Jornal da Praia

PUB

AS PEDRAS DA CALÇADA

Quarta, 20 de Março de 2019 em Opinião 51 visualizações Partilhar

AS PEDRAS DA CALÇADA

Porque existem perspectivas diversas a considerar quando se fala de stress julgou-se importante dar um passeio por diferentes terras portuguesas para sublinhar, face à visibilidade das diferentes pedras da calçada, os acontecimentos normais e extraordinários que infernizam a vida de cada um, e que se somam ao longo do tempo. Ou seja, o stress é aditivo, na medida que se desenvolve a cada passo, em paralelo com o progresso na vida e com a passagem do tempo. O resultado é semelhante ao desgaste e possível rotura que pode acontecer às solas dos sapatos que usamos como proteccão das irregularidades de algumas dessas pedras.

Torna-se pois importante que cada um seja capaz de compreender o impacto que o stress tem ao longo do tempo, e até ser capaz de avaliar o seu nível, de forma a se tomarem medidas que evitem ou minimizem o desenvolvimento de problemas ou doenças de natureza física ou psicológica, ou mesmo a ruptura da capacidade de agir. A recorrência à escala de Holmes & Rahe (1967), respeitantes a acontecimentos stressantes extraordinários, susceptíveis de produzir fortes mudanças nas nossas vidas pode ajudar à sensibilização de cada um de nós para o seu nível de stress com vista a tomar as medidas mais adequadas para o enfrentar.

Na escala, os números representam a importância subjectiva que cada acontecimento tem para a pessoa. Para se fazer uma ideia destes números citam-se oito exemplos dos 43 acontecimentos constantes da escala: (1) morte de cônjuge - 100; (2) separação ou divórcio - 73; (3) prisão - 63; (4) acidente ou doença grave - 53; (5) reforma – 45; (6) mudança de área de actuação profissional - 36; (7) alteração significativa nas condições de vida – 25; (8) mudança considerável nos hábitos de sono – 16. Se consultar um psicólogo, e pedir para ser avaliado, poderá obter um dos seguintes resultados de risco de ficar doente: elevado ou muito alto; moderado ou baixo.

A percepção destes sinais de stress constitui um alerta para a necessidade de se tomar medidas de auto ou hetero-ajuda, que embora simples e de aplicação fácil, podem ser utilizadas com certa eficácia. Seguem-se alguns exemplos dessas medidas: (a) manter-se a si e aos outros activos; (b) permanecer em contacto com os seus pares e dirigentes; (c) obter informação actualizada; (d) pensar positivamente, ou no que deve fazer de bom; (e) conservar-se motivado e confiante; (f) falar das experiências vividas, com a família e colegas, ou até escrever cartas; (g) usar o bom humor; (h) ter bons hábitos de vida (alimentação, higiene, e descanso); (i) dar apoio aos colegas, e (j) participar em actividades de grupo.

Se as medidas referidas não forem suficientes para eliminar os sinais de stress há necessidade de recorrer aos técnicos do Serviço de Saúde, tão cedo quanto possível. Adicionalmente, e com vantagem para quem tenha recebido alguma preparação, há a possibilidade de continuar a lançar mão das diferentes técnicas para lidar com o stress, em si próprio e nos outros, de que se espera continuar a apresentar alguns exemplos.

Mas para além dos acontecimentos constantes da escala acima existem os pequenos aborrecimentos, ou contrariedades do dia-a-dia, baseados frequentemente em expectativas inesperadas, e que originam irritação, ou se mostram negativos, e que Taylor (1992) exemplifica com: o não dormir bem, a insatisfação com o trabalho, o uso do álcool, a imprudência em relação ao tabaco, os problemas de saúde de um familiar, a falta de dinheiro para comprar roupa, as preocupações com as dívidas, ou com o peso, e o medo de rejeição.

Necessita-se, por isso, de equilibrar as emoções, crenças e recções negativas com comportamentos e modos de enfrentar que nos levem a: (1) viver mais feliz; (2) esquecer o passado e viver no presente: (3) responder de forma mais positiva ao meio ambiente; (4) a controlar a vida; e (5) não se deixar arrastar por memórias desapropriadas e não processadas.

A questão que fica é como realizar o equilíbrio de todas estas áreas. A resposta é simples: continue a seguir estes Cantinhos e transforme a sua vida.

Referências:
Holmes, T. H. & Rahe, R. (1967). Journal of Psychosomatic Research, vol. 11, pp.213-218
Taylor, S, (1992). Health Psychology. New York: McGraw-Hill.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição n.º 540, de 08 de março de 2019.