginalizarem os que aqui lhe deram guarida, em tempos idos, e aqui trabalham pela nossa terra. Como se eles tivessem nascido já génios sapientíssimos, e a evolução, o progresso e os seus talentos fossem apanágio deles, os únicos a merecer reinar à superfície do planeta.

O ostracismo de há décadas e o atraso vão sendo combatidos, graças ao pertinaz e constante empenhamento dos que aqui dão a cara, pagando não poucas vezes uma pesada factura de arrelias e incompreensões. Por isso, não permitimos que nos venham tutelar ou ocupar lugares ou posições dirigistas, como se ainda estivéssemos no tempo do miserabilismo saudosista e pelintra das décadas do pé descalço, que os mais velhos conheceram.

O arquipélago açoriano tem sido sacudido por ventos benfazejos. Poderíamos enumerar alguns: crescimento do número de publicações regionais, nacionais e estrangeiras entre nós; intercâmbios artísticos, histórico-culturais, científicos, sobretudo da Universidade dos Açores; a existência de múltiplos canais de comunicação de rádio, televisão, internet, e as inúmeras plataformas digitais fazem-nos sentir mais perto como cidadãos do mundo e do futuro que aí vem.

Contudo, isso que está a acontecer não nos deve impedir do necessário trabalho de manutenção e reabilitação da nossa identidade, dos nossos padrões culturais enraizados, há seis séculos, nestes rochedos atlânticos, e que constituem a génese da nossa identidade. Se não o fizermos, ficaremos com registo de umas pequenas notas de rodapé numa página da história do nosso tempo. É o que já se faz já há vários anos no ensino com projectos da área- escola, visando inserir realidades do meio físico e social numa reflexão constante com a aprendizagem de diversas disciplinas do saber.

Esta nova estruturação exige uma enriquecedora interdisciplinaridade e uma nova mentalidade em que todos se sintam felizes, úteis. As reformas não serão viáveis se não houver uma adesão, entusiasmo e criatividade dos diferentes agentes sociais. A participação tem de ser de todos com a consequente distribuição de tarefas e responsabilidades. Os jovens de muitas escolas estão, felizmente, a dar lições aos adultos.

Esta sementeira é ainda problemática, se não forem resolvidas com urgência problemas como a revalorização dos cursos, a formação dos docentes, a dignificação das suas condições de trabalho e salariais, o estreitamento das relações entre as escolas e as empresas e demais actividades do mundo laboral, a necessária orientação profissional de acordo com as apetências dos jovens, e não arrastados para escolas profissionais não adequadas, devido a incapacidades das universidades e institutos, por vezes agravadas por um complexo de novo-riquismo de todos serem «doutores» e «engenheiros».

Fala-se muito em mudar a face das ilhas, quase todas em crescente processo de desertificação, mas é preciso rendibilizar os enormes investimentos das importantes infraestruturas da fase inicial da autonomia das ilhas. Só que isto não pode ser exclusivo de uma ilha, com está a ver-se, cada vez mais, o que não augura nada de bom para o nosso futuro.

Todos os açorianos residentes são poucos para se darem ao luxo de cruzarem os braços ou deixarem a resolução dos nossos problemas e dos nossos destinos aos tecnocratas da União Europeia ou aos saudosistas nacionais do passado. Isto é muito grave e não pode ficar à mercê apenas dos partidos. Ninguém pode eximir-se aos deveres de cidadão responsável e de participação actuante. Cada um no seu posto terá de dar o seu melhor para a construção de uma sociedade mais justa, fraterna e feliz nesta zona do Atlântico, contrariando o rumo seguido, numa visível traição aos ideais de Abril de 1974 e à Autonomia, que a democracia nos trouxe e seduziu nos seus primórdios. Bastará consultar os jornais e os livros que foram publicados sobre esta temática. É o que venho fazendo aqui neste quinzenário desde 1990, e no meu livro «Varanda de Paris», que retrata a saga da nossa autonomia (então já escrita com minúscula), como bem sabem os que já leram o livro.

Os Açorianos, com maiúscula, precisam de interessar-se, sair do seu comodismo e da sua apatia, dando uma lição de cidadania e de maturidade política. Essa lição chama-se exigência inteligente, o que implica atenção, reflexão e o contributo activo de cada um e de todos os eleitores. Estes como mandatários dos eleitos ficam sujeitos às decisões destes, assumindo enormes responsabilidades individuais na escolha dos deputados e, simultaneamente, na gestão do nosso futuro colectivo.

Sem uma adequada informação não se pode participar, conscientemente, na vida da comunidade, nem ficar a leste dos problemas que enfrentamos. Com tal atitude perdemos toda a razão de contestar ou reclamar, e damos força ao «statu quo» vigente, pactuando com eventuais directrizes que não nos interessa prosseguir em prol do desenvolvimento de todas as ilhas. Não sendo possível mudar subitamente as mentalidades, acabe-se com os embustes e os sistemáticos ataques a esta anémica autonomia, e preparemo-nos para novos tempos de mudança. O nosso voto deve ser dado a quem o merece. Em caso de dúvida, vote-se em branco. É mais sensato. Não se deixe o eleitor levar pelos caciques locais e pelo «voto útil» uma grosseira forma de prostituir as consciências e que contraria um acto que deve ser sério e secreto, como impõe a lei.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 540, de 08 de março de 2019.