Jornal da Praia

PUB

PELOS AÇORES… TER RAZÂO! A FORÇA DA VERDADE…

Quinta, 21 de Março de 2019 em Opinião 89 visualizações Partilhar

PELOS AÇORES… TER RAZÂO! A FORÇA DA VERDADE…

Terminamos o nosso último texto de “Opinião” em referência aos “Resquícios de uma Reflexão” também matéria de “opinião”, prometendo considerar a partir do presente, os diversos temas que descobrimos nas matérias que reflectimos e que não deixarão de, durante este 2019 ter fortes repercussões sociais e políticas nos Açores. Temos as próximas Eleições para o Parlamento Europeu, para a Assembleia Legislativa Portuguesa, bem assim os temas escaldantes que se têm vindo a apreciar com a exploração dos Açores no seu todo como uma Região Atlântica quase isolada dos Continentes que constituem o planeta “Terra” mas, que tem sido cobiçada por diversos “senhores” que com o concluo do governo centralista de Lisboa tal “bolsa de negócios”, têm vindo durante os últimos tempos descobrindo o “Quanto Valem os Açores”.

É vê-los na azáfama no “lufa-lufa, no corre-corre” dos DDT, Primeiro-Ministro. Ministra do Mar e outras quejandos fazendo-nos lembrar os “caixeiros viajantes” de anos passados.

 “Razão” a razão pode significar a causa ou o motivo de uma acção, de uma atitude da defesa de um ponto de vista. Para muitos filósofos, a razão é a capacidade moral e intelectual dos seres humanos e também a propriedade ou qualidade primordial das próprias coisas. Do filósofo Blaise Pascal recordamos a frase “O coração tem razões que a própria razão desconhece”, dizem-nos as enciclopédias que a palavra “razão” tem dois significados, enquanto “razões” são as emoções do coração, “razão” é a consciência intelectual e moral da percepção das coisas. Daí “pelos Açores… ter Razão”. Aqui Açores para nós é igual a Povo. Este Povo que tem emoções… que tem um grande coração.  Mas que, ainda não trouxe à acção de cidadania activa, a “Força da Verdade” traduzido na faculdade de operar, de executar, de mover, o exercício da “Verdade” no desejo da investigação do seu verdadeiro significado. Esquecemo-nos uma das nossas características como seres humanos deve ser sempre a busca pela “verdade” destingir o verdadeiro do falso. Não nos esqueçamos que a procura por ela, surgiu logo na infância com os “porquês” e que, hoje, numa sociedade onde numa das partes importantes da sua pirâmide onde instalado o poder político-económico-financeiro, estão os mais competentes malabaristas da “mentira concertada”

Um dos acontecimentos políticos de grande importância no Continente Europeu, serão as eleições para o Parlamento de seu nome, participando 27 Estados membros a realizar em Portugal no próximo dia 26 de Maio em 27 Estados membros (já sem a participação do Reino Unido) para o qual, serão eleitos 705 deputados mantendo Portugal os 21 assentos que tem na actual legislatura.

Entretanto, registe-se: De conformidade com a Comissão Nacional de Eleições, no que toca ao sistema eleitoral, para as Eleições em questão, são aplicáveis, com algumas adaptações, as regras definidas para a Assembleia da República, destacando-se 4 pontos

  1. todo o território nacional constitui um único círculo eleitoral;
  2. refere o nº de deputados a eleger
  3. a extensão da capacidade eleitoral activa aos cidadãos da União Europeia residentes em território nacional ……..
  4. do recenseamento eleitoral português, residentes fora do território nacional,….

É do primeiro que nos apraz refilar porque, tira toda a possibilidade de nós açorianos realizarmo-nos como pessoas livres de escolher os nossos representantes e isto porque  ainda não conseguimos libertar-nos de uma tutela “criminosa” no que concerne à criação de partidos açorianos e madeirenses (Regionais, Independentistas, Separatistas) ou como os queiram denominar, porque sujeitos a uma Constituição que não respeita o que chamam de Estado Democrático e subscritor dos Direitos Humanos.

Preparemo-nos para assistir a uns shows, onde os senhores se dizem donos absolutos da “verdade” política, farão de autênticas “primas-donas” de uma “ópera bufa” aplaudida por um público composto por indigentes que, de mão estendida, espera receber umas “prebendas” futuras.

Ao coro dos já conhecidos arengadores de promessas, teremos mais um que ainda mal conhecemos de nome “aliança”, cujo maestro demagogicamente diz, que se morasse no bairro da Jamaica também não gostava.

A “Força da Verdade”, está no exemplo dos “Coletes Amarelos” que em menos de três meses, apresentaram uma lista às eleições europeias de Maio próximo denominada “Reunião de Iniciativa Cidadã"    “Queremos deixar de sofrer as decisões das instâncias europeias e os ‘diktats’ * das castas de financeiros e tecnocratas que se esqueceram do principal: o humano, a solidariedade, o planeta”,*Exigência absoluta imposta pelo mais forte, sem outra justificação que a força.)

Enquanto se assiste em França a rápida organização de uma lista para concorrer ao PE com o apoio de cerca de 74% dos franceses, bem assim de governos como o Italiano e …. vamos esperar para ver, quantos mais, nos Açores esperamos de braços cruzados por uma revisão constitucional que se encontra emperrada pelos partidos portugueses e, pelo próprio presidente da República, que diz não haver necessidade de se mexer na mesma.

É de bradar aos céus, usando a expressão popular quando ouvimos e lemos declarações de responsáveis políticos ditos açorianos que defendem a criação de partidos de índole açoriana, proibidos na Constituição de Abril, que dizem defender um círculo eleitoral próprio para o Parlamento Europeu, mas continuam num acto de subjugação. De humilhação que não é condizente com o passado dos nossos “maiores”.

Tenham “Coragem” de uma vez por todas dizerem em “Verdade” o que a “Razão de se ser Açoriano”

O sonho de Abril continua a cantar no pio do milhafre que saltou do seu ninho para o explendor da luz nessa aurora em que, finalmente, pudemos gritar a plenos pulmões: “Somos livres de voar!

José Ventura (*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Artigo originalmente publicado na edição impressa n.º 540, de 08 de março de 2019.